Tuning

Manhart MH1 400. O BMW Série 1 ideal para rivalizar com o A 45 S?

Já foi descontinuado, mas o anterior BMW M140i recebeu a atenção da Manhart, transformando-se no MH1 400, um hot hatch de tração traseira com 435 cv.

O Manhart MH1 400 parece ser a resposta para aqueles que não se deixaram levar pelos encantos do novo Mercedes-AMG A 45 S, o tal que tem um 2.0 Turbo de 421 cv. Ao contrário do que seria de esperar a Manhart não partiu do novo “tudo-à-frente” Série 1 da BMW (F40), mas sim, da anterior geração F20/F21.

Isto significa que, como hot mega hatch, não podia ser mais distinto da proposta de Affalterbach. Em vez de um quatro cilindros expremido até à insanidade, temos um bem maior e mais vocal seis cilindros em linha. Em vez de quatro rodas motrizes, podemos ter apenas duas… no eixo que interessa, ou seja, o traseiro.

O MH1 400 começa como um BMW M140i, já de si, uma máquina que de modesta tem pouco.

VÊ TAMBÉM: Mercedes-AMG leva a Goodwood o A 45 4MATIC+ e…o CLA 45 4MATIC+!
Manhart MH1 400, BMW M140i

O B58, o seis cilindros em linha que equipa não só o M140i como também tantos outros BMW e até o… Toyota Supra, recebe uma nova unidade de controlo da própria Manhart, a MHtronik Powerbox; e um sistema de escape revisto com um novo “downpipe” com catalisador integrado e duas saídas de 90 mm, capaz de não só reduzir a contrapressão no sistema de escape, como também a temperatura dos gases de escape.

Tudo isto resulta num salto expressivo nos números debitados pelo motor: de 340 cv e 500 Nm de série para 435 cv e 644 Nm no Manhart MH1 400. Não foram avançados números para as suas prestações, mas os 95 cv e 144 Nm a mais, certamente devem contribuir para um empuxo mais pronunciado.

O som também é mais expressivo graças a um silenciador desportivo feito em aço inoxidável.

Manhart MH1 400, BMW M140i

Potência sem controlo é apenas desperdício, e por isso a Manhart completou o conjunto com um chassis agora composto por um novo kit de coilovers KW Variant 2 que também o aproxima do solo. A travagem não foi esquecida, com o eixo dianteiro a receber um sistema com maxilas de seis pistões. Atrás, permanece o sistema de origem do M140i.

Para distinguir o MH1 400 dos M140i encontramos novas jantes de 19″ côncavas — em preto seda mate ou diamante polido —, splitter dianteiro e difusor traseiro em fibra de carbono (que otimizam a aerodinâmica, garante a Manhart).

Por dentro, vemos fibra de carbono no volante, manípulo da caixa de velocidades e travão de mão. Mas o destaque vai para o pequeno ecrã com informação extra que toma o lugar da saída esquerda central de ventilação, onde podemos ver dados como a pressão do turbo, forças G e quanta potência e binário estão a ser usados.

Sabes responder a esta?
O Acura SLX é um exemplo de badge-engineering. Qual o modelo que lhe serviu de base?

Mais artigos em Notícias