Competição

O desporto motorizado continua a fazer sentido. A Porsche é a prova disso mesmo

No dia em que acabarem com a competição automóvel, as marcas com que sonhamos passam a ser marcas comuns. Os protótipos que a Porsche mostrou são a prova disso mesmo.

A máxima «race on sunday, sell on monday» (correr ao domingo, vender na segunda-feira) que motivou muitas marcas a gastar milhões no desporto motorizado durante décadas pode já não ter aplicação no presente. A ligação entre o mundo da competição e dos carros de produção é cada vez mais distante. Concordam?

Porém, é a competição que continua a alimentar a paixão que muitos de nós nutre pelas marcas de automóveis. A Ferrari faria sentido sem a Fórmula 1? A Porsche faria sentido sem a sua histórica ligação ao desporto motorizado?

A estas perguntas a minha resposta é simples: não.

TENS DE VER: Porsche Unseen. Os modelos que a Porsche (infelizmente) nunca produziu

Aquilo que a Porsche fez é a prova disso mesmo; falo naturalmente do “Porsche Unseen”. Com esta reunião de modelos que nunca viram a luz do dia, a Porsche voltou a fazer-nos sonhar com versões de produção dos seus carros de competição. Apresentou mais de 10 protótipos que durante os últimos 10 anos colocaram a mente dos seus designers e engenheiros a inovar e a tentar ir mais longe.

Sem programa de competição, seria impossível fazer estes exercícios. Não havia Porsche 919 Street, não havia Porsche 920, nem haviam outros tantos modelos que já habitam as garagens de quem continua a gostar de automóveis. E mesmo que houvesse, não havia ligação à competição para os legitimar.

Sem competição, em vez de projetos de sonho, existiria um museu daquilo que a Porsche foi e já não é.

Porsche 919 Street
Desde de que o vi ontem de manhã, ainda não deixei de imaginá-lo na minha garagem.

Sem competição, a Porsche deixaria de ser uma marca especial e passava a ser uma marca «comum». Depois de um período de maior afastamento do mundo da competição, decidido por Wendelin Wiedeking, diretor executivo da Porsche entre 1993 e 2009 — não, ainda não lhe perdoei o cancelamento do programa de regresso a Le Mans com o 9R3 —, a marca alemã nunca mais se afastou daquele que sempre foi o seu ambiente natural: as corridas.

Até vou mais longe: Porsche sem competição não é Porsche, é outra coisa qualquer. E quem dá mais de 100 mil euros por um automóvel não quer qualquer coisa. E se dei o exemplo da Porsche, podia ter dado muitos outros.

Alguém duvida que o programa de competição da Toyota fez muito pela imagem do sistema híbrido da marca? Mesmo não havendo uma ligação direta entre o todo poderoso Toyota TS050 Hybrid e o simpático Yaris. Eu não tenho dúvidas.

E podemos dar o exemplo de outra marca, cujo nome começa em «Alfa» e acaba em «Romeo». Mas não vou dizer qual é. Se dissesse, tinha de escrever outro texto. Sendo assim, marcamos encontro para a semana?

Mais artigos em Crónicas