Desporto Motorizado

Alpine A110 Cup. Mais leve, mais potente e com slicks

O Alpine A110 Cup tem como destino os circuitos e foi a máquina escolhida para o novo troféu monomarca Alpine Europa Cup.

O Alpine A110 é um dos lançamentos do ano. Num mundo infestado de SUV, ao qual nem marcas de desportivos como a Lotus ou até a própria Alpine conseguem escapar, temos de celebrar o desenvolvimento de carros desportivos compactos, leve e ágeis como o A110.

Ainda não se sabe o quão bom é o novo A110 na estrada, mas o modelo de competição acabou de ser revelado. Denominado de A110 Cup, fará parte de um novo troféu monomarca: o Alpine Europa Cup.

Alpine A110 Cup

Mais diferenças do que parece à primeira vista

Desenvolvido em parceria com a Renault Sport e a Signatech — a parceira da Alpine no WEC, responsável pela operação dos Alpine A470 —, o A110 Cup revela mais diferenças do que as esperadas relativamente ao modelo de estrada.

Previsivelmente é mais leve e potente. Pesa 1050 kg, mais leve em 30 kg do que o modelo de estrada e o motor ganhou alguns equídeos. O quatro cilindros em linha de 1.8 litros recebeu um novo sistema de admissão e escape, passando a debitar 270 cv em vez de 252 — como nota, o Renault Megane RS extrai 280 cv do mesmo bloco —, o que garante uma relação peso potência de 3,88 kg/cv.

Novidade é a presença de uma caixa sequencial de seis velocidades — desenvolvida em parceria entre a Signatech e a 3MO — que é operada através de patilhas por detrás do volante. O diferencial é do tipo autoblocante e, tal como o carro de estrada, o A110 Cup mantém a tração traseira.

Alpine A110 Cup

Colado ao asfalto

Talvez a diferença mais visível entre o A110 Cup e o modelo de estrada é a distância ao solo. Olhem para o eixo dianteiro — a distância ao solo foi reduzida nuns expressivos 40 mm.

O chassis do A110 Cup foi adaptado e reforçado para conseguir montar a roll cage e lidar com as forças geradas pela superior rigidez estrutural como pela aderência exacerbada dos pneus slick da Michelin (pneus com rasgos para chuva estão disponíveis). O resultado dessas adaptações e reforços levou a novos pontos de ancoragem para os braços superiores da suspensão.

A Brembo, tal como acontece no A110 de estrada, fornece o sistema de travagem. Mas ao contrário deste, as pinças de seis pistões passam a ser em magnésio em vez de alumínio. Os discos são ventilados e têm um diâmetro de 355 mm à frente e 330 mm atrás. O controlo de tração e o ABS continuam presentes, mas podem ser ajustados ou desligados.

Alpine A110 Cup

O interior é um local de trabalho

Como seria de esperar, foi retirado do interior tudo o que não é necessário. Mas, curiosamente, o ar condicionado mantém-se. O banco do condutor passa a ser uma bacquet da Sabelt e uma segunda bacquet pode ser instalada para voltas de demonstração com passageiros.

O volante provém da XAP — inspirado pelo usado no Alpine A470 —, concentrando grande número de funções. Integra as patilhas para mudar de relação, um painel de instrumentos digital e diversos botões e manípulos, que controlam a assistência da direção, ABS, controlo de tração, limitador de velocidade nas boxes, rádio, bebida, etc.

Programa de testes

O Alpine A110 Cup custará cerca de 100 mil euros antes de impostos e até ao início do campeonato em junho do próximo ano, haverá um intenso programa de testes. Programa que será liderado pelos pilotos da Alpine presentes no WEC: Nicolas Lapierre e Nelson Panciatici.

Também os pilotos, profissionais ou amadores, que participarão no Alpine Europa Cup fazem parte do programa. O objectivo da Signatech é que cada piloto consiga pelo menos 7500 km de testes, o equivalente a três temporadas. Esses testes passarão por uma série de circuitos: Jerez, Magny-Cours, Valencia e até Portimão, entre outros.

O campeonato

O Alpine Europa Cup foi aprovado pela FIA e consiste em seis provas e 12 corridas, com a primeira prova a realizar-se a 1 e 2 de junho de 2018 no circuito Paul Ricard na França. Alemanha, Reino Unido, Bélgica ou Espanha já têm provas confirmadas.

As provas serão compostas por duas sessões de treinos livres, duas de qualificação e duas corridas. Dois é também o número de pilotos que podem estar atribuídos a um A110 Cup. A classificação será separada em três classes: Geral, Junior (menos de 25 anos) e Gentleman (mais de 45 anos). Os prémios, no total, ascenderão a mais de 160 mil euros.

Mais artigos em Notícias

Os mais vistos