Glórias do Passado

Lembras-te deste? Mercedes-Benz E 50 AMG (W210)

Hoje o espaço "lembras-te deste" dedica-se a um modelo alemão. Transitamos de toda emotividade italiana do Alfa Romeo 156 GTA, para a racionalidade alemã com o Mercedes-Benz E 50 AMG (W210).

O Mercedes-Benz E 50 AMG (W210) é o segundo filho legítimo*, nascido da relação entre a Mercedes-Benz e a AMG — o primeiro foi o Mercedes-Benz C 36 AMG. Como sabes, até 1990 a AMG era um preparador 100% independente da Mercedes-Benz. Só daquele ano em diante é que as relações entre estas duas marcas, começaram a estreitar-se de forma oficial.

Mercedes-Benz E 50 AMG
Traseira do Mercedes-Benz E 50 AMG.

Um caminho que culminou com a aquisição de todo o capital da AMG pela Daimler AG (proprietária da Mercedes-Benz), em 2005. Desde então nunca mais se separam…

Fora do casamento nasceram alguns modelos interessantes, como o Hammer e o Porco Vermelho — e outros, que a AMG certamente não gostará de recordar. Mas dentro do casamento um dos primeiros foi mesmo o Mercedes-Benz E 50 AMG (W210), lançado no mercado em 1997.

Mercedes-Benz E 50 AMG
Senhor da estrada.

Porquê recordá-lo?

Olhem para ele. O Mercedes-Benz E 50 AMG é o exemplo perfeito da transição da Mercedes-Benz, tradicional e clássica, da década de 80, para a Mercedes-Benz do Séc. XXI, mais moderna, tecnológica e dinâmica. Pela primeira vez no Classe E, começou-se a abandonar as formas quadradas em detrimento de formas mais arredondadas. Mantendo-se, ainda assim, todo o ADN Mercedes-Benz.

Estética à parte, há coisas que não mudam. Já naquela altura, os modelos nascidos sob o manto da AMG eram algo de especial — ainda hoje vigora na Mercedes-AMG o princípio «um homem, um motor», que é como quem diz: há um responsável por cada motor. Assiste a este vídeo:

Em termos de performances, os primeiros Mercedes-Benz com assinatura AMG, mais do que procurarem prestações avassaladoras em pista, estavam focados em oferecer uma experiência de condução confortável em estrada, e que ao mesmo tempo fizesse o condutor sentir-se «poderoso».

Essa sensação de poder decorria diretamente do motor 5.0 V8 atmosférico, capaz de desenvolver 347 cv de potência e 480 Nm de binário máximo logo às 3 750 rpm. Números mais que suficientes para atingir os 250 km/h de velocidade máxima (limitada eletrónicamente). Mais tarde, em 1999, surgiu a evolução deste modelo, o E 55 AMG.

Mercedes-Benz E 50 AMG
O motor do Mercedes-Benz E 55 AMG.

Na ficha técnica, os ganhos parecem tímidos — a potência subiu +8 cv e o binário máximo +50 Nm — mas em estrada a conversa era outra. Além destas alterações mecânicas, a AMG também operou melhorias na geometria da suspensão para garantir um comportamento dinâmico mais correto. Venderam-se mais de 12 000 unidades deste modelo, um valor muito expressivo.

Por dentro encontramos, quanto a mim, um dos interiores mais elegantes da indústria automóvel. Uma consola perfeitamente arrumada, de linhas direitas, coadjuvada por uma montagem irrepreensível e materiais da melhor qualidade. Apenas a conjugação de cores é que não foi muito feliz…

Interior do Mercedes-Benz E55 AMG.

Sem dúvida, um casamento feliz que tem dado excelentes frutos. E o melhor é que a história continua até aos dias de hoje. A família continua a crescer e nós já testámos um dos mais recentes «filhos» desta relação.

*Antes deste E 50 AMG, a Mercedes-Benz comercializou uma versão E 36 AMG, porém teve uma produção muito limitada. Tão limitada que decidimos não a considerar.

Há algum modelo que queiras recordar? Deixa-nos a tua sugestão na caixa de comentários.

Mais artigos do espaço “Lembras-te Deste?”:


Sobre o “Lembras-te deste?”. É a nova rubrica da Razão Automóvel dedicada a modelos e versões que de alguma forma se destacaram. Gostamos de recordar as máquinas que outrora nos fizeram sonhar. Embarca connosco nesta viagem no tempo, semanalmente aqui na Razão Automóvel.

Mais artigos em Clássicos

Os mais vistos