#savethehandbrake

Será o fim do travão de mão mecânico?

De acordo com um estudo da CarGurus no Reino Unido, o travão de mão mecânico parece ter os dias contados, substituído pelo travão de mão eletrónico.

Depois das caixas manuais, também o travão de mão mecânico tem a sua existência ameaçada, fazendo parte de cada vez menos modelos automóveis. É a conclusão apurada pela CarGurus, após ter analisado o mercado britânico e 32 marcas automóveis.

De acordo com o seu estudo, apenas 37% dos automóveis novos vendidos no Reino Unido trazem um travão de mão mecânico, com apenas a Suzuki e a Dacia a o terem de série em todos os seus modelos. Do outro lado do espectro, marcas como a Porsche, Audi, Mercedes-Benz, Jaguar, Land Rover e Lexus, já prescindiram totalmente do travão de mão mecânico, substituído pelo travão de mão elétrico.

Como refere Chris Knapman, editor da CarGurus no Reino Unido, o fim deve estar próximo:

É oficial, a morte do travão de mão mecânico está a chegar, com a mudança por parte dos construtores para travões de mão eletrónicos em número cada vez maior. Nos próximos anos, prevemos que o número de carros à venda com travão de mão mecânico decresça ainda mais, permanecendo apenas em alguns modelos de nicho. Claro que os benefícios (dos travões eletrónicos) não podem ser ignorados (…), (mas) muitos condutores novos poderão nunca experienciar uma das características automóveis mais familiares. A tentação de efetuar curvas extravagantes com travão de mão será, também, uma coisa do passado!

Mazda MX-5

Fazer um pião… Quem nunca?

Talvez estejamos a ficar nostálgicos (… ou velhos), mas o travão de mão mecânico sempre foi um componente essencial no ato de “aprender” a conduzir. Quem é que conseguia resistir à tentação, de vez em quando, de “puxar” o travão de mão para “sacar” um pião? Ou então personificar os deuses dos ralis, e tratar alguns pedaços de asfalto ou terra batida mais enrolados como se fosse uma super-especial?

É certo que “sacar” piões não é o melhor argumento de defesa para justificar a sua existência para o futuro, mas a marcha incessante de eletrificação e digitalização do automóvel acaba por roubar muitos dos encantos mecânicos e interatividade que nos fez apaixonar pelos automóveis.

Sejamos pragmáticos…

O travão de mão elétrico ou eletrónico é uma solução fundamentalmente superior ao travão de mão mecânico. O esforço físico de carregar num botão é imensuravelmente inferior ao de puxar ou empurrar a alavanca para travar ou destravar o carro.

Além disso, o desaparecimento da alavanca permite ganhar bastante espaço no interior do automóvel, e os travões de mão eletrónicos não necessitam de ser afinados. E ainda permite funções como o “Hill Holder”, capaz de reduzir o embaraço do condutor ou condutora no arranque em subidas.

Mas tal como o fim previsto para as caixas manuais, é impossível não largar uma lágrima para o também previsto fim do travão de mão mecânico… Fica mais uma hashtag para juntar à #savethemanuals: #savethehandbrake.

 

 

Sabes responder a esta?
Quantos lugares tem o Ferrari Monza SP2?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Todas as imagens dos Ferrari Monza SP1 e Monza SP2

Mais artigos em Notícias