Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 36 995 euros

Testámos o Leon TDI FR com 150 cv. O Diesel ainda faz sentido?

Cada vez mais ameaçado, o motor Diesel continua presente na gama Leon. Mas será que ainda faz sentido escolher o SEAT Leon TDI?

Hoje, mais do que nunca, se há algo que não falta ao SEAT Leon são diferentes tipos de motorização (talvez uma das razões para a sua eleição como Carro do Ano 2021 em Portugal). Desde motores a gasolina a gasóleo, passando pelo GNC ou híbridos plug-in, parece haver um motor à medida de cada um.

O Leon TDI que aqui estamos a testar, outrora a opção mais económica dentro da gama, tem hoje a “concorrência interna” da variante híbrida plug-in.

Apesar de ter um preço (um pouco) mais baixo — 36 995 euros nesta versão FR face aos 37 837 euros pedidos pela variante híbrida plug-in no mesmo nível de equipamento —, tem contra si o facto de ter menos 54 cv.

VÊ TAMBÉM: Ford Focus ST-Line 1.0 Ecoboost (155cv). Compensa comprar o mais potente?
SEAT Leon TDI FR © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Pois é, mesmo nesta versão mais potente, o 2.0 TDI fica-se “apenas” pelos 150 cv e 360 Nm. Já o 1.4 e-Hybrid oferece 204 cv de potência máxima combinada e 350 Nm de binário. Tudo isto antecipa uma vida difícil para justificar a proposta com motor Diesel.

Diesel? Para que o quero?

Atualmente “na mira” de legisladores e ambientalistas, os motores Diesel têm neste 2.0 TDI de 150 cv e 360 Nm um bom exemplo do porquê de terem tido tanto sucesso.

Auxiliado por uma bem escalonada e rápida caixa DSG (dupla embraiagem) de sete relações, este motor revela-se bastante agradável de usar, sendo linear na entrega de potência e chegando até a parecer ter mais potência do que a anunciada.

Seat Leon FR TDI
Após alguns dias ao volante do SEAT Leon com o 2.0 TDI fiquei convencido de que este motor Diesel ainda tem alguns “truques na manga”. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Para tal contribui, provavelmente, o facto de a potência máxima estar disponível “lá em cima” entre as 3000 e as 4200 rpm, mas os 360 Nm de binário surgem logo às 1600 rpm e assim mantém-se até às 2750 rpm.

O resultado final é um motor que nos permite fazer ultrapassagens sem “criar amizade” com o condutor do carro ao lado (as recuperações são céleres) e, acima de tudo, não parece haver uma especial diferença para a versão híbrida plug-in que testei recentemente (exceção feita à entrega imediata de binário, é claro).

Se é verdade que a variante hibridizada tem mais 54 cv, não nos devemos esquecer que também pesa 1614 kg contra os mais simpáticos 1448 kg do Diesel.

Seat Leon FR TDI
VÊ TAMBÉM: Mazda3 2.0 150 cv testado. Sem turbo, mas dos mais interessantes do segmento

Por fim, também no campo dos consumos, o 2.0 TDI de 150 cv tem uma palavra a dizer. Levem-no para o habitat natural destes motores (as estradas nacionais e as autoestradas) e não terá dificuldade em conseguir médias de 4,5 a 5 l/100 km numa condução despreocupada.

Aliás, sem grande esforço e a cumprir os limites de velocidade, consegui, num trajeto feito maioritariamente nas lezírias ribatejanas, um consumo médio de 3,8 l/100 km. O híbrido plug-in faz igual? Até tem o potencial de fazer melhor — sobretudo em contexto urbano —, mas para isso temos de o carregar enquanto o Diesel consegue isto sem nos exigir qualquer alteração aos nossos hábitos.

Seat Leon FR TDI
Nesta versão FR o Leon ganha para-choques desportivos que lhe conferem um visual mais agressivo. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por fim, uma nota para o comportamento dinâmico. Sempre rigoroso, previsível e eficaz, nesta versão FR o Leon torna-se ainda mais focado no desempenho em curva, tudo isto sem sacrificar um nível de conforto que faz dele uma boa escolha para longas viagens.

VÊ TAMBÉM: O Volkswagen Golf GTE é o futuro dos “hot hatch”. Melhor que o Golf GTI?

E mais?

Tal como referi aquando do teste à versão híbrida plug-in do Leon, a evolução face ao seu antecessor é evidente. Desde o exterior, dinâmico, mas sem ser exagerado e graças a elementos como a faixa de luz que atravessa a traseira o Leon não passa despercebido e merece, na minha opinião, uma “nota positiva” neste capítulo.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Hyundai i30 SW 1.0 TGDi N Line. Mudou, mas está melhor?

Já no interior, a modernidade é evidente (se bem que à custa de alguns detalhes e ergonómicos e facilidade de utilização), bem como a robustez, comprovada não só pela ausência de ruídos parasita como pelos materiais agradáveis ao toque e à vista.

Quanto ao espaço, a plataforma MQB não deixa os seus “créditos por mãos alheias” e permite ao Leon usufruir de boas cotas de habitabilidade e a bagageira com 380 litros insere-se na média do segmento. Neste particular, o Leon TDI sai beneficiado face ao Leon e-Hybrid, que, devido à necessidade de “arrumar” as baterias, vê a capacidade descer para uns mais limitados 270 litros.

A NÃO PERDER: Testámos o renovado SEAT Ateca. Mudou pouco, mas foi suficiente?

É o carro certo para mim?

Esta resposta depende (muito) do uso que se planeia dar ao SEAT Leon. Para quem, como eu, percorre maioritariamente largos trajetos em autoestrada e estrada nacional, este Leon TDI é, muito provavelmente, a escolha ideal.

Não pede que o carreguemos para conseguirmos baixos consumos, permite prestações de bom nível e consome um combustível que é, por enquanto, mais acessível.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Volkswagen Tiguan 2.0 TDI Life com 122 cv. É preciso mais?

Já para quem vê uma parte considerável dos seus trajetos desenrolarem-se em meio urbano, então o Diesel talvez não faça especial sentido. Na cidade, apesar de económico (as médias não andaram longe dos 6,5 l/100 km), este Leon TDI FR não consegue aquilo que os Leon híbrido plug-in permitem: circular em modo 100% elétrico e sem gastar uma gota de combustível.

Por fim, há ainda a ressalvar o facto de as revisões do Leon TDI surgirem a cada 30 mil quilómetros ou 2 anos (o que chegar primeiro) e as da variante híbrida plug-in serem feitas a cada 15 mil quilómetros ou anualmente (novamente o que se cumprir primeiro).

Preço

unidade ensaiada

40.266

Versão base: €36.995

IUC: €225

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1968 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Distribuição: Injeção direta common rail + Turbo de geometria variável + Intercooler
    • Potência: 150 cv entre as 3000 e as 4200 rpm
    • Binário: 360 Nm entre as 1600 e as 2750 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: DSG de sete velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4368 mm / 1800 mm / 1442 mm
    • Distância entre os eixos: 2686 mm
    • Bagageira: 380 litros
    • Jantes / Pneus: 225/40 R18
    • Peso: 1448 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 4,5 l/100 km
    • Emissões de CO2: 118 g/km
    • Vel. máxima: 215 km/h
    • Aceleração: 8,5s
  • Garantias
    • Pintura e corrosão: 3 anos de pintura e 12 anos anti-corrosão
    • Mecânica: 2+2 anos ou 80 000 Kms
    • Reviews Interval: 30 000 km ou 2 anos (o que ocorrer primeiro)
  • Equipamento
    • Para-choques Desportivos
    • Vidros traseiros escurecidos
    • Spoiler traseiro
    • Retrovisores pintados na cor Cinzento Cosmo
    • Espelhos retrovisores com regulação elétrica e aquecidos com recolhimento eletrico (do passageiro com ajuste activado pela marcha atrás)
    • Limpa para-brisas com função intermitente, com sensor de chuva e luz
    • Volante desportivo multifunções em pele com tiptronic
    • Espelho interior anti-encadeamento automatico
    • Vidros dianteiros e traseiros elétricos
    • Apoio de braço dianteiro
    • Luzes de leitura dianteiras (2) e traseiras (2)
    • Protecção dos estribos das portas iluminadas
    • Seleção do perfil de condução e amortecedor convencional
    • Assistente de faixa de rodagem
    • Sensores de estacionamento traseiro
    • Aviso de colisão, com travagem de emergência, com outros veículos, peões ou ciclistas
    • Sistema de Cruise Control (CCS) com limitador de velocidade
    • Sistema de alerta de fadiga do condutor
    • Câmara monovideo multifunções
    • Climatronic (3-zonas) com painel de controlo do ar condicionado para os bancos traseiros
    • Quadro de instrumentos digital SEAT
    • Bluetooth
    • Sistema de Som Media Plus 8,25"
    • 2 portas dianteiras USB Type C e 2 portas USB Type C traseiras
    • Faróis dianteiros Eco LED
    • Farolins traseiros LED com luz infinita
    • Faróis de nevoeiro dianteiros LED com função luz de curva
    • Luzes diurnas com controlo automático e Função Coming & Leaving Home
    • Controle de estabilidade
    • Diferencial autoblocante eletrónico (XDS)
    • Travão de mão elétrico
    • Bancos dianteiros ajustáveis em altura manualmente
    • Paineis das portas em semi-pele
    • Bancos traseiros rebatíveis assimetricamente 1/3 2/3 com apoio de braço traseiro
    • Bolsa de arrumação nos encostos dos bancos
    • Bancos dianteiros com apoio lombar ajustável manualmente
    • Porta documento sob o banco dianteiro esquerdo
Extras
Câmara traseira — 245,55 €; Pacote Segurança & Condução XL em combinação com Sistema de Navegação Plus 10" — 811,67 €; Roda suplente de 18" — 68,96 €; Park Assist + Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros — 346,22 €; Sistema de som BeatsAudioTM: 9 altifalantes premium + 1 subwoofer + Amplificador de 340W + Tecnologia Surround — 448,37 €; Moldura dos vidros Preto Glossy — 163,77 €; Sistema Keyless avançado sem função Safe — 226,98 €; Jantes de liga leve Performance 18" Maquinadas — 600,49 €; Pacote Inverno (inclui: Bancos dianteiros aquecidos, Volante aquecido & jato de agua do lava para-brisas aquecido) — 359,14 €.
Avaliação
8 / 10
Talhado para devorar quilómetros, o SEAT Leon TDI FR relembra-nos algumas das razões do sucesso dos Diesel num passado não muito longínquo. Económico por natureza e com prestações bastante aceitáveis, o Leon com o 2.0 TDI perfila-se como a escolha ideal para quem trata as autoestradas por "tu".
  • Consumos
  • Disponibilidade do motor
  • Design
  • Dinâmica
  • Ausência de comandos físicos para a climatização
  • Alguns materiais do interior (nas zonas inferiores do tabliê)

Mais artigos em Testes, Ensaio