Off Road

Ângulos de ataque, de saída e ventral. O que são e para que servem?

Existem várias características que são avaliadas num veículo de todo-o-terreno. Convém que saibas o que são para perceberes a sua importância. É o caso dos ângulos.

Quando falamos de um veículo vocacionado para o todo-o-terreno é frequente falar-se em diversos valores referentes a ângulos.

Portanto, ângulos de ataque (ou entrada), ângulos de saída, e ângulos ventrais, não são estratégias de guerra, nem tão pouco provêm de uma aula de matemática ou geometria descritiva.

Mas afinal o que são e para que servem? É isso que vais ficar a saber nas próximas linhas deste artigo.

ângulos todo-o-terreno

Peguemos no exemplo da nova Mercedes-Benz Classe X que não só acabou de chegar ao mercado, como acusa valores para todos estes ângulos que são uma das referências.

Ângulo de ataque

O ângulo de ataque ou entrada (Approach Angle), é o ângulo máximo possível para abordar um obstáculo sem danificar qualquer parte do veículo com qualquer tipo de pancada no pára-choques frontal.

É portanto o ângulo medido entre o pára-choques e a roda dianteira. O exemplo mais óbvio é a abordagem a uma subida acentuada.

Quanto maior for o ângulo de ataque do veículo, mais pronunciada poderá ser a abordagem à subida.

No caso da Mercedes-Benz Classe X, o ângulo de ataque anunciado com a distância ao solo máxima (opcional) de 221 mm é de 30,1º.

Ângulo de saída

O ângulo de saída (Departure Angle) é o ângulo máximo possível para sair de um obstáculo sem danificar qualquer parte do veículo com qualquer tipo de pancada no pára-choques traseiro.

É portanto o ângulo entre o pára-choques traseiro e a roda traseira. O exemplo mais óbvio é a saída de descidas íngremes.

Quanto maior for o ângulo de saída do veículo, mais pronunciada poderá ser a saída de um declive ou uma descida.

Uma vez mais usando o exemplo da Mercedes-Benz Classe X, o ângulo de saída é de 25,9º.

Ângulo ventral

O ângulo ventral (Break-over Angle) é o ângulo entre o espaço das rodas e o centro da zona inferior do veículo, ou seja, a amplitude do centro do veículo.

Quando menor for a distância entre eixos, maior é a facilidade em conseguir bons ângulos ventrais. Quando falamos de chassis mais longos, como é o caso das pick-up, torna-se mais complicado conseguir bons valores neste capítulo.

Quanto maior for a distância entre eixos e o ângulo ventral, maior é a facilidade em sair de grandes vaus ou buracos.

A Mercedes-Benz Classe X, apesar de uma distância entre eixos de 3,150 mm, tem um ângulo ventral de 22º, uma vez mais considerando a maior distância ao solo (opcional) de 221 mm.

A altura ajuda a evitar ficar preso em algum obstáculo. Portanto uma altura elevada é importante, contudo um todo-o-terreno muito alto torna-se mais instável. A probabilidade de capotar é assinalavelmente maior, pois o centro de gravidade é mais elevado.

Inclinação lateral

Existe ainda o valor da inclinação lateral máxima, comum nos veículos de todo-o-terreno. O valor de inclinação máxima, é o ângulo máximo de inclinação, que o veículo consegue sem tombar.

Uma vez mais no caso da Mercedes-Benz Classe X, o valor de inclinação máxima é de 49,8º. Não tentes isto em casa, provavelmente com 49,9º podes tombar.

Profundidade a vau

Fica mais uma informação que pode ser útil se te quiseres aventurar ao volante de um todo-o-terreno. A profundidade a vau ou profundidade de submersão, é a altura máxima de água, anunciada pelo construtor, na transposição de obstáculos com água como rios, riachos, ribeiros, etc.

A Mercedes-Benz Classe X anuncia uma profundidade de submersão de 600 mm. Significa que podes ter água até 60 cm da carroçaria, contados desde a parte inferior do pneu.

VÊ TAMBÉM: Sabes conduzir na areia? Cinco dicas para não ficares atascado

Sabes responder a esta?
Qual o ângulo ventral do novo Mercedes-Benz Classe G?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Mercedes-Benz Classe G. O ícone regressa já em junho

Mais artigos em Autopédia

Os mais vistos