CEO da Fiat quer «união» para combater a hegemonia do Grupo Volkwagen

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

CEO da Fiat quer «união» para combater a hegemonia do Grupo Volkwagen

À excepção da marca alemã Volkswagen, quase todas as marcas generalistas europeias somam prejuízos há mais de 8 meses.

Sergio Marchionne, o polémico CEO do Grupo Fiat, não cruza os braços perante os resultados negativos da sua companhia, que apenas tem registado lucros com na subsidiária Chrysler. Depois de esta semana ter anunciado o fim da marca Lancia, Marchionne voltou «à carga» ao defender novamente a união das marcas generalistas europeias para combater a crescente hegemonia do grupo Volkswagen no velho continente. Mas o CEO da Fiat vai ainda mais longe, e acusa a Volkswagen ser «levada ao colo» pelo Estado Alemão.

Apesar de ter ficado de fora na recém-formada aliança GM e PSA – Peugeot Citroen, Marchionne não guarda ressentimentos. Porque apesar de tudo, o CEO da Fiat sabe muito bem que a sobrevivência dos vários construtores europeus só é possível através da partilha de componentes, tecnologia e custos de desenvolvimento. Um modelo muito bem executado pela… Volkswagen!

Para além do Grupo PSA e GM, também os suecos da Volvo e os franceses da Renault estão no leque de potenciais parceiros.

Texto: Guilherme Ferreira da Costa