Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Leilão

Richard Hammond vende os seus clássicos para financiar negócio de… restauro de clássicos

Richard Hammond, que conhecemos do Top Gear e do The Grand Tour, vai leiloar vários exemplares da sua coleção de clássicos, mas há uma muito boa razão para isso.

Recentemente ficou-se a saber que Richard “Hamster” Hammond, vai abrir um novo negócio de restauro de automóveis clássicos a que vai chamar de “The Smallest Cog”.

A nova oficina de restauro também vai fazer parte de uma nova série no canal Discovery+ chamada “Richard Hammond’s Workshop”, mas apesar da mais que provável fama — e esperamos, sucesso… — que o seu empreendimento vai ter, para financiar o novo empreendimento, Hammond viu-se obrigado a vender alguns exemplares da sua coleção privada:

A ironia de vender os seus veículos clássicos para financiar o seu negócio de restauro de veículos clássicos não escapou ao conhecido apresentador.

VEJAM TAMBÉM: Depois de vender o Toyota Mirai, que carro comprou James May?

"A ironia de eu investir no meu novo negócio de restauro de carros clássicos vendendo alguns carros da minha própria coleção de clássicos não me passou ao lado. É com um muito grande pesar que eles têm de partir, porque têm, para mim, um grande valor sentimental, mas vão ajudar a financiar os futuros desenvolvimentos do negócio e a dar vida novamente a outros veículos clássicos."

Richard Hammond
Coleção Richard Hammond
Os oito veículos que Richard Hammond vai vender. © Silverstone Auctions

No total serão vendidos oito veículos — três automóveis e cinco motas —, que serão leiloados no próximo dia 1 de agosto pela Silverstone Auctions, durante o evento “The Classic Sale at Silverstone”, que ocorrerá no circuito homónimo.

Entre os exemplares clássicos de quatro rodas que Richard Hammond vai leiloar, não podiam ser mais variados: Bentley S2 de 1959, Porsche 911 T de 1969 e o mais recente Lotus Esprit Sport 350 de 1999.

Bentley S2

O Bentley S2 de 1959 já conheceu cinco donos, incluindo Richard Hammond, que não perdeu oportunidade de “puxar o brilho” ao aristocrático modelo. A Silverstone Auctions diz que a carroçaria foi recentemente recuperada e a caixa de velocidades automática substituída há dois anos. Apresenta pouco mais de 101 mil quilómetros no odómetro.

É um modelo significativo por ter sido o primeiro a estrear o V8 L-Series, um motor que só saiu de produção em 2020, 41 anos anos após a sua introdução (não só no Bentley S2, como também no Rolls-Royce Silver Cloud II e Phantom). Com 6230 cm3, o V8 era todo em alumínio e representou um aumento significativo de performance em comparação ao antecessor que vinha equipado com um mais comedido seis cilindros em linha.

Porsche 911 T

O Porsche 911 T de 1969 foi dos primeiros a beneficiar do aumento de capacidade do flat-six para 2,2 l — potência subiu dos 110 cv para os 125 cv —, assim como de uma distância entre eixos acrescida em 57 mm (agora 2268 mm) em prol de uma dinâmica superior.

Esta unidade em específico tem volante à esquerda, tendo sido originalmente entregue na Califórnia e marca pouco mais de 90 mil quilómetros, que Richard Hammond acredita serem genuínos, dado o estado excelente de preservação desta unidade. O “T”, de Touring, era o degrau de acesso à família crescente de versões do 911, após o 912 ter sido retirado.

VEJAM TAMBÉM: Provocador. Herbert Diess (Grupo VW) diz que a CUPRA já vende mais que a Alfa Romeo

Lotus Esprit Sport 350

Por fim, o Lotus Esprit Sport 350 de 1999 poderá considerar-se um futuro clássico. Este é o exemplar n.º 5 de um total de 48 unidades construídas do Sport 350 e com ele vem um Certificado de Proveniência da Lotus. Conta com aproximadamente 76 mil quilómetros e um V8 twin-turbo de cambota plana, 3,5 l e 355 cv que foi reconstruído nos últimos anos.

Um dos Esprit mais exclusivos de sempre, o Sport 350 baseava-se no V8 GT, mas era 85 kg mais leve e trazia vários melhoramentos ao nível do chassis. Desde os discos maiores da AP Racing, a novos amortecedores e molas, assim como uma barra estabilizadora mais espessa. A rematar as jantes OZ Crono em magnésio.

Além dos três automóveis, Richard Hammond vai também despedir-se de cinco das suas motas: Sunbeam Model 2 de 1927, Velocette KSS Mk1 de 1932, Kawasaki Z900 A4 de 1976, Moto Guzzi Le Mans Mk1 de 1977 e, por fim, uma muito recente Norton Dominator 961 Street Limited Edition, de 2019, que se destaca por ser a unidade 50 de 50 feitas.

Ao que tudo indica, Richard Hammond não se ficará por aqui, estando já previsto vender mais alguns dos seus clássicos ainda durante este ano, onde se inclui, por exemplo, um Ford RS200.

Fonte: Drivetribe, Silverstone Auctions.

Mais artigos em Notícias