Indústria

Está decidido. A Volkswagen não vai vender a Lamborghini e a Ducati

Depois de muita especulação, eis que surgiu "fumo branco" acerca do futuro da Lamborghini e da Ducati. Quanto à Bugatti, as dúvidas mantêm-se.

Depois de longos meses de especulação, um comunicado do Conselho de Supervisão da Volkswagen veio confirmar que a Lamborghini e a Ducati vão continuar debaixo do controlo do Grupo Volkswagen.

Como se pode ler no comunicado, graças a esta votação “Herbert Diess e a sua nova equipa do Conselho de Administração têm total apoio para a implementação da estratégia Together 2025+”.

O objetivo desta estratégia passa não só por orientar a empresa no caminho da mobilidade elétrica e da digitalização, como por conseguir uma redução de custos fixos na ordem dos 5% nos próximos dois anos.

VÊ TAMBÉM: Culpem a mobilidade elétrica. Volkswagen diz adeus ao desporto automóvel e à Volkswagen Motorsport
Herbert Diess
Herbert Diess viu o seu plano para o futuro do Grupo Volkswagen ser aprovado.

Além disto, ficou ainda decidido que os conselhos de administração do Grupo para Compras e Componentes separar-se-ão e será criado um novo para Tecnologias (a partir de 1 de janeiro de 2021). Um dos objetivos desta separação passa por criar uma redução dos custos dos materiais em 7% nos próximos dois anos.

Também a sede da Volkswagen em Wolfsburgo, onde reside uma das suas principais fábricas, se tornará no centro pioneiro para a produção altamente automatizada de veículos elétricos.

Futuro mais definido

Apesar de ser um dos temas mais discutidos acerca do Grupo Volkswagen, o futuro da Lamborghini e da Ducati mereceu pouco mais que uma nota no comunicado.

Nesta pode-se ler: “Há um consenso no Conselho de Supervisão de que a Lamborghini e a Ducati permanecerão como parte do Grupo Volkswagen”.

Já em relação à Bugatti, este comunicado apenas vem adensar as dúvidas que existem acerca do seu futuro. É que em parte alguma a marca de Molsheim é mencionada, ajudando a alimentar os rumores que indicam que esta pode vir a ser comprada pela Rimac Automobili.

Bugatti Divo
VÊ TAMBÉM: Diretor da Bugatti e Lamborghini: “o motor de combustão deve durar tanto tempo quanto possível”

Por fim, também a Bentley é referida, confirmando-se a passagem do seu controlo para a Audi a 1 de março de 2021 — juntando-se à Lamborghini e à Ducati que também estão sob a batuta da marca dos quatro anéis — com o objetivo de “permitir a obtenção de sinergias no âmbito da estratégia de eletrificação das duas marcas”.

Sabe responder a esta?
Qual é a potência máxima combinada do Audi A3 Sportback 45 TFSI e?

Mais artigos em Notícias