Apresentação

Hyundai Veloster N ganha uma caixa de dupla embraiagem. Chegará ao “nosso” i30 N?

Não se vende por cá, mas a adição de uma caixa de dupla embraiagem ao Veloster N pode significar novidades a breve prazo para o i30 N.

A Hyundai acaba de adicionar ao Veloster N, a sua variante de alta performance, a opção de uma caixa de dupla embraiagem de oito velocidades, a N DCT.

A segunda geração do compacto desportivo coreano é vendida em mercados como a Coreia do Sul e América do Norte, mas não na Europa. Só que dada a sua proximidade mecânica e tecnológica com o i30 N, a probabilidade de vermos o hot hatch ganhar uma nova transmissão por cá para complementar a manual (seis velocidades) existente é grande.

Uma das particularidades da N DCT é o facto de ser do tipo “húmida”, ou seja, está banhada em óleo para uma superior lubrificação e refrigeração — a melhor opção para veículos de altas prestações e a escolha standard para valores de binário de 350 Nm ou mais. As mais comuns são as de cárter seco (ocupam menos volume e são mais eficientes), mais comuns nos veículos com motores mais “modestos” (binários até 250 Nm).

VÊ TAMBÉM: i30 N “N Option” é um Hyundai em modo hardcore

Com esta nova e mais rápida transmissão o Veloster N passa a conseguir cumprir os clássicos 0-100 km/h em 5,6s contra os 6,1s conseguidos com a caixa manual.

Novas funcionalidades

Além do ganho de prestações, a introdução da N DCT também permitiu ganhar novas funcionalidades, todas com nomes sugestivos: N Grin Shift (NGS), N Power Shift (NPS), N Track Sense Shift (NTS). Estas são complementadas com outras funcionalidades mais comuns: Rev Matching (ponta-tacão automático), Launch Control (controlo de lançamento) e o Overboost.

O N Grin Shift (grin significa largo sorriso) permite que o binário aumente 7%, de 353 Nm para 377 Nm, durante 20s, maximizando a resposta do turbocompressor. O N Power Shift é automaticamente acionado quando é detetada uma aceleração superior a 90% do acelerador, que garante não só a passagem para a relação acima no momento, como o faz de forma a atenuar qualquer redução de binário, potenciando a velocidade de resposta. Por fim, o N Track Sense Shift é capaz de detetar quando estão reunidas as condições ideais na estrada para uma condução mais aguerrida, ativando-se automaticamente, e o que faz é decidir qual a relação mais adequada e quando a deve mudar como… um piloto profissional.

No sistema de info-entretenimento, acessível via um ecrã de 8″, é possível de configurar cada uma destas funcionalidades. Para os que preferem decidir eles próprios em qual relação circular ou quando mudá-la, existe, naturalmente, um modo manual, e patilhas por detrás do volante.

Hyundai Veloster N DCT
VÊ TAMBÉM: Hyundai Kauai Electric ganhou 8% de autonomia com apenas uma alteração

N Light Sports Bucket Seats

Além da transmissão N DCT, o Veloster N adiciona um novo opcional, os novos bancos tipo bacquet N Light Sports Bucket Seats. Revestidos a Alcantara, estes novos bancos são mais estreitos e mais leves em aproximadamente 2 kg que os bancos de série.

O “Light” no seu nome (ou Luz) traduzem-se num logótipo “N” iluminado na parte superior do apoio para as costas, combinando até com outras luzes interiores.

Resta agora esperar para ver se a nova N DCT e estes bancos mais leves também passarão a fazer parte também dos “europeus” i30 N e i30 N Fastback.


A equipa da Razão Automóvel continuará online, 24 horas por dia, durante o surto de COVID-19. Segue as recomendações da Direção-Geral de Saúde, evita deslocações desnecessárias. Juntos vamos conseguir ultrapassar esta fase difícil.

Sabes responder a esta?
Quanto pesa a menos o Renault Mégane R.S. Trophy-R em relação ao R.S Trophy?

Mais artigos em Notícias