Chega em novembro

Testámos os limites do novo BMW X5. Será o melhor do segmento?

O SUV que ajudou a definir um segmento conhece a sua quarta geração. Estivemos em Atlanta, nos Estados Unidos da América, para experimentar o novo BMW X5.

Em Atlanta, EUA

É difícil de acreditar que já chegou a hora de conduzir mais um novo BMW X5. Parece que foi ontem que estive em Vancouver, Canadá, para testar a 3ª geração, e agora estou em Atlanta, Geórgia, o chamado ‘peach state’ (estado pêssego) da América, a testar o novo modelo de 4ª geração.

Este carro é construído na fábrica da BMW em Spartanburg, na Carolina do Sul, mas não é essa a razão para a apresentação ser feita nos Estados Unidos. Tal escolha remonta à primeira geração do X5, cujo teste foi feito aqui – e também porque, desde então, por uma qualquer razão, a BMW optou sempre por fazê-las em cidades anfitriãs dos Jogos Olímpicos. É por isso que estou em Atlanta, cidade que recebeu os Jogos Olímpicos de verão, em 1996.

Ah e caso estejam a perguntar-se, Vancouver recebeu os Jogos Olímpicos de inverno em 2010, e a segunda geração do X5 foi apresentada em Atenas, cidade anfitriã dos Jogos em 2004. Ok, chega de curiosidades, vamos falar do carro!

ESPECIAL: Todas as novidades do Salão de Paris 2018

Aspeto familiar

O novo BMW X5 irá fazer-te lembrar imediatamente o modelo anterior, já que a BMW não optou por nenhuma mudança radical no seu estilo. Mas há o suficiente para saberes que é novo. O BMW X5 é agora um pouco maior, com mais 36 mm de comprimento, 66 mm de largura, e 19 mm de altura. A distância entre eixos aumentou em 42 mm.

BMW X5

A frente apresenta a nova e massiva grelha de duplo rim (sim, até ao vivo é um pouco grande de mais, mas rapidamente habituas-te!), os novos faróis incluem a tecnologia laser e também os novos anéis duplos em LED passam a incorporar um ‘X’ azul. Já os tínhamos visto isto nos mais recentes modelos X, e faz com que tornem o carro apelativo, conferindo-lhe um ar mais moderno.

As laterais exibem bastante modelação nas superfícies, com uma linha angular que nasce do arco da roda e sobe até à porta da frente. Temos ainda uma acentuada linha de ombro que adiciona músculo ao carro, à medida que atravessa os puxadores das portas traseiras e curva para cima, em direção às óticas traseiras. Essa curva, nada comum na BMW, é talvez sinal de um novo rumo para a linguagem visual da marca.

BMW X5

A traseira é sem dúvida uma nova direção, com uma nova configuração horizontal mais elegante. Os farolins divididos de outrora – antes, um traço distintivo da BMW – desaparecem, tendo agora um estilo mais harmonioso e envolvente. Os cantos apresentam LED em forma de ‘L’, permitindo identificar facilmente o X5 na estrada, à noite. A mala com abertura dupla e elétrica é interessante, tendo o seu interior capacidade para 650 a 1870 litros.

X5 xDrive30d, o mais popular?

O X5 está disponível, para já, com dois motores Diesel e dois a gasolina, sendo que no próximo ano será lançado um modelo híbrido plug-in. Mas eu experimentei aquele que deverá ser o mais relevante para Portugal – o BMW X5 xDrive30d.

RELACIONADO: A BMW diz que tem os melhores Diesel e não quer acabar com eles

É basicamente uma versão melhorada do último motor Diesel de 3.0 l do BMW X5. Este motor 3.0 Diesel e seis cilindros em linha debita agora 265 cv e uns saudáveis 620 Nm. Os 0 aos 100 km/h cumprem-se em 6,5s.

BMW X5

Temos aqui poder e binário suficientes, no entanto, o carro parece um pouco menos “despachado” que o anterior. O “turbo lag” foi reduzido e a entrega de potência é mais linear. É irónica a forma como o motor nos parece mais requintado, e ao mesmo tempo menos pujante.

Temos também a mesma caixa automática com oito velocidades, que se mantém rápida, suave e eficaz. Se baixares de velocidade manualmente a resposta é melhor, em particular se estiveres em modo Sport. O motor pode ser o mesmo, mas a nota de escape foi melhorada. Eu gostei do “ruído” do escape, mas outros no meu grupo de testes não gostaram – é uma questão de gosto individual, ou não! Eu gostei bastante do som, levando-me a puxar mais pelo carro.   

Ainda ágil, mas…

Mas isto foi algo que infelizmente raramente aconteceu, uma vez que o trajeto não era propício a esse tipo de condução. Conduzir pelos subúrbios de Atlanta e depois um pouco pela parte rural da Geórgia foi em larga medida aborrecido, algo a que certamente não ajudou o tráfego lento da zona.

BMW X5

Alguns percursos, através da floresta conseguiram ser divertidos, tal como algumas estradas sinuosas incluídas no trajeto. Mas essa diversão permitiu também, no meu entender, expor as fraquezas deste carro. O comportamento é bom, mas não tão bom quanto o do modelo anterior. Embora tenha uma ampla agilidade, deixa algo a desejar.

RELACIONADO: Derradeiro “sleeper”. O super Superb que aterroriza BMW M5

E depois há o ligeiro aumento de rolamento da carroçaria quando o carro está em modo Comfort. Eu conduzi uma unidade equipada com suspensão pneumática – de série com o pacote Off-road. É uma novidade que permite ajustar a distância ao solo e que simultaneamente oferece uma resposta em tempo real de acordo com a superfície ou tração necessárias, o que gera uma condução suave.

Um X5 capaz fora de estrada?

Esta funcionalidade é também útil quando levas o BMW X5 para fora de estrada. É aqui que os compromissos no desempenho dinâmico do carro começam a desaparecer.

BMW X5

Comparado com o modelo anterior, o novo BMW X5 é sem dúvida mais capaz quando o tiras do asfalto. O X5 oferece vários modos de todo o terreno – areia, rocha, gravilha, ou neve. Fomos com ele para uma reserva florestal, e como tinha chovido no dia anterior, o chão estava pegajoso como escorregadio e bastante enlameado! Eu selecionei o modo X-Rocks, que eleva o carro 40 mm acima dos 214 mm de distância ao solo regulares.

RELACIONADO: O “segredo” mais bem guardado do novo BMW Série 3

Este modo, juntamente com outras tecnologias a bordo, como o Hill Descent Control, diferencial autoboclante específico e direção ativa – e ainda a câmara frontal —, fez com que subir, descer, atravessar correntes de água e, de um modo geral, deslocarmo-nos pelo meio das árvores, fosse bastante fácil. 

Sim, o BMW X5 é mais capaz como todo-o-terreno, oferecendo boa tração, aderência, e até uma capacidade de passagem a vau decente.

Mas não comeces já a compará-lo com os 4×4 puros e duros! Principalmente se optares pelas novas rodas de 22″ – uma estreia na gama BMW X5.

Navegando pelo interior

O interior é do carro é completamente novo. Embora não dê a sensação de ter mais espaço, garantidamente não te vais sentir apertado.

BMW X5

Tem uma terceira fila de bancos opcional, e chegar a ela é agora mais fácil com a segunda fila a rebater-se eletricamente a permitir um acesso mais fácil à parte traseira. O tablier é elegante, moderno e com bastante estilo. Tem um ecrã de 12.3” na consola, e outro que forma o painel de instrumentos.

Imagens: BMW Série 3 “apimentado” com Pack M Performance

Devo dizer que este último tem ótima resolução e é totalmente novo – uma grande e bem conseguida mudança para a BMW ao nível dos quadrantes 100% digitais. O mesmo se pode dizer do novo interface do ecrã de infotainment

Recorrendo ao novo BMW iDrive 7.0, finalmente vemos um novo nível de funcionalidade tátil, com swipes mais rápidos e acessos mais fáceis — e com melhores gráficos também.

Existe também um novo acabamento em vidro aplicado ao manípulo da caixa, botão de controlo do volume, iDrive, e botão de arranque. Eu acho tudo um pouco “forçado”, mas reconheço que o mercado vai adorar.

“Doces”

Carregamento sem fios (opcional), múltiplas entradas USB, incluindo duas na traseira, porta-copos que podem ser aquecidos ou arrefecidos, são alguns dos muitos “doces” que podes ter. Bancos da frente aquecidos, ventilados e com massagem, e um sistema de som Diamond Surround Sound da Bowers & Wilkins, com 20 colunas e 1500 W ainda não estás impressionado?

Ok, o Série 7 empresta-lhe o pacote Air Ambient, luz ambiente, e ainda o teto de vidro panorâmico com a funcionalidade Sky Lounge, com gráficos LED incorporados no vidro – todos estão disponíveis no novo X5.

Futuro promissor

As largas horas que passei a conduzi-lo aqui na Geórgia dão-me confiança suficiente para dizer que a BMW fez o suficiente para preocupar os seus rivais. Agora imagino o que o X7 poderá adicionar à família BMW X, quando for lançado no próximo ano.

Mas 2019 promete trazer mais SUV “bimmer” – o X5 claro, o maior X7, o X4 e o X6. Muitos motivos para estarmos entusiasmados!

BMW X5

      

Primeiras impressões

8 / 10
O novo X5 é um SUV ágil, amplo e abundante. O carro é melhor em praticamente todos os sentidos, e promete estabelecer novos standards. Estou ansioso por passar mais tempo com o modelo a gasolina e também com a versão com três filas de bancos, antes de afirmar que o testei exaustivamente.

Preço

89.000

Data de comercialização: Novembro 2018


Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos