Porque é que a vida útil do motor se mede em quilómetros e não horas?

Ao contrário de outros veículos, a vida útil do motor dos automóveis é medida através da distância percorrida. Porquê?

O conceito não é novo e estou certo que muitos de vocês já fizeram esta pergunta – provavelmente enquanto estavam presos numa fila de trânsito em hora de ponta… E se, em vez de se medir em quilómetros percorridos, a vida útil do motor se medisse em horas?

A pergunta não é, de todo, descabida. Mesmo numa faixa de rotações bastante baixa, um motor de combustão sofre sempre algum desgaste quando está a trabalhar em marcha lenta ou mesmo ao ralenti.

lisboa trânsito

Tanto é que no caso dos tratores, veículos que (regra geral) não percorrem grandes distâncias mas que trabalham durante muitas horas, a vida útil do motor é medida através de um horímetro, um medidor de horas de trabalho e não de quilómetros percorridos. No extremo oposto estão os aviões. Por viajarem sempre a uma velocidade constante, a métrica de desgaste dos motores são também as horas de funcionamento.

INSÓLITO: Proprietário de um Audi TT conduziu 133.000 km sem mudar o óleo

Algures no meio estão os automóveis. Se por um lado podemos fazer viagens longas a velocidades constantes, pode dar-se o caso do carro estar a trabalhar durante horas e ter percorrido somente uma dúzia de quilómetros, como em situações de para-arranca.

Como tal, não existe uma forma perfeita para medir o uso do motor nos automóveis. Assim sendo, adotou-se a distância percorrida como a métrica do desgaste do motor.

motor

Independentemente do tempo ou dos quilómetros percorridos, uma coisa é certa: a correta manutenção do motor contribui para aumentar a «esperança de vida» do teu carro. E neste sentido, há alguns comportamentos a evitar – sabe quais são aqui.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Autopédia

Os mais vistos

Pub