Desde 20 714 euros

Testámos o Ibiza TGI a Gás Natural (GNC). O carro certo com a rede de abastecimento errada

Depois das variantes TSI e TDI, o SEAT Ibiza passou a contar com a versão TGI movida a gás natural (GNC). Para saber se é uma boa opção pusemo-lo à prova.

Numa altura em que muito se fala acerca de combustíveis alternativos, a SEAT passou das palavras aos atos e apostou no GNC (Gás Natural Comprimido). Desta aposta resultou uma completa gama de modelos que usam GNC, onde se inclui este SEAT Ibiza TGI.

Esteticamente, é praticamente impossível distinguir o SEAT Ibiza TGI dos seus “irmãos” a gasolina e gasóleo. Assim sendo, no exterior a única coisa que o denuncia é a sigla “TGI” através da qual a SEAT informa os transeuntes de que este Ibiza não é bem igual aos outros.

No interior, as diferenças resumem-se ao painel de instrumentos, onde passaram a existir dois indicadores do nível de combustível: um para o GNC, outro para a gasolina. De resto, continua tudo igual, com a ergonomia estar em muito bom plano, um sistema de infotainment a revelar-se fácil e intuitivo de usar e a qualidade de montagem a não merecer reparos.

VÊ TAMBÉM: Testámos o SEAT Ibiza 1.6 TDI 95 cv DSG FR. Quanto valem duas siglas?
SEAT Ibiza TGI
Assim ao longe é impossível distinguir o Ibiza TGI dos seus “irmãos” que consomem gasolina e gasóleo. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Já ao nível da habitabilidade, apesar de a instalação dos três depósitos de GNC não ter prejudicado o espaço disponível para os passageiros, o mesmo não aconteceu com a bagageira, que viu a sua capacidade descer de 355 litros para 262 litros.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Razão Automóvel (@razaoautomovel) on

Ao volante do SEAT Ibiza TGI

Uma vez aos comandos do Ibiza TGI, a boa ergonomia volta a vir ao de cima, com todos os comandos a surgirem “à mão de semear”. Encontrar uma posição de condução confortável é fácil, com apenas o volante a merecer reparos — o aro é demasiado fino e o material usado nesta versão Xcellence não tem um tacto tão agradável como o das versões FR.

NÃO PERCAS: Já testámos o novo Hyundai i10 em Portugal. Um segmento B em miniatura?

Em andamento, o tricilíndrico com 1.0 l de capacidade, 90 cv e 160 Nm de binário é mais que suficiente para mover o Ibiza sem quaisquer problemas, contando para tal com uma bem escalonada caixa manual de seis velocidades que permite evitar a habitual falta de pujança dos pequenos motores a baixa rotação.

VÊ TAMBÉM: Opel Corsa GS Line contra Peugeot 208 GT Line. Qual o melhor?
SEAT Ibiza TGI
A caixa manual de seis velocidades que surge associada ao 1.0 TGI revelou-se bem escalonada e com um tacto agradável. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Dinamicamente, o Ibiza continua a pautar-se pela eficácia e segurança. Já ao nível do conforto, a adoção de pneus com um perfil um pouco mais alto nesta variante Xcellence face aos usados na versão FR acaba por se revelar acertada, pois estes asseguram uma boa relação conforto/comportamento.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Mazda CX-3 SKYACTIV-D. O Diesel faz mesmo falta?
SEAT Ibiza TGI
Com três depósitos de GNC com uma capacidade total de 13,8 kg, o Ibiza TGI consegue percorrer 360 km recorrendo apenas a este combustível. Quando este chega ao fim, o Ibiza tem ainda um depósito de gasolina com 9 litros de capacidade que permite percorrer mais 150 km, contribuindo para uma autonomia total de 510 km. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Já no que aos consumos diz respeito, só te posso falar dos consumos de GNC, pois consegui andar apenas com recurso a este combustível. Assim sendo, em estrada aberta e auto-estrada, as médias ficaram-se pelos 4 kg/100 km, enquanto em cidade subiram para os 5,7 kg/100 km.

O melhor de tudo é que, quando chegou a hora de reabastecer, apenas sete euros bastaram para repor metade da capacidade do depósito de GNC (o preço é 1,084 €/kg). Ou seja, com uma quantia à volta de 15 euros podemos atestar este Ibiza para percorrer cerca de 360 km.

VÊ TAMBÉM: Ao volante dos novos mil turbo do Nissan Micra
SEAT Ibiza TGI
Algo ruidoso em rotações mais elevadas e quando trabalha a frio, o rendimento do pequeno tricilíndrico não desilude. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

É o carro certo para mim?

A resposta à pergunta do título é simples: sim. O GNC é uma boa opção, mas seria ainda melhor se houvesse mais postos de abastecimento. Depois de ter feito largos quilómetros ao volante do SEAT Ibiza TGI, o melhor elogio que lhe posso fazer é que é um Ibiza igual aos outros. Em ocasião alguma me apercebi de que estava ao volante de um modelo a… GNC.

Às qualidades já reconhecidas ao Ibiza como um espaço habitável referencial (mesmo que a bagageira tenha perdido alguma capacidade), um comportamento seguro e uma boa robustez geral, esta versão a GNC acrescenta um custo de utilização mais baixo do que a versão Diesel (e um custo de aquisição também mais baixo).

VÊ TAMBÉM: Testámos o Volkswagen T-Cross 1.0 TSI Life: vale a pena poupar?
SEAT Ibiza TGI
As jantes de 17” com pneus 215/45 revelam-se uma boa proposta tanto ao nível de conforto como de comportamento. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Posto isto, se procuras um utilitário bem comportado, bem equipado, confortável, espaçoso e que seja bastante mais barato de utilizar, o SEAT Ibiza TGI pode (e deve) fazer parte da tua lista de opções.

Pena é que o país que, orgulhosamente, vê a sua capital ser a “Capital Verde Europeia 2020” continue a ter uma rede de abastecimento de GNC muito deficitária e que se resume a 10 postos (estão previstos mais nove postos), sendo que do Sado para baixo nem um há para amostra.

Preço

unidade ensaiada

24.794

Versão base: €20.714

IUC: €103

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cil. em linha
    • Capacidade: 999 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta + Turbo + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: 90 cv entre as 4500 rpm e as 5800 rpm
    • Binário: 160 Nm entre 1900 rpm e as 3500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Manual de seis velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4059 mm / 1780 mm / 1444 mm
    • Distância entre os eixos: 2564 mm
    • Bagageira: 262 litros
    • Jantes / Pneus: 215/45 R17
    • Peso: 1257 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 3,9 a 4 kg/100 km
    • Emissões de CO2: 106 a 108 g/km
    • Vel. máxima: 180 km/h
    • Aceleração: 12,1s
  • Equipamento
    • Climatronic com filtro Aircare
    • Sensor de chuva e de luz
    • Espelhos retrovisores elétricos, aquecidos com recolhimento elétrico
    • Acendimento automático dos faróis (Função Coming & leaving home)
    • Volante multifunções em pele
    • Banco do condutor e passageiro reguláveis em altura
    • Banco traseiro rebatível assimetricamente
    • Jantes em liga leve 15" Enjoy
    • Sistema Keyless sem função SAFE
    • Espelho interior antiencadeamento automático
    • Vidros dianteiros e traseiros elétricos
    • Bolsa no encosto dos bancos dianteiros
    • Apoio de braço dianteiro
    • Alavanca de velocidades e travão de mão em pele
    • Iluminação na zona dos pés na parte dianteira, na área da consola central e no painel das portas
    • Sensores de estacionamento traseiro
    • Faróis dianteiros de dupla ótica com luzes diurnas LED
    • Cruise Control com Limitador de Velocidade
    • Faróis de Nevoeiro com função "Cornering" (desactivada em combinação com faróis Full LED)
    • Climatronic
    • Sistema de deteção de fadiga
    • Porta-objetos sob o banco do condutor
Extras
Câmara de visão traseira (inclui sensores de estacionamento dianteiros e traseiros) — 460 €; Vidros traseiros escurecidos (inclui moldura cromada) — 135 €; Moldura do tablier em pele sintética — 109,90 €; Pacote Ice Metal, painel das portas com inserções em Ice Metal — 124,99€; SEAT Full Link (inclui Mirror Link + Apple e Google) — 150 €; DAB (Digital Audio Broadcast) — 160 €; Pacote Easy com função SAFE (sistema Keyless com função SAFE + Cruise Control Adaptativo (ACC)) — 200 €; Jantes de liga leve 17" Dynamic — 615 €; Faróis SEAT Full LED (farolins traseiros com LED; regulação automática e dinâmica do alcançe dos faróis dianteiros; iluminação na zona dos pés na parte dianteira e Consola central LED; faróis dianteiros LED; iluminação da matrícula em LED) — 595 €; Mapcare — 120 €; Sistema de Navegação (Bluetooth; antena de receção AM/FM com busca automática; conexão Aux-in e 2 portas USB; seis altifalantes; computador de bordo "Medium"com Display multifunções; ecrã tátil 8"; reconhecimento de voz)— 815,01 €; Alarme Volumétrico (inclui buzina de apoio e sistema SAFE) — 244,99 €; Pacote inverno (inclui bancos dianteiros aquecidos e com regulação em altura; jato de água do limpa para-brisas aquecido; espelhos retrovisores elétricos e aquecidos) — 349,98 €.
Avaliação
7 / 10
Com uma gama composta pelo Mii, Ibiza, Arona e Leon, a SEAT aposta forte no GNC (Gás Natural Comprimido), revelando que há outras soluções para além da eletrificação para ajudar a tornar os carros com que andamos mais amigos do ambiente. Quanto ao SEAT Ibiza TGI, este acrescenta às qualidades já reconhecidas ao utilitário espanhol uma economia de utilização só alcançável através do recurso a combustíveis alternativos. Pena é que, para azar da SEAT e dos potenciais clientes, a rede de abastecimento de GNC no nosso país continue a ser tão limitada.
  • Ergonomia
  • Preço/Custo de utilização
  • Sistema de infotainment
  • Comportamento competente
  • Materiais rijos
  • Motor algo ruidoso a frio e em altas rotações
  • Tacto do volante
Sabes responder a esta?
Qual foi o primeiro modelo da SEAT?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

SEAT 1400. Este foi o primeiro automóvel da marca espanhola

Mais artigos em Testes, Ensaio