Desportivos

10 desportivos de que já ninguém se recorda

Reunimos factos e curiosidades sobre 10 desportivos do passado, que por um motivo ou por outro acabaram por cair no esquecimento.

Por mais elevados que sejam os padrões de performance, segurança e tecnologia dos desportivos modernos, não há dúvida que os modelos mais antigos têm um apelo natural por vezes difícil de explicar. Em alguns casos, a ficha técnica mais modesta é compensada com um design arrojado, noutros é a dinâmica ímpar, e noutros… é simplesmente difícil de explicar. Nesta mescla de sentimentos, uns serão para sempre recordados e outros simplesmente caíram no esquecimento.

É sobre estes últimos que hoje vamos falar.

Quando pensamos em «pocket-rockets», normalmente associamos o conceito a modelos oriundos da Europa e da Ásia, mais propriamente do Japão. Mas a verdade é que houve na década de 80 alguns compactos americanos que não deixavam os seus créditos por mãos alheias. Queres exemplos? Chevrolet Turbo Sprint, Ford Laser Turbo 4×4 e Dodge Shelby Charger Omni GLH (vê na galeria).

VÊ TAMBÉM: Lamborghini Countach Turbo: o pecador de Sant’Agata Bolognese

Em abono da verdade os dois primeiros são versões americanas de modelos nipónicos. Mas o Dodge Shelby Charger Omni GLH era um verdadeiro “americano” com motor 2.2 l de 150 cv e assinatura do incontornável Carroll Shelby.

Voltando ao Japão, uma das versões de homologação mais espetaculares do final dos anos 80 era o Nissan Micra Super Turbo (em baixo). Com um motor de três cilindros de apenas 930 cm3, este modelo debitava uns expressivos 110 cv de potência graças à associação de um compressor volumétrico e de um turbo. Em 1988 este modelo demorava somente 7,9s dos 0 aos 100 km/h. O suficiente para deixar alguns modelos atuais em «maus lençóis».

Nissan Micra Super Turbo

Sem surpresa, alguns dos modelos mais rápidos da época vinham de Itália. Fiat Strada Ritmo TC130, Lancia Y10 Turbo (na imagem abaixo) e até mesmo o Fiat Uno Turbo i.e (longe de estar esquecido…) são apenas alguns exemplos. Boa parte deles não resistiu ao passar do tempo, mas os que sobreviveram continuam a valorizar.

Apesar do seu aspecto pacato, o Lancia Y10 Turbo conseguia cumprir os 0-100 km/h em 9,5s e atingia os 180 km/h de velocidade máxima. Nada mau para o que era apenas um citadino…

RELACIONADO: Lembras-te deste? Daihatsu Charade GTti, o mil mais temido
Lancia Y10 Turbo

No final da década de 80 havia em Inglaterra um desportivo que se destacava da concorrência pelas suas performances alucinantes — apesar do aspecto pacato (talvez demasiado). Falamos do MG Maestro Turbo, uma versão “com todos os molhos” do Austin Maestro produzida pelo Grupo Rover entre 1989 e 1991. As acelerações dos 0 aos 100 km/h cumpriam-se em apenas 6,9s e a velocidade máxima era de 206 km/h. Um verdadeiro lobo em pele de cordeiro!

MG Maestro Turbo
VÊ TAMBÉM: Qual é o melhor Mazda MX-5? Testámos todas as gerações

Não há dúvida que os desportivos nipónicos foram bastante populares nos anos 80, mas houve alguns que passaram despercebidos à maioria dos petrolheads. Os casos mais flagrantes foram os Mazda 323 GT-X e GT-R (na imagem em baixo). O sistema de tracção integral e o motor turbo colocavam-nos a par da concorrência.

Mazda 323 GT-R

Na época, a Nissan também lançou um desportivo compacto similar mas mais conhecido entre nós: o Sunny GTi-R. Uma espécie «mini GT-R» com motor 2.0 l e sistema de tração integral. Há algumas unidades a circular em Portugal.

Nissan Pulsar GTI-R

Produzido em meados dos anos 70, o Chevrolet Cosworth Vega não foi propriamente um caso de sucesso, mas destaca-se por ter aberto o caminho para uma parceria inédita entre a Chevrolet e a Cosworth, num trabalho conjunto para desenvolver o motor DOHC de dois litros. Um autêntico american-muscle com… sangue britânico.

RELACIONADO: Lembras-te deste? Ford Escort RS Cosworth. Dos ralis para a estrada
Chevrolet Cosworth Vega

O final dos anos 70 viu nascer alguns dos mais bravos desportivos compactos de sempre. O Vauxhall Chevette HS com motor de 2.3 l e 16 válvulas, cujo modelo de competição fez sucesso nos ralis, e o Talbot Sunbeam, modelo que recorria a um motor Lotus de 2.2 litros. Ambos de tração traseira.

Chega ao fim a nossa viagem por 10 desportivos ou «hot hatch» esquecidos nos meandros da história automóvel. Se a vontade de ter um modelo pouco conhecido na garagem falar mais alto, alguns deles continuam por aí à espera de serem encontrados num site de classificados. Boa sorte!

Mais artigos em Clássicos

Os mais vistos