Desde 59 405 euros

P300e. O que vale a versão híbrida plug-in do Land Rover Discovery Sport?

O Land Rover Discovery Sport também já se rendeu à eletrificação e promete 62 km livres de emissões nesta versão P300e. Mas será que continua a fazer sentido?

Apostada em reduzir as emissões médias da sua gama, a Land Rover introduziu há cerca de um ano uma inédita versão híbrida plug-in no Discovery Sport, a P300e, que promete até 62 km de autonomia totalmente elétricos.

O impacto nos consumos promete ser grande, pelo menos enquanto a bateria tiver carga, e as vantagens ao nível das emissões são significativas. Mas se isto são elementos a favor da eletrificação, também existem desvantagens óbvias, a começar logo no preço.

Os quilos extra do motor elétrico e da bateria também se fazem notar e a hibridização obrigou a compromissos: os sete lugares disponíveis, um dos maiores trunfos deste modelo, desapareceram, estando apenas disponível com cinco.

A NÃO PERDER: Mais compacto, ágil e… rápido. Já conduzimos o novo Land Rover Defender 90
Land Rover Discovery Sport P300e S
Versão testada era a R-Dynamic e tinha o nível de equipamento S. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Contas feitas, será que este Discovery Sport continua a ser uma proposta interessante para as famílias mais aventureiras, agora que se “rendeu” à eletrificação?

Este modelo da marca britânica foi o nosso “companheiro” de viagem durante um fim de semana, onde houve oportunidade para nos mostrar tudo o que vale. Mas será que foi suficiente para nos convencer? A resposta está nas próximas linhas…

Imagem não mudou

Do ponto de vista estético, não fosse a porta de carregamento do lado esquerdo (a do depósito de combustível surge na direita) e o “e” na designação oficial do modelo — P300e — e seria praticamente impossível distinguir este Land Rover Discovery Sport de um “irmão” sem motor elétrico.

LEIAM TAMBÉM: Nova moda? Land Rover Defender decorado com… ferrugem
Land Rover Discovery Sport P300e S
Não fosse a porta de carregamento do lado esquerdo e era impossível perceber que esta é uma versão híbrida plug-in. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Mas isto está longe ser uma crítica, até porque na última renovação que o modelo sofreu, há dois anos, já tinha recebido para-choques revistos e uma nova assinatura luminosa em LED.

Habitáculo com tratamento semelhante

Se o exterior não mudou, o habitáculo também se manteve igual. Destacam-se apenas algumas modificações necessárias para as operações do sistema híbrido, tais como escolher o modo em que queremos circular, e os novos sistemas multimédia Pivi e Pivi Pro, que também contam com alguns grafismos específicos desta versão.

RELACIONADO: Land Rover Defender Works V8 Trophy. Um tributo em forma de veículo e competição
Land Rover Discovery Sport P300e S
Versões híbridas plug-in do Land Rover Discovery Sport não contam com opção de sete lugares. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A maior diferença aconteceu na traseira, já que a eletrificação do Land Rover Discovery Sport roubou-lhe um dos seus maiores trunfos, a possibilidade de contar com sete lugares. Culpem o posicionamento do motor elétrico, integrado no eixo traseiro.

Este é um pequeno sacrifício a fazer — caso, obviamente, a terceira fila de brancos seja dispensável —, mas ao nível do espaço, outros dos grandes atributos deste SUV, ele está garantido.

A NÃO PERDER: Sabes o que tinha de especial este guia de sobrevivência da Land Rover?
Land Rover Discovery Sport P300e S
Com os bancos traseiros puxados para a frente este Discovery Sport oferece 780 litros de carga na bagageira. Com os bancos rebatidos este número sobe para os 1574 litros. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

As cotas na segunda fila de bancos — que pode ser ajustado longitudinalmente — continuam em muito bom plano e “montar” lá duas cadeirinhas de criança não será problema. O mesmo é verdade para o “exercício” de sentar três crianças ou dois adultos de estatura média.

Mecânica híbrida convence?

Com uma potência combinada de 309 cv, o Land Rover Discovery Sport P300e é o Discovery Sport mais potente da atualidade e isso é um excelente cartão de visita.

Land Rover Discovery Sport P300e S
Motor de três cilindros com 1.5 l pesa menos 37 kg que a versão de quatro cilindros e 2.0 l. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Curiosamente, para conseguir estes números, a Land Rover recorreu ao motor mais pequeno da gama Ingenium, um 1.5 turbo a gasolina, com três cilindros e 200 cv, que envia a potência às rodas dianteiras.

Encarregue de propulsionar as rodas traseiras está um motor elétrico com 80 kW (109 cv) alimentado por uma bateria com 15 kWh de capacidade.

RELACIONADO: Land Rover Discovery Sport e Range Rover Evoque. Novos motores, versões e infoentretenimento

O resultado desta combinação são 309 cv de potência combinada e 540 Nm de binário máximo, geridos através de uma nova caixa automática de oito velocidades.

Não que esse seja o principal motivo que leva alguém a comprar um Discovery Sport, mas esta versão híbrida plug-in P300e acelera dos 0 aos 100 km/h em apenas 6,6s e atinge os 209 km/h de velocidade máxima. Recorrendo apenas ao motor elétrico só é possível circular até aos 135 km/h.

Land Rover Discovery Sport P300e S © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

E a autonomia?

No total, o condutor pode optar por três modos de condução: “HYBRID” o modo pré-definido que combina o motor elétrico com o motor a gasolina); “EV” (modo 100% elétrico) e “SAVE” (permite preservar a carga da bateria para uso posterior).

No modo 100% elétrico, a Land Rover reclama 62 km de autonomia, um número interessante para um automóvel com o espaço e com a versatilidade deste Discovery Sport. Mas posso já dizer-vos que em condições reais — a menos que seja sempre (mesmo sempre!) em cidade — é praticamente impossível atingir este registo, mesmo com uma condução cuidada.

A NÃO PERDER: Land Rover Defender 2021. Os preços dos novos híbrido plug-in, Diesel e Defender 90
Land Rover Discovery Sport P300e S © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

No que diz respeito aos tempos de carga, num posto de carregamento público de corrente contínua (DC) de 32 kW são precisos 30 minutos para carregar 80% da bateria.

Já numa Wallbox de 7 kW o mesmo processo demora 1h24min. Numa tomada doméstica, uma carga completa demora 6h42min.

Land Rover Discovery Sport P300e S
Depois de uma incursão fora de estrada parámos para “abastecer”. © Miguel Dias / Razão Automóvel

E ao volante, é melhor que um Discovery Sport “normal”?

Se estão com dúvidas em relação à capacidade deste motor tricilíndrico, posso já dizer-vos que ele encaixa perfeitamente nesta versão eletrificada do Discovery Sport. E o binário instantâneo garantido pelo motor elétrico faz com que este SUV nem transpire nos regimes mais baixos.

Mas isto é enquanto temos carga na bateria. Quando ela acaba, e ainda que “força” nunca chegue a ser problema, sente-se bastante mais o ruído do motor a gasolina, por vezes em demasia, dentro do habitáculo, que não tem o isolamento dos “irmãos” mais velhos — e caros! —, os “Range”.

RELACIONADO: Renegade 4xe Trailhawk. Conduzimos o híbrido plug-in que vai onde os outros não vão
Land Rover Discovery Sport P300e S © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Mas em estrada aberta, comparado com um Discovery Sport “convencional”, este híbrido plug-in mostra-se em muito bom nível, com o sistema híbrido a revelar uma suavidade de utilização muito interessante. Mas volto a frisar, tudo isto enquanto há bateria no “depósito”.

É relativamente fácil gerir os movimentos de forma a controlar as “chamadas” ao serviço do motor a gasolina, sobretudo em cidade, e isso tem um reflexo interessante nos consumos. Contudo, fora da cidade e sem bateria disponível, é difícil descer dos 9,5 l/100 km, número que sobe para lá dos 10,5 l/100 km numa utilização em autoestrada.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o Kia Sorento HEV. O SUV híbrido de 7 lugares a ter?
Land Rover Discovery Sport P300e S
Habitáculo surge em muito bom plano. É ergonómico e muito confortável. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Quanto às sensações ao volante, e esquecendo o “poder de fogo” acrescentado pelo motor elétrico, este Discovery Sport P300e transmite emoções muito semelhantes às de uma versão com motor de combustão interna.

Quero com isto dizer que em curva, e apesar de esta versão híbrida plug-in ter um centro de gravidade 6% mais baixo, revela as mesmas características.

Este é um SUV com um porte generoso e isso nota-se. Ainda assim, os movimentos gerais da carroçaria estão bem controlados e sentimos sempre muita aderência, o que nos convida a adotar um andamento mais elevado.

Land Rover Discovery Sport P300e S
Volante é enorme e isso não agrada a todos os condutores. Mas tem um pega muito confortável. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A direção é algo lenta, mas é precisa e isso faz com que seja possível apontar muito bem o carro às entradas das curvas. Igualmente eficaz é o funcionamento da caixa automática de oito velocidades (8 kg mais leve que a caixa automática que há noutras versões da gama), que se revelou sempre muito suave.

A NÃO PERDER: Conduzimos o SEAT Tarraco e-HYBRID. A eletrificação cai-lhe bem?
Land Rover Discovery Sport P300e S © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

E fora de estrada?

Sendo um Land Rover, espera-se sempre por capacidades referenciais quando o alcatrão acaba, ou pelo menos acima da média. E neste capítulo, o Discovery Sport PHEV P300e cumpre bem, ainda que apresente ligeiras desvantagens face aos Discovery Sport “convencionais”.

A altura ao solo, por exemplo, passou de 212 mm para apenas 172 mm, e o ângulo ventral passou de 20,6º para 19,5º. Contudo, o sistema Terrain Response 2, com vários modos de condução específicos dependendo do tipo de terreno, faz um trabalho irrepreensível e deixa-nos ultrapassar desafios que à partida pareciam difíceis de alcançar.

Land Rover Discovery Sport P300e S
Nunca recusa sujar os pneus e isso são excelentes notícias para as famílias mais aventureiras. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Não esperem um todo o terreno puro e duro, porque não o é. Mas faz bastante mais do que à partida se espera. A maior limitação acaba mesmo por ser a altura ao solo, que pode tornar-se um problema se tivermos pela frente um obstáculo mais desafiante.

RELACIONADO: Toyota RAV4 Plug-in. Quase 100 km sem gastar gasolina na cidade

É o carro certo para si?

O Discovery Sport sempre foi uma boa porta de entrada no universo Land Rover e um modelo a ter em conta para quem procura uma solução versátil e com lugar para sete pessoas.

Esta versão híbrida plug-in do SUV britânico deixa-o mais “verde” e dá-lhe outro tipo de argumentos em cidade, onde é surpreendentemente fácil andar em modo 100% elétrico, sempre numa toada muito suave e descomplicada.

Land Rover Discovery Sport P300e S © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Contudo, rouba-lhe parte da versatilidade que o caracteriza, a começar logo pela redução do número de lugares de sete para cinco. A “arrumação” do motor elétrico roubou o espaço destinado à terceira fila de bancos e isso pode ser um problema para as famílias mais numerosas, que têm no Discovery Sport uma opção interessante.

Sem grandes rivais no mercado, muito por culpa do seu posicionamento mais premium, o Discovery Sport PHEV P300e serve os interesses de quem procura uma proposta com espaço — a bagageira nunca mais acaba… —, capaz de responder bem fora de estrada e que possa somar várias dezenas de quilómetros 100% livres de emissões.

A NÃO PERDER: Testámos o Mercedes-Benz GLC 300 de. Compensa eletrificar o Diesel?
Land Rover Discovery Sport P300e S © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

 

O preço, algo elevado, não deixa de ser bastante competitivo face aos seus potenciais rivais híbridos plug-in e consegue ser até bem mais acessível (cerca de 15 mil euros) do que a versão Diesel mais potente da gama — 2.0 TD4 AWD Auto MHEV de 204 cv — com a mesma especificação de equipamento.

Há, porém, uma variante mais acessível Diesel com 163 cv, que reduz essa diferença de preço — mas amplia a da performance —, mas que apresenta consumos mais interessantes e sete lugares, sendo muito equilibrada, para os que procuram a maior versatilidade que este modelo britânico tem para oferecer e que percorrem muitos quilómetros por mês.

Preço

unidade ensaiada

70.395

Versão base: €59.405

IUC: €137

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 3 cilindros em linha
    • Capacidade: 1498 cm³
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta + Turbo + Intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válv. por cil. (12 válv.)
    • Potência: Motor combustão: 204 cv; Motor elétrico: 109 cv; Potência máxima combinada: 309 cv
    • Binário: Binário máximo combinado: 540 Nm entre as 2000-2500 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: Automática de 8 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4597 mm / 1894 mm / 1727 mm
    • Distância entre os eixos: 2741 mm
    • Bagageira: 780-1574 l
    • Jantes / Pneus: 235/50 R20
    • Peso: 2168 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 1,6 l/100 km (Autonomia elétrica: 62 km)
    • Emissões de CO2: 36 g/km
    • Vel. máxima: 209 km/h
    • Aceleração: 6,6s
  • Equipamento
    • Black Exterior Pack
    • Faróis automáticos
    • Faróis com Nivelamento Manual
    • Limpa-para-brisas com sensor de chuva
    • Espelhos aquecidos com ajuste e recolha elétrica, iluminação de aproximação e antiencandeamento automático no lado do condutor
    • Farolim(ns) de nevoeiro traseiro(s)
    • Indicadores de Direção Animados Traseiros
    • Pintura Fuji White
    • Iluminação do piso
    • Compartimento na consola superior para óculos de sol
    • Consola central com apoio de braço
    • Ar Condicionado Automático de Duas Zonas com grelhas de ventilação na segunda fila
    • Pedais metálicos brilhantes
    • Patilhas de seleção de velocidades Satin Chrome
    • Ficha de 12 V dianteira e traseira e ficha USB dianteira
    • Espelho retrovisor interior com antiencandeamento automático
    • Bancos Ebony em couro Grained com costura Mars Red
    • Bancos da segunda fila com ajuste manual longitudinal e do ângulo das costas
    • Head-up Display
    • Ecrã Interativo do condutor
    • Carregamento de dispositivos sem fios com amplificador de sinal do telefone
    • Espelho retrovisor interior ClearSight
    • Ecrã Tátil 10"
    • Carregamento de dispositivos sem fios com amplificador de sinal do telefone
    • Reconhecimento de sinais de trânsito e limitador de velocidade adaptativo o Travagem de Emergência
    • Sensor de Passagem a Vau
    • Assistência à manutenção da faixa
    • Monitor da Condição do condutor
    • Controlo de Velocidade de Cruzeiro e Limitador de Velocidade
    • Sensores de Estacionamento Dianteiros e Traseiros
    • Câmara Surround 3D
    • Fixação ISOFIX no banco do passageiro dianteiro e nos bancos traseiros
    • All Terrain Progress Control (ATPC)
    • Terrain Response 2
    • Hill Launch Assist
    • Controlo de Descida de Declives (HDC)
    • Controlo de Estabilidade da Inclinação (RSC)
    • Assistência à Estabilidade do Atrelado (TSA)
Extras
Jantes de 20", 'Style 5089' com 5 raios duplos e acabamento Diamond Turned — 2384 €; Vidros Privacy — 452 €; Faróis em LED Premium com Luzes Diurnas Signature — 1160 €; Faróis de nevoeiro dianteiros — 220 €; Bancos com 14 ajustes elétricos, função de memória no banco do condutor e encostos de cabeça com 2 ajustes manuais — 705 €; Acabamento Titanium Mesh — 396 €; Volante integralmente em couro perfurado — 155 €; Driver Assist Pack — 1757 €; Technology Pack — 2065 €; Proteções das embaladeiras dianteiras iluminadas metálicas com marca R-Dynamic — 158 €; Secure Tracker Pro (assinatura de 12 meses) — 237 €; Acesso sem Chave — 543 €; Tampa da bagageira elétrica — 549 €.
Avaliação
7 / 10
A variante híbrida plug-in do Land Rover Discovery Sport, com 309 cv, é a mais potente que podemos comprar e deixa-nos percorrer mais de 60 km totalmente livres de emissões. Mas se estes são dois "trunfos" de peso, não chegam para justificar "de caras" a escolha desta versão face às propostas convencionais, sobretudo a Diesel de 2.0 litros com 163 cv, que a meu ver continua a apresentar um equilíbrio mais interessante. A utilização do sistema híbrido é suave e em cidade torna a utilização deste SUV muito agradável. Mas para que isso fosse possível, foi preciso sacrificar os lugares da terceira fila, uma das mais valias do Discovery Sport, que apela às famílias aventureiras mais numerosas. E se isto pode ser contornado, os consumos quando a bateria se esgota são um problema bem mais difícil de resolver.
  • Suavidade do sistema híbrido
  • Potência disponível
  • Comportamento fora de estrada
  • Espaço a bordo
  • Consumos (quando a bateria se esgota)
  • Ausência de versão de sete lugares
  • Montagem (demasiados ruídos no habitáculo)
Sabe responder a esta?
Qual a potência do novo Land Rover Defender V8?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Um V8 e 525 cv para o Land Rover Defender mais potente de sempre

Mais artigos em Testes, Ensaio