Mill Blackbird: todos os automóveis do mundo num só

O Mill Blackbird pode ser definido com recurso a muitas analogias. Pode ser duplo, estrela de filmes publicitários ou até mesmo de Hollywood. Mas no fundo é uma tecnologia revolucionária que vem dar mais um empurrão à crescente desmaterialização que assistimos na produção dos filmes publicitários.

Uma enorme ilusão! É isso que hoje vemos na maioria dos filmes publicitários. E que não é mais do que uma realidade assistida por doses massivas de tecnologia CGI (Computer Generated Imagery ou imagens geradas por computador), algo com que qualquer fã da saga Velocidade Furiosa deverá estar mais do que familiarizado…

Apesar da crescente ilusão, até agora continuava a ser imprescindível a presença de modelos físicos para a realização de algumas cenas. Algo que por vezes revela-se um pesadelo logístico, seja pela indisponibilidade do modelo ou pelo local das filmagens. O problema agudiza-se quando é mesmo impossível colocar determinado modelo numa determinada cena de ação – por exemplo fazer uma perseguição a alta velocidade com um desportivo no valor de milhões de euros.

Nessas situações, o que as produtoras faziam até agora era reproduzir os automóveis com recurso a CGI. Problema? Apesar de graficamente serem réplicas virtuais muito convincentes, os computadores ainda não conseguem recriar de forma fidedigna a dinâmica do movimento de um automóvel. Resultado? Nós percebemos que aquilo que estamos a ver é… treta!

Graças ao Mill Blackbird, uma plataforma rolante de alta tecnologia, estes problemas são coisas do passado, prescindindo na totalidade do modelo físico para efectuar o anúncio a esse mesmo modelo. Como? Uma harmoniosa fusão de realidade física e ainda mais CGI.

O Mill Blackbird é extremamente flexível, para imitar ao máximo o modelo real. A distância entre eixos e largura podem ser facilmente alterados. Também é compatível com diversas furações de rodas, e a suspensão pode ajustar-se tanto na distância ao solo como no amortecimento. Necessita apenas de um lugar para o piloto e é elétrico, mas pode ser programado para simular as mesmas curvas de aceleração e relações de caixa de qualquer modelo, para a sua performance no ecrã não se distinguir do modelo real.

Como plataforma ao serviço das imagens em movimento, o Mill Blackbird vem equipado com uma série de câmaras e um sistema de estabilização específico. A complementar as câmaras, vem equipado com scanners laser 3D que geram uma versão virtual do ambiente onde se desloca, produzindo cenários gerados por computador extremamente realistas. O Blackbird acrescenta ao seu arsenal uma aplicação de realidade aumentada que permite ver em tempo real o veículo pretendido sobreposto, facilitando a visualização durante as filmagens.

Desenvolvido durante dois anos pela Mill, um estúdio de efeitos especiais digitais, em colaboração com a JemFX, Performance Filmworks e a Keslow, é descrita pelos seus criadores como a ferramenta certa para resolver problemas reais que afectam a indústria publicitária.

E o nome Blackbird? O hangar onde o Mill Blackbird ganhou forma foi outrora o local de produção do lendário SR-71 Blackbird, ainda hoje o avião mais rápido de sempre. A sua velocidade e forma permitia cumprir as suas missões de reconhecimento quase indetectável. Indetectável é também o objectivo do Mill Blackbird na emulação de qualquer automóvel, ficando o devido reconhecimento ao Blackbird original.

Segue a Razão Automóvel no Instagram e no Twitter

Mais artigos em Notícias