Apresentação

Mesmo a tempo do… outono. Ferrari retira a capota ao F8 e ao 812

Não uma, mas duas novas máquinas sem teto da marca de Maranello. Fica a conhecer os novos Ferrari F8 Spider e Ferrari 812 GTS.

Um fim de semana em grande para a Ferrari. Não só conseguiu a vitória no “seu” GP de Itália, a segunda vitória consecutiva no campeonato, como acaba de adicionar duas novas máquinas, ambas sem teto fixo, ao seu crescente portefólio de máquinas de sonho: Ferrari F8 Spider e Ferrari 812 GTS.

F8 Spider

Meio ano depois de termos conhecido o F8 Tributo, sucessor do 488 GTB e modelo do qual diretamente deriva, a Ferrari dá a conhecer a mais que esperada versão descapotável, o Ferrari F8 Spider. 

Comparando com o antecessor, o 488 Spider, são mais 50 cv e menos 20 kg de peso — 720 cv e 1400 kg (seco), respetivamente.

A NÃO PERDER: Jason Cammisa: “O MAT Stratos é o melhor Ferrari V8 alguma vez feito”

E tal como o antecessor, a Ferrari manteve-se fiel ao teto rígido retrátil, dividido em duas partes que, quando recolhido, fica posicionado por cima do motor. Abrir ou fechar o teto não demora mais que 14s, e podemo-lo fazer em movimento, até aos 45 km/h.

As prestações são praticamente idênticas quando comparadas com o coupé F8 Tributo. O novo Ferrari F8 Spider atinge os 100 km/h nos mesmos 2,9s (-0,1s em relação ao 488 Spider), mas demora mais 0,4s a atingir os 200 km/h, ou seja, 8,2s (-0,5s) e atinge os mesmos 340 km/h do coupé (+15 km/h).

812 GTS

Foi há 50 anos a última vez que vimos um Ferrari descapotável de produção com motor V12 dianteiro, o 365 GTS4, mais conhecido como Daytona Spider. Reforçamos o argumento “de produção”, porque houve quatro edições especiais… e limitadas descapotáveis de automóveis Ferrari com V12 à frente: o 550 Barchetta Pininfarina (2000), o Superamerica (2005), o SA Aperta (2010), e o F60 America (2014).

Ferrari 812 GTS

O novo Ferrari 812 GTS não é de produção limitada, e passa a ser o roadster mais potente do mercado — considerando a ferocidade reconhecida do 812 Superfast, o 812 GTS também promete ser uma experiência visceral.

VÊ TAMBÉM: Todas as imagens dos Ferrari Monza SP1 e Monza SP2

Do 812 Superfast recebe o épico e sonoro V12 atmosférico de 6.5 l e 800 cv de potência atingidos a umas estridentes 8500 rpm. O Ferrari 812 GTS promete prestações muito próximas das do coupé, refletindo os 75 kg a mais (1600 kg a seco) — o 812 GTS, além da nova capota e mecanismo correspondente, viu o chassis também ser reforçado.

Continua a ser absurdamente rápido. A Ferrari declara menos de 3,0s para atingir os 100 km/h, e 8,3s (7,9s no Superfast) para os 200 km/h, igualando a velocidade máxima do Superfast de 340 km/h.

Andar de Perder os cabelos ao vento é também tarefa fácil, graças a uma capota com características em tudo idênticas à do F8 Spider — capota rígida retrátil, cuja ação de abrir e fechar não demora mais que 14s, mesmo em movimento, até 45 km/h.

O adicionar de uma capota obrigou a repensar aerodinamicamente o 812 GTS, sobretudo atrás, já que perdeu a conduta acima do eixo traseiro do coupé, ganhando uma nova “lâmina” no difusor traseiro, compensando a perda de downforce relativamente ao coupé.

Sabes responder a esta?
Qual destes modelos foi o primeiro a receber a designação Superfast na Ferrari?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Ferrari 500 Superfast. O primeiro Superfast

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos