Arranque a Frio

O quê? McLaren F1 também usava ventoinhas para efeito aerodinâmico

O GMA T.50 destaca-se pela ventoinha de 40 cm atrás, mas o antecessor, o McLaren F1, até tinha duas (mais pequenas) ventoinhas para efeitos similares.

Facto pouco conhecido: o McLaren F1 também usava duas pequenas ventoinhas (aprox. 15 cm de diâmetro) para conseguir mais downforce e simultaneamente menos arrasto aerodinâmico.

Tal como a impossível-de-não-ver ventoinha traseira do novo GMA T.50, a inspiração para as duas ventoinhas do McLaren F1 veio da solução “crude” do Brabham BT46B Fan Car de 1978, também concebido por Gordon Murray.

Um detalhe que passou despercebido a muitos, até porque as mesmas estavam escondidas por baixo dos “ombros” traseiros do F1.

TENS DE VER: GMA T.50. Todos os números do verdadeiro sucessor do McLaren F1

O seu efeito é inegável, servindo não só para efeito aerodinâmico, como para arrefecimento de vários componentes. Nas palavras de Gordon Murray:

(…) elas (ventoinhas) removiam a camada limite de duas pequenas secções do difusor. O difusor normal por baixo do F1 era uma suave curva ascendente, como qualquer outro carro com efeito de solo. Mas havia duas secções com curvas refletidas muito íngremes em que o ar não seguia.(…) Eu pensei “Bem, e se removêssemos toda a camada limite que se está a dividir em vórtices e forçamos o ar a seguir aquela forma?” e com certeza conseguimos mais 10% de downforce.

Uma ilustração para se perceber melhor do que se trata (à direita):

Fonte: Jalopnik.


Sobre o “Arranque a Frio”. De segunda a sexta-feira na Razão Automóvel, há um “Arranque a Frio” às 8h30 da manhã. Enquanto bebes o teu café ou ganhas coragem para começar o dia, fica a par de curiosidades, factos históricos e vídeos relevantes do mundo automóvel. Tudo em menos de 200 palavras.

Mais artigos em Notícias