Hyundai i30 1.6 CRDi. Não faltam motivos para…

Não faltam motivos para gostar do novo Hyundai i30 1.6 CRDi. Posso escrever que é o melhor Hyundai de sempre? Seguramente que sim.

A esta altura do campeonato já não é surpresa para ninguém a qualidade apresentada pelos modelos da Hyundai. Só os mais distraídos é que poderão não ter dado conta que o Grupo Hyundai é atualmente o 4º maior construtor mundial de automóveis e que pretende, até 2020, ser o maior construtor asiático na Europa.

Nesta sua ofensiva ao mercado ao mercado europeu, a Hyundai seguiu à letra o velho ditado “se não os podes vencer, junta-te a eles”. A Hyundai sabe que para vencer no mercado europeu não basta fazer carros fiáveis e acessíveis. Os europeus querem algo mais, e por isso a marca coreana mudou-se de «armas e bagagens» para a Europa à procura desse “algo mais”.

Apesar de ostentar orgulhosamente o símbolo de um dos maiores aglomerados industriais da Ásia, a Hyundai nem pestanejou quando decidiu que todos os seus modelos para o mercado europeu seriam inteiramente desenvolvidos na Europa, mais concretamente na Alemanha.

A sede da Hyundai é em Russelsheim, o seu departamento de R&D (pesquisa e desenvolvimento) é em Frankfurt e o seu departamento de testes é no Nürburgring. Quanto à produção, a Hyundai tem atualmente três fábricas deste lado do hemisfério a produzir para o mercado europeu.

Na liderança dos seus departamentos encontramos alguns dos melhores quadros da indústria. No design e na liderança da marca está Peter Schreyer (o génio que desenhou a primeira geração do Audi TT) e no desenvolvimento da dinâmica Albert Biermann (ex-responsável da BMW M Performance), apenas para mencionar alguns.

A marca nunca foi tão europeia como agora. O Hyundai i30 que testámos é prova disso mesmo. Vamos dar uma volta nele?

Ao volante do novo Hyundai i30

Desculpem a introdução algo maçadora sobre a marca, mas há aspectos que são importante perceber para entender algumas das sensações deixadas pelo novo Hyundai i30. As qualidades apresentadas pelo Hyundai i30 nos mais de mais de 600 km que percorri ao volante desta versão 1.6 CRDi de 110cv com caixa de dupla embraiagem, são indissociáveis destas decisões da marca.

Terminei este teste com a sensação que tinha conduzido o melhor Hyundai de sempre – não por demérito dos restantes modelos da marca, mas por mérito próprio Hyundai i30. Nestes 600 km, as qualidades que mais se destacaram foram o conforto de rolamento e a dinâmica de condução.

“Há ainda uma infindável lista de equipamento disponível, reforçada pela campanha First Edition (é o caso deste modelo) que oferece 2.600 euros em equipamento”

O Hyundai i30 é dos modelos do seu segmento com melhor compromisso entre conforto e dinâmica. É suave em estradas com condições de asfalto precário e rigoroso quando o ritmo encadeado de uma estrada sinuosa assim o exige – rigoroso é mesmo o adjetivo mais apropriado para descrever o comportamento do i30.

A direção tem uma assistência correta e o binómio chassis/suspensões está muito bem conseguido – o facto de 53% do chassis recorrer a aço de elevada rigidez não será alheio a este resultado. Qualidades que são fruto um intenso programa de testes no Nürburgring e que têm a «mãozinha» de Albert Biermann, ex-responsável do departamento M Performance da BMW – do qual já vos falei há pouco.

E uma vez que já vos falei dos melhores aspetos do Hyundai i30, deixem referir desde já o aspeto menos positivo do modelo: os consumos. Este motor 1.6 CRDi apesar de bastante solícito (190 km/h de velocidade máxima e 11,2 segundos dos 0-100 km/h) apresenta uma fatura de combustível acima da média do seu segmento. Terminámos este ensaio com uma média de 6,4 l/100km, um valor elevado – ainda assim conseguido com muita estrada nacional à mistura.

Os consumos nunca foram – e continuam a não ser… – um dos pontos fortes das motorizações Diesel da Hyundai (já testei o i30 1.0 T-GDi a gasolina e consegui valores mais simpáticos). Nem a competente caixa DTC de dupla embraiagem e sete velocidades (um opcional que custa 2.000€) que equipa esta unidade ajudou. Tirando este aspeto, o motor 1.6 CRDi não compromete. É suave e despachado q.b.

Outra nota. Há três modos de condução à nossa disposição: Eco, Normal e Sport. Não usem o modo Eco. Os consumos não vão baixar drasticamente mas a agradabilidade de condução vai-se embora. O acelerador fica demasiado “insensível” e há um corte no fornecimento de combustível entre as passagens de caixa que causa um ligeiro solavanco. O ideal é mesmo o modo usar o modo Normal ou Sport.

Passando para o interior

“Sejam bem-vindos a bordo” podia ser a frase escolhida para aparecer no mostrador digital do i30. Há espaço mais que suficiente em todos os sentidos e o rigor da montagem dos materiais convence. Os bancos não são um exemplo de apoio mas são bastante confortáveis.

Atrás, apesar da existência de três lugares, a Hyundai deu primazia aos lugares laterais, em detrimento do lugar do meio.

Quanto ao espaço para as malas, os 395 litros de capacidade são mais que suficientes – 1.301 litros com os bancos rebatidos.

Depois, há ainda uma infindável lista de equipamento disponível, reforçada pela campanha First Edition (é o caso deste modelo) que oferece 2.600 euros em equipamento. Procurem, não falta nada:

Entre outros equipamentos presentes nesta versão destaco os faróis full Led, ar-condicionado automático, pacote completo de ajudas eletrónicas à condução (travagem de emergência, assistente de manutenção na faixa de rodagem, etc), sistema de som premium, infotainment com ecrã de 8 polegadas e integração para smartphones (CarPlay e Android Auto), jantes de 17 polegadas, vidros escurecidos atrás e grelha dianteira diferenciada.

Podes consultar aqui a lista de equipamento completa (vão precisar de tempo para ler tudo).

É ainda de destacar o sistema de carregamento de telemóveis sem fios, e a oferta de assinatura gratuita de atualizações de cartografia e informações de trânsito em tempo real durante 7 anos.

Condenado ao sucesso?

Certamente. O investimento e a estratégia da Hyundai no mercado europeu tem dado os seus frutos. O aumento constante das vendas – tanto na Europa como em Portugal – é o reflexo da qualidade dos modelos da marca e de uma política de preços adequada, sustentada noutro pilar muito importante para o consumidor: as garantias. A Hyundai oferece em toda a sua gama 5 anos de garantia sem limite de km’s; 5 anos de «check ups» gratuitos; e cinco anos de assistência em viagem.

Falando de preços, esta versão 1.6 CRDi com o pack de equipamento First Edition está disponível a partir de 26 967 euros. Um valor que coloca o Hyundai i30 em linha com os melhores do segmento, ganhando na dotação de equipamento.

A versão ensaiada está disponível por 28.000 euros (sem despesas de legalização e transporte), valor que já inclui os 2.600 euros de dotação de equipamento da campanha First Edition e os 2.000 euros da caixa automática.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Testes

Os mais vistos

Pub