Apresentação

MINI de “cara lavada” chega já na primavera

O MINI renovou-se para 2021 e recebeu um visual revisto, evoluções ao nível chassis, assistência à condução e conectividade e mais opções de personalização.

Cada nova evolução do MINI é sempre conservadora, mas quando colocamos o carro de 2001 ao lado deste que chega ao mercado em 2021, já esta primavera, percebemos que, como em tanta coisa na vida, o todo é maior do que a soma das partes, ou seja, que dir-se-ia que a mudança acumulada nestas duas décadas resultou de alterações individuais bem maiores.

No caso desta geração, que em 2021 surge da cara lavada, temos a grelha do radiador hexagonal ampliada por uma moldura em negro, as luzes de presença foram substituídas por entradas de ar verticais colocadas nas extremidades da dianteira e a faixa central do para-choques (onde está fixa a matrícula) passa a estar pintada na cor da carroçaria (em vez de ser negra como até aqui).

Na traseira, o farol de nevoeiro central foi integrado no avental em forma de um fino LED e existe agora uma faixa transversal em negro acima do para-choques.

VÊ TAMBÉM: Conseguirá o MINI JCW GP vencer o Toyota GR Yaris a chover?

Por outro lado, continuam a existir os tejadilhos em cores distintas do resto da carroçaria. No entanto, foi criada uma técnica especial de pintura que mistura várias tonalidades que são aplicadas ainda a fresco no processo de fabrico do carro para criar um acabamento especial (Spray Tech) e que difere de carro para carro.

Segundo explica Oliver Heilmer, diretor de design da marca inglesa nas mãos do grupo BMW: “Este tejadilho de tons múltiplos projeta as possibilidades de personalização para novos patamares e pelo facto de cada acabamento ser realmente único merece a pena olhar atentamente para o carro”.

MINI Cooper S
VÊ TAMBÉM: MINI Vision Urbanaut. Mini por fora, Maxi por dentro

Mais negro e menos cromado

Os característicos faróis redondos passam a ter um revestimento interno em negro (e não cromado), há uma banda circular para as funções de luzes de condução diurna e “piscas” e as luzes de médios e de máximos são agora LED, com melhor capacidade de iluminação, existindo também novas funcionalidades (luzes de curva, Matrix e para mau tempo).

Nos faróis traseiros o desenho da bandeira inglesa passa a ser de série em todas as versões dos MINI 2021: três portas, cinco portas e Cabrio.

VÊ TAMBÉM: MINI já desenvolve um John Cooper Works 100% elétrico

Por dentro temos novos padrões e revestimentos, ao mesmo tempo que — tal como no exterior — o número de inserções metalizadas foi diminuído. As saídas de ventilação nos extremos têm painéis negros à volta, as centrais foram redesenhadas e surgem à face do painel de bordo.

O típico monitor central redondo passa a ser sempre de 8,8” (anteriormente era de 6,5” e o maior um extra), tal como as superfícies em preto lacado, estando associado a um novo “sistema operativo” que a MINI pretende que seja mais intuitivo no uso.

MINI Cooper S

Ao mesmo tempo, os botões das luzes de emergência e dos sistemas de assistência à condução mudaram de posição dentro da unidade circular de comando. Temos ainda gráficos mais modernos e novas funcionalidades nas aplicações disponíveis neste modelo.

O volante tem um novo desenho e, nas versões mais equipadas, surge uma instrumentação digital colorida de 5” com a informação mais importante para o condutor (no MINI elétrico é lá que são os dados do carregamento).

Existem várias opções de luz ambiente e mesmo os dois ecrãs no painel de bordo podem assumir as cores de ambientes Lounge (entre turquesa e azul petróleo) e Sport (vermelho e antracite).

A NÃO PERDER: 190E City. O rival do Golf que a Mercedes-Benz nunca produziu

Gama de motores mantém-se

A gama de motores nos MINI 2021 mantém-se inalterada: três cilindros de 1,5 l com 75 cv, 102 cv e 136 cv e o quatro cilindros, 2,0 l no Cooper S e John Cooper Works (JCW) com 178 cv e 231 cv respetivamente. E, claro, a versão 100% elétrica de 184 cv e cuja bateria de 32,6 kWh permite uma autonomia entre os 203 km e os 234 km.

MINI

Todas as versões usam caixa manual de seis velocidades ou automática de dupla embraiagem e sete velocidades nos dois 1.5 mais potentes e automática de oito velocidades (conversor de binário) no JCW.

VÊ TAMBÉM: Lancia como marca premium? É o que diz a Stellantis

Melhoria no conforto

Se é verdade que os MINI são considerados há duas décadas os modelos compactos mais divertidos de conduzir do mercado, também se sabe que alguns clientes acham, genericamente, a suspensão demasiado dura para alguns pisos.

Por isso, os MINI 2021 estreiam um sistema de suspensão adaptativa que, segundo a marca, consegue um melhor compromisso entre a eficácia do comportamento (muitas vezes comparada com à de um kart) e a qualidade de rolamento (no sentido de um maior conforto).

Os engenheiros dizem que o segredo do sistema (que não pode ser montado no MINI One nem no elétrico Cooper SE) é o contínuo amortecimento seletivo de frequências que utiliza uma válvula adicional para suavizar picos repentinos de pressão dentro do amortecedor e que, dependendo da situação de condução e da estrada, pode reduzir as forças de amortecimento até 50%.

Com chegada ao mercado prevista para a primavera, ainda não são conhecidos os preços do renovado MINI 2021.

Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Volkswagen Lupo GTI?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Lembras-te deste? Volkswagen Lupo GTI
Em cheio!!
Vá para a próxima pergunta

ou leia o artigo sobre este tema:

Lembras-te deste? Volkswagen Lupo GTI

Mais artigos em Notícias