A minha primeira vez no Estoril (e logo ao volante de um Renault Mégane R.S. Trophy)

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Estreia

A minha primeira vez no Estoril (e logo ao volante de um Renault Mégane R.S. Trophy)

Quis o destino que a minha estreia no Estoril fosse aos comandos de um Mégane R.S. Trophy e debaixo de chuva torrencial. Receita para o desastre?

Até há bem pouco tempo, o meu conhecimento do Autódromo do Estoril resumia-se aos… jogos de computador. Para além disso, tendo em conta que nunca tinha sequer conduzido num circuito, quando me disseram que o meu “batismo de fogo” em pista ia ser feito aos comandos de um Renault Mégane R.S. Trophy no Estoril, dizer que fiquei entusiasmado é demasiado simples.

Infelizmente, e a provar a regra imposta pela lei de Murhpy de que o que tiver de correr mal vai correr da pior forma e na pior altura possível, São Pedro não me decidiu fazer a vontade e reservou uma tremenda chuvada precisamente para o dia em que estava reservada a minha ida ao Estoril.

Portanto, vamos recapitular: “piloto” sem experiência, um hot hatch conhecido por gostar de soltar a traseira, um circuito que praticamente desconhecia e uma pista completamente encharcada. À primeira vista parece uma receita para o desastre não parece? Felizmente, não foi bem assim.

VÊ TAMBÉM: Skoda Kodiaq RS chega a Portugal e já tem preço
Renault Mégane RS Trophy
Mesmo numa pista encharcada, o Mégane R.S. Trophy revela-se eficaz, temos é de ir um pouco mais devagar do que gostaríamos.

Primeiro objetivo: memorizar o circuito

Mal cheguei à box onde estava o Renault Mégane R.S. Trophy, a primeira coisa que ouvi foi: “atenção à reta interior que do lado esquerdo tem muita água e faz aquaplanning”. Enquanto os outros jornalistas acenavam em concordância dei comigo a pensar “mas onde é a reta interior?”. Era oficial, estava mais perdido que o James May na pista do Top Gear.

Calmamente procurei conhecer o traçado do circuito com recurso à única ferramenta que tinha por perto: o símbolo do autódromo que surge na bancada principal! Tão depressa como comecei a usar esse método também o abandonei, pois rapidamente me apercebi que daquela forma não ia a lado nenhum.

VÊ TAMBÉM: Testámos a Renault Mégane ST GT Line TCe 140 FAP: honras de estreia
Renault Mégane R.S. Trophy
Com exceção de uma tentativa de a traseira ultrapassar a frente à entrada da reta da meta, a minha curta experiência com o Mégane R.S. Trophy em circuito correu às mil maravilhas.

Sem querer desistir da oportunidade de conduzir no mesmo circuito onde o famoso Ayrton Senna conquistou a sua primeira vitória na Fórmula 1 (e curiosamente debaixo de igual intempérie), decidi aproveitar um colega de profissão que foi dar uma volta no carro conduzido por um piloto e fui à boleia.

Subscreve o nosso canal de Youtube.

Nessas duas voltas aproveitei não só para tentar memorizar o circuito (tarefa na qual não posso dizer que tenha sido totalmente bem sucedido) como para ver como se comporta o Mégane RS Trophy quando conduzido no seu habitat natural e por alguém que chama ao Autódromo do Estoril a sua segunda casa.

Agora era a minha vez

Apesar de já ter tido a oportunidade de conduzir o Mégane R.S. Trophy no pára-arranca lisboeta, andar com ele em circuito é a mesma coisa que ver um leão no Zoo e na savana. O animal é o mesmo, no entanto o comportamento dele muda como da noite para o dia.

No entanto, se no seu habitat natural o leão se mostra mais perigoso, acontece exatamente o contrário com o Mégane. A direção que no trânsito suburbano se tinha revelado pesada, em circuito revela o peso certo para oferecer confiança a um estreante como eu e a embraiagem que havia considerado brusca, revela-se perfeita para mudanças de relação mais apressadas.

VÊ TAMBÉM: Glórias do Passado. Peugeot 205 GTi. Um pequeno leão cheio de raça
Renault Mégane R.S. Trophy
Ao longo da pista havia uma série de cones para indicar os pontos de travagem e a trajetória ideal. Principal objetivo? Não lhes acertar!

Assim, o que te posso dizer acerca do Mégane R.S. Trophy em pista é que os limites do condutor surgem mais cedo que os do carro. Apesar da tendência de soltar a traseira, as reações são facilmente controláveis, com o Mégane a revelar um comportamento mais eficaz que divertido, mesmo debaixo de um dilúvio, algo para o qual contribui o eixo traseiro direcionável.

A inserção em curva oferece confiança e os travões revelam-se mais que capazes de suportar abusos sem acusar fadiga. Quanto ao motor, é progressivo a subir de regime e os seus 300 cv oferecem prestações que é melhor estarem confinadas aos circuitos (ou a estradas desertas sem radares). Já o escape, dá vontade de estar sempre a acelerar só para o ouvir.

VÊ TAMBÉM: Mais perto da ação. Vídeo 360º do Hyundai i30 Fastback N em circuito
Renault Mégane R.S. Trophy
O diferencial autoblocante Torsen minimiza as perdas de tração à saída das curvas, mesmo debaixo de chuva e quando aceleramos a fundo.

No fim das minhas duas (curtas) voltas aos comandos do Mégane R.S. Trophy e terminada a minha estreia num asfalto que considero “solo sagrado” as duas conclusões a que cheguei foram simples. A primeira foi de que o Mégane R.S. Trophy se sente muito melhor em pista do que na via pública. A segunda era: tenho de voltar ao Estoril!

Sabe responder a esta?
Qual era a potência do Renault 19 16V?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Lembras-te deste? Renault 19 16V
Em cheio!!
Vá para a próxima pergunta

ou leia o artigo sobre este tema:

Lembras-te deste? Renault 19 16V

Mais artigos em Crónicas