Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Vídeo

Novo Honda HR-V (2022). Sistema híbrido é diferente, mas será melhor?

A terceira geração do Honda HR-V chega ao mercado exclusivamente com uma motorização híbrida e nós fomos conhecê-la em Frankfurt, Alemanha.

Em Frankfurt, Alemanha

Apresentado já há vários meses, o novo Honda HR-V está cada vez mais perto de chegar ao mercado português, algo que só deverá acontecer no início de 2022. Culpem a crise de semicondutores que afeta a indústria automóvel.

Mas nós já o fomos conhecer de perto e até já lhe deitámos as mãos durante um breve contacto nos arredores de Frankfurt, na Alemanha, onde pudemos testar a eficiência do sistema híbrido, que é, agora mais do que nunca, um dos seus maiores trunfos.

E isto porque nesta terceira geração o HR-V só está disponível com a motorização híbrida e:HEV da Honda, que já conhecemos de modelos como o Jazz. Mas será que esta foi uma aposta acertada? Para descobrirem a resposta convido-vos a ver o nosso primeiro contacto em vídeo a este novo SUV nipónico:

A NÃO PERDER: Confirmado. Novo Honda Civic Type R chega em 2022

Um híbrido quase elétrico

A Honda já fez saber que em 2022 terá uma gama totalmente eletrificada na Europa, com exceção do Civic Type R. E só isso já justifica o facto de o novo HR-V se apresentar apenas com uma motorização híbrida.

No total temos 131 cv de potência máxima e 253 Nm de binário máximo que têm origem no motor elétrico de tração, mas a cadeia cinemática do HR-V contempla um segundo motor elétrico (gerador), uma bateria de iões de lítio com 60 células (no Jazz é de apenas 45), um motor a combustão i-VTEC de 1.5 litros (ciclo Atkinson) e uma caixa de engrenagem fixa, que envia o binário em exclusivo para as rodas dianteiras.

2021 Honda HR-V e:HEV

Durante grande parte do tempo é possível andar com recurso apenas ao motor elétrico, que é «alimentado» pelo motor a gasolina, que assume, na maior parte do tempo, o papel de gerador. Apenas a velocidades mais elevadas, como em autoestrada por exemplo, o motor a combustão toma o lugar do motor elétrico no envio do binário às rodas no eixo dianteiro.

E aqui, uma nota menos positiva para o ruído, que se faz notar com grande evidência e para as vibrações que também nos chegam ao volante.

LEIAM TAMBÉM: O carro do dia a dia? Um Honda NSX com mais de 640 000 km

Mas sempre que é necessária mais potência, para uma ultrapassagem por exemplo, o sistema passa imediatamente para o modo híbrido (onde tem mais potência e força). E aqui, justiça seja feita, nunca senti falta de «poder de fogo» por parte deste sistema híbrido, que respondeu sempre muito bem.

Honda HR-V

Consumos interessantes

Não são precisos muitos quilómetros para percebermos que o foco deste sistema elétrico está, sobretudo, na eficiência. Durante a primeira parte deste (algo curto) contacto dinâmico consegui fazer médias em torno dos 6,2 l/100 km, número que até desceu ligeiramente lá mais para o final, onde consegui um registo abaixo da marca dos 6 l/100 km.

Numa utilização normal, não tenho qualquer dúvida de que é possível conseguir médias bastante próximas dos 5,4 l/100 km anunciados pela Honda, até porque durante este breve teste não andei propriamente a «trabalhar» para os consumos.

A NÃO PERDER: Honda CRX nacional com apenas 17 km procura novo dono

Direção e suspensão revistas

Para esta nova geração do HR-V a Honda aumentou a rigidez do conjunto e fez várias melhorias ao nível da suspensão e da direção. E isso traduz-se numa proposta mais confortável e muito agradável de conduzir.

2021 Honda HR-V e:HEV

Porém, quando subimos o ritmo continuamos a notar algum rolamento de carroçaria em curva, ainda que o movimento seja previsível e bastante progressivo. Já a direção tem o peso certo e mostra-se até bastante direta e precisa.

Mas é do ponto de vista do conforto que o HR-V marca mais pontos. E aqui tenho que destacar a posição de condução, que além de confortável permite uma excelente visibilidade para o exterior.

Descubra o seu próximo carro

Imagem mais europeia

Mas é impossível falar do novo HR-V sem abordar a nova imagem deste modelo, que parece ter sido feita há medida do mercado europeu.

Linhas horizontais, traços simples e um tejadilho muito baixo — contrastando com o antecessor, de estilo mais carregado —, elementos que combinam muito bem com as jantes de 18” e com a maior altura ao solo (+10 mm).

Honda HR-V

No interior, uma linguagem de estilo em tudo semelhante, com vários elementos a reforçarem a sensação de largura a bordo.

LEIAM TAMBÉM: Querem conhecer a história da Honda? Este anúncio pode ser um bom começo

O habitáculo é simples, mas elegante e apresenta uma construção agradável, ainda que seja relativamente fácil encontrar materiais mais rijos atrás do volante, na parte superior das portas e na consola central.

Espaço e versatilidade

Acaba por ser o espaço a bordo que mais impressiona, sobretudo ao nível das pernas nos bancos traseiros, mas ainda assim a linha exterior de inspiração coupé prejudicou ligeiramente o espaço em altura. Quem tiver mais de 1,80 m de altura vai ficar com a cabeça muito próxima do tejadilho.

Honda HR-V e:HEV 2021

A bagageira também perdeu capacidade de carga por comparação com o HR-V da geração anterior: 335 litros do novo contra 470 litros do antigo.

Mas o que se perdeu em espaço continua a ser compensado por soluções como os Magic Seats (bancos mágicos) e o piso plano que se forma com os bancos traseiros rebatidos, a permitir acomodar objetos mais volumosos, como por exemplo bicicletas ou pranchas de surf.

Quando chega?

O novo Honda HR-V só vai chegar ao mercado português no início do próximo ano, mas as encomendas já estão abertas ao público. Contudo, os preços finais para o nosso país — ou a organização da gama — ainda não foram divulgados.

Primeiras impressões

7 / 10
Na terceira geração o Honda HR-V apresenta-se como uma proposta mais completa e tem no evoluído sistema híbrido um dos seus maiores trunfos. Os consumos são interessantes e o funcionamento do sistema motriz agradável. Só esperava que o ruído do motor a gasolina — quando puxamos mais por ele — não inundasse o habitáculo com tanta facilidade. O peso da direção é muito bom, mas em curva continuamos a notar algum rolamento da carroçaria. Contudo, esta é uma evolução notória por parte deste SUV nipónico, que eu sinto que caminhou ainda mais na direção do que o público europeu procura.

  • Sistema híbrido

  • Versatilidade

  • Direção precisa e com o peso certo

  • Posição de condução

  • Visibilidade

  • Altura para a cabeça nos bancos traseiros

  • Espaço da bagageira

  • Dinâmica podia ser melhor

  • Ruído do motor a gasolina


Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Volkswagen Lupo GTI?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Lembras-te deste? Volkswagen Lupo GTI
Em cheio!!
Vá para a próxima pergunta

ou leia o artigo sobre este tema:

Lembras-te deste? Volkswagen Lupo GTI

Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto