Técnica

OM 654 M. O Diesel de quatro cilindros MAIS POTENTE do mundo

Os motores Diesel têm os dias contados? Pensa bem na resposta. A Mercedes-Benz acaba de elevar ainda mais a fasquia com o renovado OM 654 M, o Diesel de quatro cilindros mais potente do mundo.

A Mercedes-Benz não acredita nos combustíveis sintéticos, mas continua a acreditar nos motores Diesel. A par da eletrificação, a marca alemã continua a apostar neste ciclo de combustão para animar os seus modelos.

Por isso, com a chegada do renovado Mercedes-Benz Classe E (geração W213) ao mercado — que sofreu este ano uma ligeira atualização — chegará também uma versão «vitaminada» do já conhecido motor Diesel OM 654 (220 d).

Lançado em 2016, este motor com 2.0 litros de capacidade, quatro cilindros e bloco em alumínio conhece agora uma evolução: o OM 654 M.

VÊ TAMBÉM: Fiat. A marca que «inventou» os motores Diesel modernos

As novidades do OM 654 M

O bloco é o mesmo do OM 654, mas os periféricos são diferentes. O OM 654 M debita agora 265 cv de potência contra os 194 cv da primeira geração (que continuará presente na gama Classe E) que o colocam como o Diesel de quatro cilindros mais potente do mundo.

As versões animadas com o motor OM 654 M serão comercializadas com a sigla 300 d

Para incrementar a potência em mais de 70 cv, a partir de um bloco com apenas 2.0 litros de capacidade e quatro cilindros, as mudanças operadas no OM 654 foram profundas:

  • Nova cambota com um curso superior (94 mm) que resulta num incremento da cilindrada para 1993 cm3 — antes 92,3 mm e 1950 cm3;
  • A pressão da injeção subiu dos 2500 para os 2700 bar (+200);
  • Dois turbos de geometria variável refrigerados a água;
  • Êmbolos com tratamento anti-fricção Nanoslide e condutas internas preenchidas com liga de sódio (Na).

Como muitos saberão, o sódio (Na) é um dos metais mais utilizados nos sistemas de refrigeração das centrais nucleares devido às suas características: estabilidade e capacidade de dissipação de calor. No interior do OM 654 M este metal líquido terá uma função similar: evitar o sobreaquecimento do motor, reduzindo a fricção e o desgaste mecânico.

A par dos turbos refrigerados a água, os êmbolos com condutas internas com liga de sódio (Na) são das soluções mais engenhosas presentes no OM 654 M. Mas não são as únicas…

Eletrificação quase obrigatória

Além destas novidades, o OM 654 M também conta com uma preciosa ajuda: um sistema mild-hybrid de 48 V. Uma tecnologia que num futuro não muito distante deverá estar presente em todos os motores.

Trata-se de um sistema elétrico paralelo composto por um gerador/motor de arranque e uma bateria, com duas funções essenciais:

  • Gerar energia para alimentar os sistemas elétricos do carro (ar condicionado, direção, sistemas de apoio à condução) libertando o motor de combustão desta função, incrementado assim a eficiência energética do mesmo;
  • Auxiliar o motor de combustão nas acelerações, oferecendo um incremento temporário de potência de até 15 kW e 180 Nm de binário máximo. A Mercedes-Benz apelida esta função de EQ Boost.

Ainda no campo da combate às emissões, também foi desenvolvido um intenso trabalho de tratamento dos gases de escape no OM 654 M.

Mercedes-Benz Classe E
A “honra” de estrear o OM 654 M vai caber ao renovado Mercedes-Benz Classe E.

Este motor recorre agora a um filtro de partículas de última geração (com tratamento de superfície para reduzir os depósitos de NOx) e a um sistema de SCR (Selective Catalytic Reduction) de várias fases que injeta Adblue (32,5% de ureia pura, 67,5% de água desmineralizada) no sistema de escape para transformar o NOx (óxidos de azoto) em azoto e água (vapor).

VÊ TAMBÉM: M 139. O quatro cilindros de produção mais potente do mundo

O que podemos esperar do 300 d?

Quando chegar ao mercado, o OM 654 M será conhecido por 300 d — é esta sigla que vamos encontrar na traseira de todos os modelos Mercedes-Benz equipados com este motor.

Usando o exemplo do Mercedes-Benz Classe E que vai estrear este motorização 300 d, podemos esperar prestações muito interessantes. Na versão 220 d este modelo já é capaz de acelerar dos 0-100 km/h em 7,4 segundos, e atingir os 242 km/h de velocidade máxima.

É portanto de esperar que este 300 d — que será o Diesel de quatro cilindros mais potente do mundo — seja capaz de obliterar estes valores. Com mais 265 cv de potência e um binário que deverá superar os 650 Nm (modo EQ Boost) o Mercedes-Benz E 300 d deverá ser capaz de cumprir os 0-100 km/h em 6,5 segundos e superar os os 260 km/h de velocidade máxima (sem limitador eletrónico).

VÊ TAMBÉM: O melhor de dois mundos? Testámos a Mercedes-Benz Classe C Station Diesel híbrida plug-in
Motor OM 654
Aqui está o OM 654, o antepassado do OM 654 M de que te falamos hoje. Daimler AG - Global Communicatio

Gostas de saber mais detalhes sobre este motor?

Deixa-nos um comentário e subscreve o canal de Youtube da Razão Automóvel. Brevemente vamos publicar um vídeo onde explicamos tudo sobre este OM 654 M, o Diesel de quatro cilindros mais potente do mundo.

Sabes responder a esta?
Qual era a potência do Mercedes-Benz E 50 AMG (W210)?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te deste? Mercedes-Benz E 50 AMG (W210)

Mais artigos em Autopédia