Super Camião

Tesla Semi. Super camião elétrico faz 5 segundos dos 0-96 km/h (60 mph)

Prometido, cumprido. O Tesla Semi, o camião da marca 100% elétrico, acabou de ser apresentado e revela números impressionantes.

Simplesmente denominado Semi — derivado do termo semi truck, referente ao conjunto articulado do trator e atrelado — o novo camião, ou melhor, super camião da Tesla traz com ele números verdadeiramente impressionantes e muito mais otimistas do que aqueles que os rumores tinham prometido.

Super Performance

Apenas 5,0 segundos dos 0 às 60 mph (96 km/h) são números que associamos a desportivos, não a camiões. Segundo a Tesla, é três vezes menos do que os atuais camiões a Diesel comparáveis.

Mais impressionante é conseguir efetuar a mesma medição em apenas 20 segundos quando totalmente carregado, ou seja, quando transporta pouco mais de 36 toneladas (80 mil libras). Em comparação, novamente com um camião Diesel, que demora cerca de um minuto.

E as reivindicações não param por aqui, já que a marca norte-americana afirma que o Semi é capaz de subir gradientes de 5%, carregado, a uma velocidade estabilizada de 105 km/h, muito acima dos 72 km/h para o camião Diesel.

Super aerodinâmico

O coeficiente de penetração aerodinâmica (Cx) do Tesla Semi impressiona: apenas 0,36. O que compara favoravelmente com os 0,65-0,70 dos camiões atuais, e até é inferior aos 0,38 de um Bugatti Chiron, por exemplo. Claro que, sendo um camião, perde na questão da área frontal — a outra dimensão necessária ao cálculo da performance aerodinâmica —, mas não deixa de ser surpreendente.

Uma baixa resistência aerodinâmica é fundamental para obter consumos inferiores, o que no caso do Tesla Semi, significa que poderá percorrer mais quilómetros. A marca norte-americana anuncia cerca de 800 km de autonomia, carregado e a velocidades de autoestrada, o que se traduz num consumo de 2 kWh por milha (1,6 km). Naturalmente, o Semi está equipado com diversos sistemas de recuperação de energia, podendo recuperar até 98% da energia cinética.

Tesla Semi

Segundo a Tesla, a autonomia é mais que suficiente para cobrir a maioria das necessidades de transporte. Perto de 80% das viagens na área dos transportes de mercadorias nos EUA são inferiores a 400 km.

Super carregamento

A grande questão sobre a viabilidade do Tesla Semi referia-se, claro está, aos tempos de carregamento. A Tesla tem a solução: depois dos superchargers, apresenta o megacharger, que em 30 minutos consegue fornecer energia suficiente às baterias para uma autonomia de 640 km.

Tesla Semi

Uma rede destes carregadores estrategicamente instalados em estações de camionagem, permitindo o recarregamento durante as pausas dos camionistas ou em situações de carregar/descarregar o que transportam, abre perspectivas ao transporte de mercadorias 100% elétrico de longo curso.

Super interior

Quando a Tesla refere que o interior é desenhado “à volta do condutor”, levou mesmo à letra, colocando o condutor numa posição central — à la McLaren F1 — ladeado por dois ecrãs gigantes. A posição central garante uma visibilidade excelente e o Tesla Semi vem equipado com uma série de sensores que eliminam os ângulos mortos. Como podemos observar, nada de retrovisores — será que conseguirá ser homologado assim?

Super segurança

As baterias, colocadas numa posição baixa e garantindo um centro de gravidade baixo, são reforçadas para melhor proteção em caso de embate. Sensores também detetam os níveis de estabilidade do atrelado, reagindo e atribuindo binário positivo ou negativo a cada roda, de forma independente, e atuando sobre os travões.

E sendo um Tesla, não poderia faltar o Autopilot. O Semi tem travagem autónoma de emergência, sistema de alerta de saída e manutenção na faixa de rodagem. O Autopilot permite também viajar em pelotão. Ou seja, um Semi pode liderar vários outros, que o seguirão de forma autónoma.

Super fiabilidade (?)

Teoricamente, sem motor, transmissão e sistemas de tratamento de gases de escape e diferenciais, a fiabilidade do Tesla Semi deverá ser muito superior à dos camiões Diesel comparáveis. E os custos de manutenção deverão ser expressivamente inferiores.

Mas todos os relatórios indicam que os seus automóveis estão longe de ser essa utopia. Conseguirá o Tesla Semi convencer?

Mesmo que os custos de manutenção/reparação possam não ser tão baixos como a marca apregoa, é indiscutível que os custos de combustível serão consideravelmente mais baixos. A eletricidade é definitivamente mais barata que o gasóleo. Segundo a Tesla, o operador pode esperar uma poupança de 200 mil dólares ou mais (pelo menos 170 mil euros) por cada um milhão de milhas percorridas (um milhão e 600 mil quilómetros).

A produção está prevista para 2019 e o Tesla Semi já pode ser pré-reservado por 5000 dólares (4240 euros).

Mais artigos em Notícias