Quase 2 milhões de euros por um Nissan Skyline GT-R Nismo 400R. Porquê?

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Unicórnio

Quase 2 milhões de euros por um Nissan Skyline GT-R Nismo 400R. Porquê?

O Nissan Skyline GT-R NISMO 400R foi uma espécie de "canto do cisne" do GT-R R33 e agora está um raríssimo exemplar para venda. Pode render uma fortuna…

Não teve o impacto do R32 e do R34, mas nem por isso o Nissan Skyline GT-R R33 deixa de ser especial e nesta versão, a Nismo 400R, é mesmo um dos desportivos nipónicos mais especiais de sempre.

É considerado o expoente máximo da geração R33 e está um exemplar à venda num concessionário britânico, que pede 1,6 milhões de libras, cerca de 1,92 milhões de euros.

Mas afinal, o que torna este Nissan Skyline GT-R Nismo 400R tão desejado e tão especial? Bem, quase tudo…

A NÃO PERDER: Testámos o Nissan Skyline GT-R (R34) em vídeo. O verdadeiro Godzilla
Nissan Skyline GT-R Nismo R400 5 © HJA Group

Um verdadeiro unicórnio

Lançado no mercado em novembro de 1997, o Skyline GT-R Nismo 400R traduzia o que de melhor a Nismo, a preparadora oficial da Nissan, fazia na altura.

Tinha por base a versão V-spec do GT-R e foi pensado para celebrar os êxitos da Nissan e da Nismo na competição nos anos 90.

O objetivo inicial era produzir 100 exemplares, mas de acordo com o portal GTR-Registry, apenas 40 unidades foram registadas, aos quais se somam mais um protótipo. Contudo, outras fontes indicam que podem ter sido produzidos 44 exemplares.

Nissan Skyline GT-R Nismo R400 5 © HJA Group

Não existe um número oficial — na altura, falava-se em produzir 100 unidades — e o melhor barómetro é mesmo este «oferecido» pelo GTR-Registry.

E com base nisso, são precisamente estas 40 unidades que são levadas sempre em conta e o exemplar que aqui vos trazemos foi o derradeiro a ser produzido (#40/40).

Isto, só por si, ajuda a explicar o desejo em torno desta unidade, que soma apenas 61 000 km no odómetro e que conserva toda a documentação das manutenções desde que saiu da fábrica.

Diferente em quase tudo

Mas há mais, muito mais. É que a Nismo certificou-se que este Skyline GT-R Nismo 400R fosse uma espécie de «canto do cisne» da geração R33 do modelo nipónico.

Nissan Skyline GT-R Nismo R400 5 © HJA Group

O motor, por exemplo, era uma evolução do RB26DET, que ganhou 200 cm3 de capacidade (atingindo os 2,8 litros), e foi «mexido» pela Reinik Motorsport, que lhe deu um bloco e uma cabeça reforçados.

A NÃO PERDER: Nissan GT-R da GNR. O SUPERCARRO que ajuda a salvar vidas

Os dois turbocompressores tinham mais pressão, o sistema de refrigeração era mais eficiente e a transmissão era em fibra de carbono. A somar a isto, uma linha de escape totalmente nova, com a inscrição R400 nas ponteiras.

Nissan Skyline GT-R Nismo R400 5 © HJA Group

A evolução do seis em linha foi grande, de tal forma que abandonou a designação RB26DET e passou a chamar-se RB-X GT2. Mas a maior evolução aconteceu mesmo ao nível da potência, que subiu dos 280 cv para os 400 cv, com a Nismo a deixar cair por terra o «acordo de cavalheiros» que existia entre as fabricantes japonesas de limitar a potência 280 cv.

Para se perceber a dimensão deste número à época, importa lembrar que em 1998, quando este exemplar saiu da fábrica, o Ferrari F355 produzia «apenas» 380 cv e o seu sucessor, o Ferrari 360 Modena, veio «só» com 400 cv.

Nissan Skyline GT-R Nismo R400 5 © HJA Group

ADN próprio

Graças a todos estes números, o Skyline GT-R Nismo 400R era capaz de acelerar dos 0 aos 100 km/h em pouco mais de 4,0 segundos e chegava aos 300 km/h de velocidade máxima, com o redline a ser atingido apenas às 9000 rpm.

Mas se estes registos impressionavam, foram os detalhes exclusivos que este modelo carregava que o ajudaram a ser tão desejável.

É que a Nismo desenvolveu componentes para esta versão que nunca foram disponibilizadas fora do programa R400, pelo que nunca estiveram ao alcance de proprietários dos Skyline GT-R R33 «convencionais».

Não faltam, por isso, motivos de interesse em torno deste exemplar, mas será que alguém está disposto a pagar quase dois milhões de euros por ele? Só o tempo o dirá, mas se tivéssemos de adivinhar, diríamos que sim. Aliás, claro que sim.

Sabe responder a esta?
Em que ano nasceu o Mitsubishi Eclipse?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Coupés dos anos 90 (parte 2). Depois dos europeus, os coupés japoneses

Mais artigos em Notícias