Apresentação

Este é o novo Audi A3 Sportback. Todos os detalhes de um ícone renovado

O criador do segmento dos compactos premium, em 1996, renova-se em 2020 com a quarta geração que quer recolocar em sentido os arquirrivais Mercedes-Benz Classe A e BMW Série 1.

Na Audi não há espaço para revoluções de estilo, muito menos num modelo de sucesso global como o Audi A3.

Ainda assim percebe-se que o design evoluiu com arestas mais vivas nas secções laterais côncavas (que convidam a um jogo variável de luzes e sombras), traseira e capot (destacando-se as nervuras no capot) e um interior onde se respira a modernidade dos ecrãs digitais de consulta e operativos, e onde conectividade é a palavra de ordem (muito similar, de resto, ao que foi recentemente estreado no Volkswagen Golf VIII).

O quarto capítulo da história do Audi A3 conserva as proporções do antecessor, sendo apenas 3 cm mais comprido (4,34 m) e 3,5 cm mais largo, o que beneficia, essencialmente, a largura interior, tanto mais que a distância entre eixos não sofreu alteração.

ESPECIAL: Salão de Genebra 2020 CANCELADO mas… as novidades continuam aqui!

A altura de 1,43 m é a mesma do anterior A3 Sportback, mas por terem sido rebaixados os bancos existe um pouco mais de alturas no interior, além de que sai reforçada a posição de condução desportiva. Já a bagageira manteve-se nos 380 a 1200 litros de volume, mas passou a existir a opção de um portão elétrico.

Visualmente, por fora, chama a atenção a nova grelha hexagonal em ninho de abelha ladeada por faróis LED, de série, com funções avançadas de iluminação customizada (Matrix digitais nas versões de topo e verticais na versão S Line), além da traseira cada vez mais preenchida por óticas horizontais.

Desde 2017 que a Audi deixou de fazer a variante de três portas — uma tendência a que ninguém foge nos nossos dias —, mas ainda assim o novo A3 irá ter uma extensa família de carroçarias quando estiver completa, o que deverá ocorrer em 2022 (incluindo a variante de três volumes).

Ecrãs digitais e conectividade imperam

Por dentro dominam os recursos digitais tanto na instrumentação (de 10,25” ou, opcionalmente, 12,3” com funções alargadas) como no ecrã central, (de 10,1” e direcionado para o condutor) existindo apenas alguns comandos físicos como os da climatização, controlo de tração/estabilidade e os do quadro de instrumentos (no volante), ladeado por duas grandes saídas de ventilação.

O novo Audi A3 recebeu a mais recente Plataforma Modular de info-entretenimento (MIB3) que é 10 vezes mais potente do que a do modelo antecessor e que dispõe de reconhecimento de escrita, comando vocal inteligente e funções avançadas de conectividade e navegação em tempo real, além de capacidade de ligar o carro à infraestrutura com benefícios em segurança e condução mais eficiente.

Outro extra é o head-up display que cria a sensação de projetar informação relevante para a condução cerca de dois metros à frente do carro. Novo também é a alavanca do seletor de velocidades shift-by-wire e, ao lado direito e em estreia na Audi, um comando rotativo para o volume do equipamento áudio que reage a movimentos circulares dos dedos.

VÊ TAMBÉM: Novo BMW 118d (F40) em vídeo. Melhor ou pior que a anterior geração?

Motores iguais aos do novo Golf

Na Europa vão existir, de entrada, três motores: 1.5 TFSI de 150 cv e 2.0 TDi de 116 e 150 cv, mas pouco depois do lançamento chegam o 1.0 TFSI de três cilindros (110 cv) e uma segunda versão do 1.5 a gasolina, mas com tecnologia mild hybrid e 48 V e uma pequena bateria de iões de lítio.

Audi A3 Sportback 2020

Desta forma, nas desacelerações ou travagens leves, o sistema será capaz de recuperar até 12 kW e também de gerar um máximo de 9 kW (13 cv) e 50 Nm nos arranques e retomas de velocidade em regimes intermédios. Outra vantagem deste motor é que permite que o A3 role até 40 segundos com o motor desligado, com benefícios no consumo (poupança anunciada de até quase meio litro por 100 km).

Nos meses que se seguem outras variantes juntar-se-ão a estas de tração dianteira e com caixa manual de seis velocidades ou automática de sete, com dupla embraiagem (DSG): haverá A3 com quatro rodas motrizes e também híbridos de recarga externa com dois níveis de potência e um movido a gás natural.

Audi A3 Sportback 2020
A NÃO PERDER: Audi A4 faz 25 anos. Todas as gerações do Audi mais vendido de sempre

Chassis quase sem alterações

A suspensão do novo A3 não muda muito, com eixo dianteiro McPherson com triângulos inferiores e usando eixo de torção nas rodas traseiras nas versões abaixo de 150 cv e com um mais sofisticado eixo independente multibraços acima dessa potência.

É possível optar por um sistema de amortecimento variável que tem configuração 10 mm mais baixa e permite que o A3 tenha um comportamento geral mais confortável ou mais desportivo o que, neste último caso, pode ainda ser potenciado com a afinação Sport da suspensão, que deixa o carro 15 mm mais perto da estrada (e que está sempre associado às versões equipadas com o pacote S Line).

A direção varia a assistência em função da velocidade do carro e, opcionalmente, a progressiva que faz variar a resposta para que em condução desportiva os braços tenham que se mexer menos para o mesmo ângulo de viragem. Já os travões inovam com a introdução de um servofreio elétrico que é mais rápido na resposta e permite diminuir as perdas por fricção nas pastilhas.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Mercedes-Benz Classe A mais barato que podes comprar. Vale a pena?

Quando chega?

O novo Audi A3 Sportback chega ao mercado já no próximo mês em maio, com um preço de entrada a rondar os 30 000 euros.

Audi A3 Sportback 2020
Sabes responder a esta?
Quantos cilindros tem o motor do Audi RS Q8?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Já conduzimos o novo Audi RS Q8. Injeção de testosterona

Mais artigos em Notícias