Os modelos mais marcantes da Volkswagen

Escolhemos alguns dos modelos que marcaram os quase 80 anos de história da Volkswagen. Cada um à sua maneira, contribuiu para o sucesso daquele que foi em tempos o "carro do povo".

A Volkswagen (ou “carro do povo”, traduzido à letra) nasceu em meados de 1937 e acabaria por se afirmar como uma marca de sucesso, não só na Alemanha mas também no resto da Europa. Apesar de tudo, até 1960, os motores da Volkswagen não superavam os 36 cv — lentos mas resistentes, um pouco à imagem da própria Alemanha do pós-guerra.

Com a Alemanha em destroços, a Volkswagen assumiu um pouco a imagem da recuperação e superação germânica após a Segunda Guerra Mundial. Como? Através do reforço da sua posição no mercado, com o lançamento de modelos inovadores, aposta na tecnologia e uma estratégia de comunicação que marcou gerações.

Atualmente, o Grupo Volkswagen é um dos gigantes da indústria, senão mesmo «o gigante», proprietário de marcas como a Audi, Bentley, Lamborghini, SEAT e Porsche, entre outras. Em 2007, a Volkswagen já tinha vendido mais de 50 milhões de carros em cerca de 100 países, número para o qual contribuíram alguns do modelos referidos nesta lista. Estas foram as nossas escolhas:

Volkswagen Golf

Volkswagen Golf

O primeiro compacto com tração dianteira da Volkswagen saiu das linhas de produção em 1974, com a difícil tarefa de seguir as passadas do carro mais popular de sempre, o Beetle (já lá vamos…).

A primeira geração assumiu nomenclaturas diferentes: Volkswagen Rabbit na América do Norte, Volkswagen Caribe no México. A partir daí seguiram-se várias versões do Golf, de entre as quais uma versão descapotável, em 1980 (Golf Cabriolet), um modelo com tração integral em 1985 (Golf Syncro) e o primeiro modelo com motor TDI em 1992 (terceira geração). O Volkswagen Golf conquistou inúmeros prémios ao longo dos anos, com destaque para o European Car of the Year, em 1992, e o World Car of the Year, em 2013.

Hoje, mais de 40 anos e 30 milhões de unidades depois, o Golf não só é um dos carros mais importantes da Volkswagen mas também um dos mais populares do mundo. Mas desengane-se que pense que parou no tempo: até já existem Golf elétricos, como o Volkswagen e-Golf.

Volkswagen Beetle

Volkswagen Beetle

A história do Volkswagen Beetle (também conhecido por Volkswagen Typ 1, Käfer ou simplesmente Carocha) confunde-se com a história automóvel. O Beetle surgiu em 1938 associado ao governo nazi liderado por Adolf Hitler, que tinha como objetivo construir um carro simples e económico que pudesse ser produzido em massa. A tarefa foi entregue a Ferdinand Porsche, um engenheiro austríaco com provas dadas na industria automóvel.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha passou por um período inevitavelmente conturbado, e consequentemente a produção do famoso veículo foi interrompida. Começaram a ser produzidos veículos militares com base na plataforma do Carocha, sendo que alguns desses modelos chegaram a ser comercializados para o grande público.

Passada essa fase, o Volkswagen Beetle foi lentamente recuperando a sua popularidade, para a qual contribuiu o motor de 34 cv que permitia uma velocidade máxima de 115 km/h — um número bastante superior em relação aos modelos concorrentes. Apesar do sucesso e da evolução do Carocha ao longo dos anos 50 e 60, em meados dos anos 70 as vendas começaram a cair, devido ao crescente número de veículos concorrentes e à crise financeira que afetou a Volkswagen.

Foi preciso chegar ao século XXI, para o Carocha deixar de ser produzido, com as últimas unidades a terem saído da linha de produção em 2003 nos mercados da América Latina, colocando um ponto final em mais de 65 anos de história. De facto, estamos à vontade para dizer que este é um dos carros mais influentes do século XX, um must-have para qualquer colecionador de automóveis.

Volkswagen Nardo

2001 Volkswagen W12 Coupe

O nome surgiu em homenagem ao Nardò Ring, um circuito de testes localizado no sul de Itália, mas a verdadeira designação deste protótipo alemão é Volkswagen W12 Coupé. Aquando da sua apresentação, este super desportivo representava a ambição da Volkswagen em entrar num mercado dominado pela Ferrari, Porsche e Lamborghini.

De facto, o Volkswagen Nardo tinha uma ficha técnica de fazer inveja: motor W12 6.0 com 600 cv, 7000 rpm, 620 Nm de binário, tracção traseira e 1200 kg de peso. Tudo isto possibilitava acelerações dos 0 aos 100 km/h em 3,5s e uma velocidade máxima de cerca de 350 km/h, segundo a marca.

No entanto, com a compra da Lamborghini pela Audi AG, o projeto nunca chegaria a modelo de produção, mas serviu de carro de testes, batendo inúmeros recordes de velocidade. Infelizmente, nunca chegaremos a testemunhar todo o potencial deste que é um dos protótipos mais entusiasmantes da história da Volkswagen.

Volkswagen XL1

Volkswagen XL1

Por falar em protótipos, não nos podíamos esquecer do Volkswagen XL1. Este modelo futurista teve origem no “Volkswagen 1-Litre Concept Car”, desvendado pela primeira vez em 2002 pelo próprio presidente do concelho de administração da Volkswagen, o austríaco Ferdinand Piëch.

Mais tarde, em 2009, o concept evoluiu para o Volkswagen L1, um veículo de dois lugares que seguia a mesma linha do seu antecessor. Dois anos depois, surge o Volkswagen XL1 (na imagem), um modelo híbrido plug-in que tem por base um motor turbo-diesel de dois cilindros com 47 cv e um motor elétrico com 27 cv.

A marca prometia uma velocidade máxima de 158 km/h e acelerações dos 0 aos 100 km/h em 11,9s. Ao contrário dos anteriores protótipos, o XL1 chegou às linhas de produção em 2013, tendo sido apresentado pouco antes no Salão de Genebra. A produção foi limitada a 250 unidades, apenas disponíveis na Europa.

Volkswagen Type 2

type 2

Como sabem, o Volkswagen Type 2 recebeu o simpático nome de “Pão de Forma” no nosso país. A primeira versão desta carrinha alemã estava equipada com um modesto motor 1.1 l de 24 cv, mas isso não impediu que se tornasse num fenómeno de popularidade. Uma carrinha que atingiu o seu auge em plena revolução hippie.

O Volkswagen Type 2 recebeu várias personalizações ao longo dos anos e apelidos rebuscados por parte dos donos. Entre outras, uma das maiores qualidades apontadas ao “pão de forma” era a sua durabilidade.

A segunda geração chegou no final de 1967 com maiores dimensões e um motor 1.6 de 48 cv. A nível estético, o Volkswagen Type 2 perdeu a divisória no pára-brisas que lhe era característica, mas compensou com várias melhorias a nível mecânico. A partir de 1980, foi introduzida uma nova plataforma (T3), que deu origem a modelos significativamente diferentes do original. Mais tarde, o Type 2 adoptou o nome Volkswagen Transporter, que reflete a sua função de veículo comercial.

A produção terminou em 2013 no Brasil, mas não há que desesperar: a Volkswagen tem outro na calha — e será elétrico.

Volkswagen Phaeton

vw phaeton

O Volkswagen Phaeton fica para a história da marca como um modelo de luxo, bem acabado, de qualidade, com tudo o que de melhor a Volkswagen tinha para oferecer.

Infelizmente a fatura por este pedaço de história foi elevada. O Phaeton nunca conseguiu afirmar-se junto das propostas mais premium, apesar de em grande parte dos itens (conforto, qualidade, performance, requinte) não ficar a nada a dever ao que de melhor se fazia na indústria.

Terá sido o Phaeton a última tentativa da marca em afirmar o seu estatuto no segmento de luxo? Temos dúvidas. Com ou sem prejuízo, o Phaeton ficará para a história como um dos melhores de sempre.

Volkswagen Passat

Volkswagen Passat

O Volkswagen Passat é um dos modelos com maior reconhecimento dentro do segmento dos familiares médios. Um estatuto que é fruto de uma carreira comercial que celebra agora 40 anos, e para assinalar este marco histórico a «marca do povo» juntou as cinco gerações do modelo numa foto para a posteridade.

Corria o ano de 1973 quando a Volkswagen lançou o primeiro Passat, um modelo que se transformou de imediato num sucesso de vendas — sucesso que aliás dura até aos dias de hoje. Na altura, o design de Giorgetto Giugiaro, a qualidade de construção e a conhecida robustez alemã fizeram com que este modelo vendesse até 1980 mais de 2,5 milhões de unidades.

O resto é história. Tração dianteira e às quatro rodas, uma gama de motores que chegou a ter uma amplitude de quatro a oito cilindros — o intrigante W8 —, um design sempre consentâneo com os tempos e a fama de ser um familiar por excelência, num pacote de qualidade muito completo. Uma receita simples mas de difícil execução e que 43 anos depois ainda está a ser aperfeiçoada.

Volkswagen Corrado

1993 Volkswagen Corrado

O primeiro Corrado saiu das linhas de produção de Osnabrück, na Alemanha, em 1988. Baseado na plataforma A2 do Grupo Volkswagen, a mesma do Volkswagen Golf Mk2 e do Seat Toledo, o Corrado apresentava-se como um sucessor do Volkswagen Scirocco.

O design do desportivo alemão, marcado por contornos longilineos, ficou a cargo de Herbert Schäfe, o designer-chefe da marca de Wolfsburgo entre 1972 e 1993. Apesar de prático e minimalista, o habitáculo não era exactamente espaçoso, mas como podem imaginar este também não era propriamente um carro familiar.

Fica para história como um dos Volkswagen mais desportivos e apaixonantes de sempre.

Mais artigos em Clássicos