Desde 14 900 euros

TESTADO. Tudo o que precisas saber sobre o novo Dacia Duster

Não é fácil apontar críticas ao novo Dacia Duster. Não porque seja imune a criticas, mas porque nenhuma delas faz sentido quando olhamos para o preço que a marca pede por ele. E barato ou não, a verdade é que é um bom produto.

Em Alentejo, Portugal

O trabalho desenvolvido pela Dacia nesta nova geração do SUV romeno é muito meritório. Já o tinha conduzido há quase um ano por terras gregas, e finalmente chegou a altura de testá-lo pelas estradas nacionais. Os motivos do atraso estão neste artigo.

O local escolhido pela marca para este primeiro contacto em Portugal foi o Alentejo. Uma escolha muito feliz — como vamos ter oportunidade de ver mais adiante — não só pelas estradas e paisagens, mas também pela gastronomia típica da região. Conduzir abre-me o apetite…

Fiz mais de 800 km, engordei 3 quilos e o resultado final está nas próximas linhas.

Dacia Duster 2018
Brevemente poderás encontrar um teste completo ao Dacia Duster também aqui.

Açorda de Alho romena

Para mim, os alentejanos são os McGyvers da cozinha. Com pouco mais do que água quente, pão duro, coentros e alhos os alentejanos conseguem fazer um verdadeiro pitéu. Um dos pitéus mais conhecidos é a «Açorda de Alho». Simples, económico e bom. Digo isto porquê? Porque considero o Dacia Duster o equivalente automóvel à Açorda de Alhos alentejana.

Lembrei-me desta analogia enquanto provava algumas iguarias da minha região.

Com componentes teoricamente menos nobres, oriundos da Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, a Dacia fez um SUV muito convincente. Não há tecnologias XPTO, não há plataformas de última geração. Não há nada disso. Há sim, componentes há muito testados, uma fórmula simples e um conceito já testado e aprovado.

Dacia Duster 2018
A traseira foi a secção que mais evoluiu em termos estéticos.

Mas permitam-me começar pela estética. Ainda que mantenha os ares da família da anterior geração, o novo Dacia Duster perdeu o aspeto «barato». Bem sei que os gostos são discutíveis, mas o Duster está indiscutivelmente melhor.

As novas jantes, o novo desenho da grelha dianteira (mais larga), as novas luzes traseiras e as já características cavas das rodas XXL fazem toda a diferença. O Duster mudou imenso, mantendo-se igual a si mesmo.

Devido à nossa legislação, a Dacia teve de baixar a suspensão dianteira para evitar a Classe 2.

Pequenas mudanças, grandes diferenças

A plataforma do novo Dacia Duster é a mesma da geração anterior, mas recebeu importantes melhorias. Essas melhorias passaram pelo incremento da rigidez estrutural, e pelo reforço dos materiais responsáveis pelo isolamento acústico.

Estas melhorias juntamente com a nova direção elétrica, foram suficientes para terem impactos muito positivos na experiência de condução do Duster. Pode parecer pouco, mas estas alterações fizeram mesmo toda a diferença.

Dacia Duster 2018
Mesmo na versão 4X2 o Duster não torce o nariz ao «fora de estrada».

Em termos de suspensões manteve-se tudo igual — excepção feita para o mercado português, que na versão 4×2 é ligeiramente mais baixa para conseguir a homologação Classe 1 nas portagens. Mas o Duster sempre foi bem comportado, característica que se mantém nesta nova geração.

E quando eu digo bem comportado é mesmo apenas isso: bem comportado. Porque se apertarmos um pouco mais o ritmo a carroçaria adorna, os pneus de alto perfil dobram e os movimentos da carroçaria começam a incomodar demasiado o sistema de controlo de estabilidade electrónico.

Preocupante? Nem por isso… o Duster não nasceu para atacar estradas de montanha nem track-days.

Não há milagres meus caros. A parte boa de tudo isto é que o novo Dacia Duster lida muito bem com as imperfeições do asfalto, oferecendo um conforto de rolamento superior à geração anterior. Viagens? Venham elas…

Em fórmula mexe-se… pouco

Quanto a motorizações, voltamos a encontrar «velhos conhecidos». Refiro-me ao motor 1.5 dCi de 110 cv (gasóleo) e 1.2 TCe de 125 (gasolina).

O motor 1.2 TCe tem músculo suficiente para a maioria das situações, apresentando consumos que se situaram durante o meu contacto em torno dos 7,2 litros/100 km numa toada calma. Subindo o ritmo contem com médias em torno dos 8 litros/100km.

Dacia Duster 2018
Versões 1.2 TCe e 1.5 DCi.

Fazer viagem em autoestrada acima do limite legal de velocidade — digamos que… na casa dos 140km/h — é relativamente fácil graças à disponibilidade deste motor a gasolina e ao escalonamento da caixa manual de seis velocidades. Ultrapassar também não exigem cálculos de distância/tempo muito complexos.

O motor 1.5 DCi mantém-se igual a si mesmo: poupado, disponível e agora mais silencioso. A revisão dos materiais que isolam o habitáculo resultaram na perfeição e parece que o motor 1.5 dCi está mais silencioso. Face ao seu homologo a gasolina, nota-se que este 1.5 DCi tem mais músculo e gasta menos.

Consegui médias abaixo dos 6 litros com o 1.5 DCi. Mas como privei durante mais tempo com o Duster 1.2 TCe, vão ter de aguardar por um novo teste para vos confirmar os consumos da versão Diesel.

Dacia Duster 2018

Em termos de preços, a diferença entre estes motores é de 3 000 euros. É um valor significativo, mas depois de ter experimentado ambos, continuo a achar que o 1.5 dCi 110 cv é melhor negócio. Não que haja alguma coisa de errado com o 1.2 TCe, mas o popular motor 1.5 dCi continua a ser uma excelente motorização.

A menos que façam poucos quilómetros por ano, o novo Dacia Duster 1.5 dCi é a melhor escolha.

Novo Dacia Duster por dentro

Lembras-te do Dacia Duster atual? Esquece. O novo Dacia Duster é melhor em tudo. A começar pelos dois elementos cujo nosso contacto é mais intenso.

É isso mesmo, adivinhaste: bancos e volante.

Dacia Duster 2018

Os bancos dianteiros foram totalmente revisto e oferecem agora mais conforto, maior apoio e regulações mais amplas. Quanto ao volante, também é totalmente novo, oferecendo uma boa pega e um conjunto de botões que permitem controlar o volume do rádio, computador de bordo e cruise-control.

Os materiais também melhoraram substancialmente, mas a montagem melhorou ainda mais.

Os plásticos duros continuam a marcar presença em todas as superfícies, mas a montagem melhorou e os barulhos parasitas não incomodam — o modelo que testei tinha pouco mais de 1 000 km, veremos como será no futuro.

Dacia Duster 2018
Os bancos dão 10-0 aos anteriores.

Independentemente da qualidade dos materiais e da ausência (temporária ou não) de barulhos parasitas, nota-se que a Dacia se esforçou para oferecer o melhor possível com todos os constrangimentos naturais de um produto cujo o preço é dos fatores mais importantes. Acho que é importante afirmar isto:

Em nenhum momento senti que estava ao volante de um modelo low-cost. Troquem a palavra low-cost por honesto. O novo Dacia Duster é um produto honesto.

Novo Dacia Duster mais equipado de sempre

Entrar num Dacia Duster e encontrar ar-condicionado automático, cruise-control, sistema de infotainment, avisador de ângulo morto, câmaras de estacionamento 360º e um computador de bordo com inúmeras informações seria algo impensável há pouco anos.

Dacia Duster 2018
O computador de bordo é de série em todas as versões.

É óbvio que o sistema de cruise-control não é adaptativo, que o avisador de ângulo morto não contempla um sistema de manutenção na faixa de rodagem, ou que o sistema de infotainment não permite o emparelhamento dos smartphones através dos programas Apple Carplay ou Android Auto.

É tudo muito simples, básico até. Mas funcional, definitivamente funcional.

Dou-vos o exemplo das câmaras de estacionamento 360º. Oferecem uma resolução de imagem muito fraca, mas cumprem a sua função com brio. Mas apesar de tudo, já há lugar para alguns luxos, como por exemplo o sistema de chave por cartão, herdado diretamente da Renault e que é de série nas versões topo-de-gama Prestige.

Faz swipe na galeria de imagens do interior:

Em estrada e fora dela

Fiz mais de 800 km pelo Alentejo, ao volante do novo Duster. Autoestrada, estrada nacional, fora de estrada, todo o terreno… enfim, os mais diversos cenários.

Novo dacia Duster teste
Sempre a rodar…

Em estrada como já disse, o Duster é mais confortável do que propriamente dinâmico. O comportamento é correto, mas não abusem dos ritmos. Devido à taragem das suspensões, sempre que subimos o ritmo, os movimentos da carroçaria intensificam-se.

Em autoestrada, é a nova direção assistida que brilha, oferecendo mais confiança ao condutor.

Saindo de estrada, agradecemos o carácter suave da suspensão. Mesmo na versão 4X2 o Dacia Duster passa por cima de QUASE toda a folha e absorve as irregularidades com facilidade, sem esgotar o curso suspensão.

Dacia Duster 2018
Cursos de água como este não exigem tração integral.

No que a SUV’s de tração dianteira diz respeito, este é dos que vai mais longe. Pena é que não dê para desligar o controlo de tração, algo providencial para superar as superfícies mais escorregadias.

A versão 4X4 é absurda

No paragrafo anterior escrevi que “o Dacia Duster passa por cima de QUASE toda a folha”. Pois bem, na versão 4X4 passa mesmo por cima de todas as folhas.

Para a apresentação nacional a Dacia fechou uma pedreira — à semelhança do que já tinha feito na apresentação internacional na Grécia  — mas ao contrário da pedreira grega, a pedreira portuguesa, situada perto de Vila Viçosa, oferecia um verdadeiro desafio para o Duster 4X4.

Dacia Duster 2018
Calhaus gigantes, uma subida íngreme e visibilidade reduzida colocaram à prova não só o Duster mas também os condutores.

Há pouco queixava-me da resolução das câmaras 360º  — que têm a resolução de uma “batata”  — mas acabei por agradecer o facto de lá estarem quando mal conseguia ver para onde devia apontar as rodas. E parecendo que não, é importante saber para onde vamos quando temos um precipício com 100 metros de altura do nosso lado esquerdo…

Vamos aos preços?

Os preços dos Dacia Duster iniciam-se nos 14 900 € para a versão Essencial. Mas essencialmente vais levar para casa pouco mais do que quatro rodas e um volante. A lista de equipamento é muito reduzida e nem sequer contempla o ar-condicionado manual.

Dacia Duster 2018

A versão Confort é bem mais equilibrada, já oferendo mínimos olímpicos. E por mínimos olímpicos entenda-se ar-condicionado, jantes de liga leve, cruise-control e detalhes exteriores em cromado. No topo da gama, temos a versão Prestige, onde já encontramos elementos como o ar-condicionado automático, sistema de infotainment, jantes de 17 polegadas, estofos em couro e sistema de ajuda ao estacionamento.

TCe 125 Essencial 14 900 €
Confort 16 650 €
Prestige 18 400 €
dCi110 Confort 19 650 €
Prestige 21 400 €

Faz swipe para veres a lista de equipamento das versões:

Versão 4×4 condenada?

Se quiseres optar pela versão 4×4 é importante que saibas duas coisas. A primeira é que vais ter de desembolsar mais 3 000 euros, e a segunda é que vais ter de pagar Classe 2 nas portagens.

dCi110 Confort 22 150 €
Prestige 23 900 €

Dito isto, vale a pena comprar a versão 4×4? Se precisas verdadeiramente de um veículo todo-o-terreno, não vais encontrar nenhum tão barato como este. Mas se não precisas, tens no Duster 4×2 mais aptidões fora de estrada do que vais precisar em 95% das ocasiões.

Mais artigos em Testes, Primeiro Contacto

Os mais vistos