Indústria

Mercedes-Benz. O adeus às caixas manuais e redução do número de motores de combustão

Apostada em reduzir custos e simplificar a gama, a Mercedes-Benz prepara-se para abandonar as caixas manuais e reduzir a oferta de motores de combustão.

As “ondas de choque” do novo plano estratégico da Mercedes-Benz ainda se fazem sentir. Depois de ontem te termos dado conta de que a aposta passa, e bastante, pela eletrificação, hoje trazemos-te o “reverso dessa medalha”, pois a marca alemã vai dizer adeus às caixas manuais e reduzir a oferta de motores de combustão.

Nenhuma destas duas medidas será imposta de forma radical, mas sim gradualmente e ambas visam não só reduzir a complexidade da gama da Mercedes-Benz como ajudar a reduzir os custos de produção.

Segundo Markus Schäfer, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Mercedes-Benz, a marca alemã tem de reduzir a complexidade pois esta aumenta os custos.

VÊ TAMBÉM: Mercedes-Benz. O adeus às caixas manuais e redução do número de motores de combustão

Reduzir é a palavra de ordem

Posto isto, Schäfer afirmou: “Vamos reduzir os futuros produtos, reduzir substancialmente o número de plataformas, os motores de combustão serão drasticamente reduzidos e vamos abandonar as caixas manuais”.

Ainda de acordo com o diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Mercedes-Benz, o objetivo passa por seguir uma estratégia mais modular, o que permitirá a ambicionada redução de complexidade e custos.

Verdade seja dita, nenhuma destas medidas é especialmente surpreendente. A redução do número de motores de combustão é facilmente explicada pela forte aposta na eletrificação e pelas cada vez mais exigentes normas antipoluição.

Já a decisão de abandonar as caixas manuais justifica-se pela contínua quebra de vendas que este tipo de transmissão tem vindo a conhecer nos últimos anos. Fica difícil justificar o desenvolvimento e produção deste tipo de caixa de velocidades numa altura em que a meta passa por reduzir custos e encontrar economias de escala.

 

 

Qual é a meta?

Como te dissemos no início deste texto, a Mercedes-Benz não avançou uma data exata para abandonar as caixas de velocidades e reduzir drasticamente os motores de combustão presentes na sua gama.

No entanto, tendo em conta que a Mercedes-Benz planeia cortar os seus custos fixos em 2025 em mais de 20% face a 2019, não nos admirávamos se as caixas manuais desaparecessem do catálogo da Mercedes-Benz até lá.

Sabes responder a esta?
Em que ano foi lançado o primeiro Mercedes-Benz CLK?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Coupés dos anos 90 (parte 1). Lembras-te de todos eles?

Mais artigos em Notícias