Indústria

Covid-19 leva Ineos Automotive a desistir da fábrica em Estarreja

As "ondas de choque" da pandemia de Covid-19 levaram a Ineos Automotive a suspender o investimento. Com isto, a fábrica em Estarreja já não vai nascer.

Depois de na semana passada te termos dado a conhecer o Ineos Grenadier, hoje trazemos-te más notícias acerca deste projeto com o qual a Ineos Automotive visa lançar um sucessor do Land Rover Defender.

Se bem te lembras, estava prevista a construção de uma fábrica da Ineos Automotive em Estarreja, onde seriam produzidos componentes do chassis e da carroçaria e que tinha o potencial para criar 500 postos de trabalho.

Agora, segundo avança o site da Câmara Municipal de Estarreja, o projeto da tal fábrica que por lá iria nascer foi abandonado e o culpado é a… pandemia de Covid-19.

VÊ TAMBÉM: Estas 11 marcas de automóveis são portuguesas. Conheces todas?
Ineos Grenadier

O culpado do costume

Depois de ter afundado o mercado automóvel, levado ao cancelamento de salões e ter deixado “na corda bamba” muitas marcas, a pandemia de Covid-19 levou agora ao abandono deste projeto.

Segundo a Câmara Municipal de Estarreja, a Ineos Automotive informou que tomou “a difícil decisão de suspender o investimento em Estarreja, tendo em conta uma reavaliação das opções que agora se colocam face à crise provocada pela pandemia Covid-19”.

Tal como se pode ler no site do município de Estarreja, “a decisão não teve absolutamente nada a ver com uma mudança da visão de Estarreja/Portugal como local de produção”.

Na base da decisão da Ineos Automotive está a mudança de paradigma na indústria automóvel e à redução da produção.

VÊ TAMBÉM: Volkswagen Autoeuropa. “Somos servidos por estradas que ameaçam pessoas e bens”

Face a esta situação, a câmara de Estarreja revela que Dirk Heilmann, CEO da Ineos Automotive, afirmou que este cenário “permitirá à Ineos produzir o Grenadier numa unidade industrial já em funcionamento, usufruindo da força de trabalho com histórico de construção na área automóvel e da capacidade técnica instalada que possibilita a fabricação de outro produto, anulando os riscos inerentes à construção e arranque de uma nova unidade fabril”.

Sabes responder a esta?
Em que ano deixou de ser produzido o Volkswagen Eos?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te quando as capotas metálicas eram a “última bolacha do pacote”?

Mais artigos em Notícias