Velocidade Máxima

Objetivo: 300 mph (482 km/h)! Michelin já desenvolve pneus para o conseguir

Os hiper-carros dos dias de hoje já suplantam as 250 mph ou (pouco mais 400 km/h), mas não é suficiente. O objetivo agora é o de quebrar a barreira das 300 mph, ou 482 km/h. O maior desafio para o conseguir? Os pneus.

No final do ano passado o Koenigsegg Agera RS atingiu os 445,54 km/h (276,8 mph) — com um pico de 457,49 km/h (284,2 mph) — tornando-se o automóvel mais rápido do planeta, destronando, com considerável margem, o anterior recorde de 431 km/h, alcançado pelo Bugatti Veyron Super Sport em 2010.

De acordo com o cliché, os recordes existem para serem batidos. E a próxima fronteira são umas redondas 300 milhas por hora, o mesmo que 482 km/h. Um objetivo já fixado pelo norte-americano Hennessey Venom F5.

Podemos sempre perder horas a discutir o sentido de atingir estas velocidades absurdas e impraticáveis na via pública, mas os argumentos a favor são fortes. Seja do ponto de vista comercial — é um bom argumento de vendas e tantos que gostam de se “gabar” das velocidades atingidas —, seja do ponto de vista tecnológico — a engenharia por detrás dos números alcançados é sempre assombrosa.

Velocidades nesta ordem de grandeza colocam desafios colossais aos engenheiros que desenvolvem estas máquinas. O problema não está no conseguir a potência para atingir estas velocidades. Por incrível que pareça, mais de 1000 cv parece uma “brincadeira de crianças” nos dias de hoje, até dado pelo número crescente de máquinas — originais —, que o fazem.

Hennessey Venom F5 Genebra 2018

Desafio está nos pneus

Para atingir a marca das 300 mph, os problemas residirão, sobretudo em questões de downforce e fricção, neste último caso, aquela que ocorre entre o asfalto e os pneus — é o que diz Eric Schmedding, gestor de produto da Michelin para equipamentos originais.

A Michelin não é estranha às altas velocidades. Foi ela quem desenvolveu os pneus para os recordistas da Bugatti e Koenigsegg. E está mesmo no meio da “tempestade”, onde são vários os pretendentes a serem os primeiros a atingir as 300 mph, com Schmedding a referir que apesar da escala do desafio, não falta competição e tudo está a acontecer a um ritmo bastante elevado.

Para conseguir um pneu que suporte velocidades superiores a 480 km/h, o desafio estará em mitigar o calor, pressão e desgaste. Estes pneus têm de ter a capacidade de suportar repetidamente velocidades muito elevadas durante vários minutos de cada vez — o recorde de velocidade máxima, para ser considerado oficial, é calculado pela média de duas passagens em sentidos opostos. Schmedding, sobre o atingir desse objetivo, afirma:

Estamos muito perto de conseguir as 300 mph.

Fica apenas por saber quem será o primeiro a consegui-lo. Será a Hennessey com o Venom F5, ou a Koenigsegg com o Regera ou sucessor do Agera? E a Bugatti? Quererá entrar nesta guerra — uma que ela própria originou, ao fazer o primeiro hipercarro capaz de ultrapassar, alegremente, os 400 km/h — com o Chiron?

Que comecem os jogos…

Sabes responder a esta?
Qual o tempo alcançado pelo Koenigsegg Agera RS nos 0-400 km/h-0?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Os 5 recordes do Koenigsegg Agera RS. O carro mais rápido do mundo

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos