Emissões

Mazda adere a aliança para estabelecer e promover combustíveis neutros em CO2

A Mazda é o primeiro construtor automóvel a integrar a eFuel Alliance com o objetivo de promover os combustíveis ecológicos e o hidrogénio.

Descarbonizar não é sinónimo de uma única solução tecnológica, o que tem justificado a abordagem multi-soluções da Mazda. Não admira que seja o primeiro construtor automóvel a aderir à eFuel Alliance (Aliança de Combustíveis Ecológicos) que quer “estabelecer e promover os e-combustíveis (combustíveis ecológicos ou e-fuels) e o hidrogénio, ambos neutros em CO2, como contribuintes credíveis e reais para a redução de emissões no setor dos transportes”.

Não significa que a eletrificação tenha sido esquecida pela Mazda. O seu primeiro elétrico, o MX-30, já está à venda, e até 2030 todos os seus veículos contarão com alguma forma de eletrificação: mild-hybrid, híbridos plug-in, 100% elétricos e elétricos com extensor de autonomia. Mas há mais soluções.

A Mazda tem tido um importante papel no desenvolvimento de soluções que melhoram a eficiência dos motores de combustão interna, mas há ainda um potencial enorme pouco explorado na redução de emissões, que são os próprios combustíveis em si, que não têm de ter, obrigatoriamente, origem fóssil.

VÊ TAMBÉM: Combustíveis sintéticos podem ser alternativa aos elétricos? A McLaren diz que sim

Mazda na eFuel Alliance

É neste contexto que surge a adesão da Mazda à eFuel Alliance. Juntamente com os restantes membros da aliança, e numa altura em que União Europeia revê a legislação climática, a marca japonesa está a apoiar a “implementação de um mecanismo que tenha em conta a contribuição dos combustíveis renováveis e com baixo teor de carbono, na redução das emissões dos automóveis de passageiros”.

A aposta única na eletrificação (a bateria) dos transportes não será rápida o suficiente para atingir a neutralidade climática pretendida. O recurso a combustíveis renováveis (e-fuels e hidrogénio) neutros em CO2, em paralelo com a eletrificação crescente do parque automóvel, seria, diz a Mazda, uma solução mais rápida para esse fim.

“Acreditamos que, com o investimento necessário, os e-fuels e o hidrogénio, ambos neutros em CO2, irão dar um contributo credível e real para a redução das emissões, não só nos automóveis novos, como também no parque automóvel já existente. Isto abriria uma segunda e mais rápida via para alcançar a neutralidade climática no sector dos transportes, em conjunto com o progresso da electrificação. Dado que, no final deste ano, a UE irá rever a sua regulamentação sobre normas de CO2 para carros de turismo e veículos comerciais, esta é a oportunidade para garantir que a nova legislação permita que, tanto os veículos eléctricos como os veículos que funcionam com combustíveis neutros em CO2, possam contribuir para os esforços dos fabricantes de automóveis em termos de redução de emissões”.

Wojciech Halarewicz, Vice-Presidente de Comunicação e Relações Públicas da Mazda Motor Europe GmbH
VÊ TAMBÉM: Porsche e Siemens Energy vão produzir combustíveis sintéticos no Chile a partir de 2022

“O principal objectivo da eFuel Alliance consiste em apoiar e impulsionar a compreensão das políticas de protecção do ambiente, que assegurem uma concorrência leal entre diferentes tecnologias. Os próximos dois anos serão decisivos, uma vez que a Comissão Europeia irá rever as principais regulamentações no domínio da política climática. Estas deverão incluir um mecanismo na legislação automóvel que reconheça a contribuição que os combustíveis com baixo teor de carbono podem dar no alcance dos objectivos de redução de emissões. Será, por isso, crucial juntar grupos e organizações interessadas em todos os sectores envolvidos".

Ole von Beust, Director Geral da eFuel Alliance

Sabe responder a esta?
Qual a autonomia (ciclo combinado WLTP) do Mazda MX-30?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Mazda MX-30 testado. É elétrico, mas quase não o parece. Vale a pena?

Mais artigos em Notícias