Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

Jeep Wrangler 4xe. Tudo sobre o primeiro Wrangler eletrificado

Há muito conhecido nos EUA, o Jeep Wrangler 4xe chega agora à Europa, trazendo a eletrificação a um dos maiores ícones da indústria automóvel.

Vista como o futuro da indústria automóvel, a eletrificação está aos poucos a chegar a todos os segmentos, inclusive ao dos jipes puros e duros, como comprova o Jeep Wrangler 4xe.

Revelado há nove meses na sua terra natal, os EUA, e já disponível para encomenda no “velho continente”, o Wrangler 4xe é o mais recente membro da “ofensiva eletrificada” da Jeep que conta já com os Compass 4xe e Renegade 4xe.

Visualmente não é fácil distinguir a versão híbrida plug-in das outras exclusivamente a combustão. As diferenças resumem-se à porta de carregamento, às jantes específicas (de 17″ e 18”), aos apontamentos em azul elétrico nos emblemas “Jeep”, “4xe” e “Trail Rated” e, no nível de equipamento Rubicon, ao logótipo que indica a versão em azul elétrico e ao logo 4xe no capô.

A NÃO PERDER: Testámos o Jeep Compass 4xe Limited. Agora com ajuda elétrica
Jeep Wrangler 4xe

No interior destacam-se o novo painel de instrumentos com ecrã a cores de 7”, o ecrã central de 8,4” compatível com Apple CarPlay e Android Auto e ainda o monitor do nível de carga da bateria com LED no topo do painel de instrumentos.

Números de respeito

No capítulo mecânico o Wrangler 4xe que vamos ter na Europa segue a receita da versão norte-americana. No total o 4xe vem com três motores: dois motores-geradores elétricos alimentados por um pack de baterias de 400 V e 17 kWh e um motor a gasolina turbo com quatro cilindros e 2.0 l.

O primeiro motor-gerador elétrico está ligado ao motor de combustão (substitui o alternador). Além de trabalhar em sinergia com este pode também funcionar como gerador de alta tensão. Já o segundo motor-gerador está integrado na caixa automática de oito velocidades e tem como função produzir tração e recuperar energia durante a travagem.

O resultado final disto tudo é uma potência máxima combinada de 380 cv (280 kW) e 637 Nm, enviados às quatro rodas por intermédio da mencionada transmissão automática de oito velocidades TorqueFlite.

VEJA TAMBÉM: Testámos o Jeep Renegade com o 1.3 turbo a gasolina. Melhor que o 1.0 turbo?

Tudo isto permite ao Jeep Wrangler 4xe acelerar dos 0 aos 100 km/h em 6,4s ao mesmo tempo que apresenta uma redução de quase 70% nas emissões de CO2 face à versão correspondente a gasolina. Os consumos médios são de 3,5 l/100 km em modo híbrido e anuncia uma autonomia elétrica de até 50 km em meio urbano.

Por falar na autonomia elétrica e nas baterias que a asseguram, estas estão “arrumadas” sob a segunda fila de bancos, o que permitiu manter inalterada a capacidade da bagageira face às versões de combustão (533 litros). Por fim, o carregamento pode ser feito em menos de três horas num carregador de 7,4 kWh.

Quanto aos modos de condução, esses são exatamente os mesmos que vos apresentámos há nove meses aquando da revelação do Wrangler 4xe para os EUA: híbrido, elétrico e eSave. Já no campo das aptidões todo o terreno, estas ficaram intactas, mesmo com a eletrificação.

Quando chega?

Proposto nos níveis de equipamento “Sahara”, “Rubicon” e “80th Anniversary” o Jeep Wrangler 4xe ainda não tem preços para o mercado nacional. Ainda assim, já está disponível para encomenda, estando a chegada das primeiras unidades aos concessionárias prevista para em junho.

Sabe responder a esta?
Em que ano surgiu o primeiro Jeep Wrangler?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

A história do Jeep, das origens militares ao Wrangler

Mais artigos em Notícias