Indústria

Enxurrada elétrica traz seis novos modelos da Mercedes-EQ até 2022

Até 2022, a submarca Mercedes-EQ da Mercedes-Benz vai lançar um total de seis modelos. Os EQS, EQA, EQB e EQE chegam ainda em 2021.

A aposta da Mercedes-Benz na eletrificação não é novidade, tendo até levado à criação da submarca Mercedes-EQ. Ora, depois da sua criação, esta submarca prepara-se para ver chegar não um, não dois, nem mesmo três mas seis (!) novos modelos até 2022.

O primeiro de todos os modelos desta nova família de elétricos será o EQS. Com chegada prevista para a primeira metade de 2021, este será produzido na fábrica de Sindelfingen na Alemanha.

Ao EQS seguir-se-ão ainda em 2021 o EQA (que vai ser produzido na fábrica de Rastatt na Alemanha e em Beijing, na China) e o EQB que será produzido na Hungria e na China.

VÊ TAMBÉM: Fica a conhecer (provavelmente) o único Mercedes-Benz 190 V12 existente
Mercedes-Benz elétricos

Por fim, também previsto para 2021 está o EQE, um sedã elétrico da dimensão do Classe E que será produzido em Bremen, na Alemanha,e em Beijing, na China.

E depois?

Depois do lançamento destes quatro modelos a Mercedes-EQ verá chegar em 2022 dois SUV elétricos que se posicionarão acima do EQC. Uma espécie de variantes SUV dos EQE e EQS, estes SUV serão produzidos na fábrica da Mercedes-Benz em Tuscaloosa, nos EUA.

Com o lançamento destes seis modelos até ao final de 2022 e com os já existentes EQC e EQV, a Mercedes-Benz terá um total de oito modelos 100% elétricos em 2022.

Como é óbvio, esta aposta na produção de modelos elétricos obriga a um reforço da produção de baterias. Por isso, a marca alemã prepara-se para criar uma rede de fábricas para produzir baterias que se vai estender por três continentes.

VÊ TAMBÉM: “Terminator” em forma de SUV. Conduzimos o Mercedes-Benz EQC 4×4²

Com a meta de, em 2030, mais de metade das suas vendas corresponderem a híbridos e modelos 100% elétricos, a Mercedes-Benz vai produzir baterias em países como a Alemanha, a China, os EUA, a Polónia e até a Tailândia.

Para Jörg Burzer, membro do Conselho de Administração da Mercedes-Benz AG, Produção e Cadeia de Abastecimento, esta “epopeia produtiva” vem ressalvar “a força e competência das fábricas da Mercedes-Benz espalhadas pelo mundo”.

Já Markus Schafer, membro do Conselho de Administração da Daimler AG e Mercedes-Benz AG; responsável pelo Daimler Group Research e COO Mercedes-Benz Cars afirmou: “Com a estratégia “Electric First”, a Mercedes-Benz está consistentemente no caminho para a neutralidade de CO2“.

Sabe responder a esta?
Qual é a capacidade da bagageira do Mercedes-Benz A 250 e?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Mercedes-Benz A 250 e (218 cv). O primeiro Classe A híbrido plug-in compensa?

Mais artigos em Notícias