Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Design

Se a Renault Espace F1 renascesse provavelmente seria assim

Um dos protótipos mais marcantes dos anos 1990, a Renault Espace F1 deixou uma grande legião de fãs. Tão grande que até há quem imagine o seu regresso.

Criada pela Matra (who else?) e revelada no Salão de Paris de 1994 para comemorar os 10 anos da Espace, a Renault Espace F1 é, ainda hoje, um dos mais marcantes protótipos não só daquela década como da própria Renault.

Talvez por isso, cerca de 27 anos depois de termos conhecido o modelo original, os designers Laurent Schmidt e Alex Blend uniram esforços para imaginar como seria uma versão atual da Espace F1 e o resultado foi o render que aqui te mostramos hoje.

Baseado na atual geração da Renault Espace, esta “Espace F1” manteve-se bastante fiel à original. Seja pelas enormes jantes, pela vistosa pintura dourada ou pelo enorme aileron, tudo nesta versão do século XXI evoca aquela que um dia chegou a fazer-se ouvir em pista.

VÊ TAMBÉM: Grupo Renault tem grandes planos para o grande Dacia Bigster

Pena é que, ao contrário da antecessora, esta não deva nunca chegar a ver a luz do dia. Afinal de contas, a “febre dos MPV” há muito que passou (não justificando um investimento avultado num protótipo deste género) e a juntar a isto a própria equipa de Fórmula 1 da Renault já não se chama… Renault, sendo agora conhecida como Alpine.

A Renault Espace F1

Apesar de não antecipar qualquer modelo de produção (nem tal seria de esperar), havia algo naquela Espace com carroçaria dourada e musculada e um motor V10 atmosférico proveniente do Williams-Renault FW15C de Fórmula 1 que captava (e capta) atenções.

Debaixo da carroçaria cujas formas eram rapidamente identificáveis como uma Espace estava um chassis em fibra de carbono e um V10 atmosférico com 3,5 l e 800 cv colocado em posição central. Este enviava a potência às rodas traseiras através de uma caixa sequencial de seis relações (a mesma do Williams de F1).

Escusado será dizer que toda esta potência e a muito bem sucedida dieta a que a Espace F1 foi sujeita lhe permitiam cumprir os tradicionais 0 aos 100 km/h em escassos 2,8s, acelerar até aos 200 km/h em apenas 6,9s e atingir os 312 km/h de velocidade máxima. Se te perguntas acerca do destino deste protótipo, fica sabendo que se encontra a “descansar” no museu da Matra, em França.

Sabe responder a esta?
Em que ano é que a Renault alcançou a sua primeira vitória na Fórmula 1?

Mais artigos em Notícias