Apresentação

Renault Mégane foi renovado e passa a ter uma versão híbrida plug-in

O Renault Mégane foi renovado e para além de um reforço tecnológico recebeu uma versão híbrida plug-in. Chega até nós no verão.

Lançado em 1995, o Renault Mégane tem sido um sucesso de vendas, acumulando já sete milhões de unidades vendidas. Agora, cinco anos depois do lançamento da quarta geração do Mégane, a Renault reforça-lhe os argumentos.

Para começar, a marca gaulesa reforçou a oferta tecnológica, oferecendo ao Mégane um novo painel de instrumentos digital de 10,2”, o sistema Easy Link com ecrã de 9,3”, novos faróis LED Pure Vision e ainda sistemas de ajuda à condução como o Sistema de Assistência em Trânsito e Autoestrada, uma tecnologia de condução autónoma de nível 2.

Outra das novidades na gama Mégane é a substituição da versão GT Line pela nova R.S. Line. Tal como a versão que vem substituir, a R.S. Line oferece ao Renault Mégane um visual mais desportivo tanto no exterior como no interior.

VÊ TAMBÉM: Renault quer renovar parque automóvel nacional: incentivos ao abate e Via Verde grátis entre as medidas
Renault Mégane
É nas óticas traseiras que mais facilmente verificamos as diferenças.

Versão híbrida plug-in é a grande novidade

Apesar da importância do reforço tecnológico, a grande novidade do renovado Renault Mégane é a versão híbrida plug-inDesignada E-TECH, esta “casa” um motor de quatro cilindros e 1.6 l de capacidade com dois motores elétricos, obtendo 160 cv de potência combinada.

A alimentar os dois motores elétricos encontramos uma bateria com 9,8 kWh (400 V) de capacidade que permite ao Mégane percorrer em modo 100% elétrico e até 135 km/h cerca de 50 km em circuito misto e 65 km em circuito urbano, tudo isto de acordo com o ciclo WLTP.

Dotada de uma caixa de velocidades multimodo sem embraiagem, o Renault Mégane E-TECH vai estar, inicialmente, disponível no formato carrinha, chegando depois esta tecnologia às restantes carroçarias.

VÊ TAMBÉM: Renault Clio vs Peugeot 208. QUAL É O MELHOR?

R.S. e R.S. Trophy são para manter

Apesar de o Mégane ter ganho uma variante híbrida plug-in, tal não significa que a Renault tenha abdicado da performance. Assim sendo, tanto a versão R.S. como a mais radical R.S. Trophy vão continuar a fazer parte da gama do familiar gaulês.

NÃO PERCAS: Renault Clio e Captur eletrificam-se com variantes E-Tech. Fica a conhecê-las

Entre estas, a grande novidade é o facto de a versão R.S. passar a contar com os mesmos 300 cv da variante R.S. Trophy. Na variante com caixa EDC o binário subiu para os 420 Nm (+30 Nm), já na versão com caixa manual passa a fixar-se nos 400 Nm.

Por fim, o Renault Mégane R.S. Trophy continua a distinguir-se pelo chassis Cup dotado de um diferencial mecânico Torsen com autoblocante, molas de suspensão mais rígidas e barra estabilizadora também mais rígida do que a que encontramos na versão R.S.

Sabes responder a esta?
Quem foi o piloto que conseguiu a primeira vitória na Fórmula 1 para a Renault?

Mais artigos em Notícias