Venda

Sbarro Super Eight. Se a Ferrari fizesse um «hot hatch» que sonhava ser um Grupo B

O Sbarro Super Eight encerra nas suas compactas dimensões toda a ousadia a que estamos habituados ver por parte de Franco Sbarro. E agora está à venda.

Devem ser poucos os que hoje já devem ter ouvido falar da Sbarro, fundada por Franco Sbarro, mas na década de 80 e 90 costumava ser um dos pontos de atração no Salão de Genebra, onde as suas ousadas e até bizarras criações eram presença assídua. Entre as inúmeras que apresentou temos o Sbarro Super Eight, o que podemos definir como um hot hatch demoníaco.

Bem… olhem para ele. Compacto e muito musculado, parece ter saído da mesma bitola de onde saíram “monstros” como o Renault 5 Turbo, o Peugeot 205 T16, ou o mais pequeno, mas não menos espetacular, MG Metro 6R4, que tanto intimidaram como fascinaram nos ralis — incluindo o infame Grupo B — da década de 80. Tal como estes, o motor do Super Eight encontrava-se atrás dos ocupantes.

Ao contrário destes, porém, o Super Eight prescindia dos quatro cilindros ou até de um V6 (MG Metro 6R4). Tal como o nome deixa adivinhar, são oito o número de cilindros que traz, e para mais, da mais nobre das proveniências: Ferrari.

VÊ TAMBÉM: Estão à venda dois Mercedes-Benz SL R 129 que nunca foram matriculados

Se a Ferrari fizesse um hot hatch

Podemos afirmar que o Sbarro Super Eight deve ser o que mais próximo alguma vez houve de um Ferrari hot hatch. Por baixo da sua compacta carroçaria de dois volumes (comprimento não é muito superior ao de um Mini original), e linhas que não seriam estranhas de ver num qualquer rival dos mencionados Renault 5 ou Peugeot 205, esconde-se não só um V8 Ferrari, como um chassis (encurtado) de um Ferrari 308.

Tal como no 308, o Super Eight coloca o V8 transversalmente atrás dos dois ocupantes e a ligação ao eixo traseiro motriz é garantida pela mesma caixa manual de cinco velocidades — a bonita base de metal com o padrão em duplo-H tão típico dos Ferrari destaca-se no luxuosamente revestido interior deste Super Eight.

Ferrari V8

O V8 de 3,0 l de capacidade debita 260 cv — isto num carro bem mais pequeno e leve que o novo Toyota GR Yaris, de potência praticamente idêntica — e só lamentamos não saber o quão rápido acelera. O 308 GTB fazia pouco mais de 6,0s até aos 100 km/h, certamente o Super Eight deverá conseguir igualar este valor. O que não consegue é andar tão rápido como o dador original: estima-se que dê 220 km/h contra os cerca de 250 km/h do modelo italiano original.

Este exemplar único, revelado em 1984, encontra-se agora à venda na Super 8 Classics, na Bélgica. Apresenta no odómetro pouco mais de 27 mil quilómetros e foi alvo de uma revisão recente e tem matrícula holandesa.

VÊ TAMBÉM: Volkswagen Golf Turbo Sbarro (1983). Um segredo bem guardado

Super Twelve, o antecessor

Se o Sbarro Super Eight parece uma criação “de doidos”, na realidade é o segundo capítulo mais “civilizado” e convencional sobre este tema. Em 1981, três anos antes, Franco Sbarro tinha completado a criação do Super Twelve (apresentado em Genebra, em 1982). Como o nome deixa adivinhar (Twelve é 12 em inglês), atrás dos ocupantes estão — isso mesmo — 12 cilindros!

Ao contrário do Super Eight, o motor do Super Twelve não é italiano, mas sim japonês. Bem, o mais correto é dizer “os motores”. Na realidade são dois V6, com 1300 cm3 cada, montados também transversalmente oriundos de duas motas da Kawasaki. Os motores estão unidos por correias, mas podem operar isoladamente.

Cada um deles mantém a sua caixa de cinco velocidades, mas ambas são controladas por um só mecanismo. E cada um dos motores motoriza só uma das rodas atrás — em caso de problemas, o Super Twelve podia funcionar apenas com um motor.

No total, debitava 240 cv — menos 20 cv que o Super Eight —, mas também são apenas 800 kg para mover, garantindo 5s para atingir os 100 km/h — não se esqueçam, estamos no início da década de 80. Um Lamborghini Countach da altura teria dificuldades em acompanhá-lo. Porém, rapidamente o apanharia, pois o escalonamento curto das relações de transmissão limitava a velocidade máxima a apenas 200 km/h.

Relatos da altura dizem que o Super Twelve era uma besta próxima do indomável, razão pela qual fez o mais convencional — mas ainda mais potente — Sbarro Super Eight.

Mais artigos em Notícias