Audi «ataca» Dakar 2023 com combustíveis sustentáveis

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Rali Dakar 2023

Audi «ataca» Dakar 2023 com combustíveis sustentáveis

A Audi vai usar combustíveis sustentáveis, ou renováveis, e reduzir mais de 60% as emissões de CO2 na edição de 2023 do Rali Dakar.

Depois de ter provado que eletrificação automóvel combina com Rali Dakar, a Audi quer agora participar pela primeira vez no rali mais duro do mundo com combustíveis sustentáveis.

Os três RS Q e-tron E2 da Audi que estarão no início da próxima edição do Rali Dakar — 31 de dezembro de 2021 a 15 de janeiro de 2023 —, vão utilizar pela primeira vez um combustível renovável que promete, segundo a Audi, poupar mais de 60% nas emissões de dióxido de carbono (CO2) durante o Dakar 2023.

Para que seja possível alcançar esse número o combustível a usar pela Audi vai utilizar produtos à base de resíduos que não competem com produtos alimentares.

A NÃO PERDER: Audi S1 Hoonitron. Os números do «super elétrico» de Ken Block

 

Como funciona?

Na base deste combustível revolucionário está um processo que converte biomassa em etanol, num primeiro passo, com os engenheiros a utilizarem partes de plantas biogénicas como produto inicial.

Seguem-se várias etapas de transformação, sendo que o combustível que chega ao tanque do RS Q e-tron é formado por 80% de componentes sustentáveis, onde se inclui etanol-to-gasoline (ETG) e e-metanol.

“Com esta mistura de combustível, o Audi RS Q e-tron poupa mais de 60% em emissões de dióxido de carbono”, explica Fabian Titus, do desenvolvimento de aplicação e termodinâmicas da Audi.

Audi refuel Rali Dakar 2023

De acordo com a marca de Ingolstadt, com este combustível, o motor de combustão consegue atingir uma eficiência superior à da gasolina de origem fóssil.

LEIAM TAMBÉM: A Audi tem um novo símbolo mas continua a ter quatro anéis

Porém, “o teor de oxigénio no reFuel reduz a densidade energética do combustível, razão pela qual o valor calorífico volumétrico baixa. O RS Q e-tron requer, portanto, um maior volume de depósito”, como explica a marca dos quatro anéis em comunicado.

Audi RS Q e-tron E2

Um gerador e três motores elétricos

A animar o RS Q e-tron E2 com que a Audi vai participar no Rali Dakar 2023 está um motor de combustão interna — um 2.0 TSI herdado do Audi RS 5 que competia no DTM — que serve apenas de gerador e três motores elétricos.

Desses três motores elétricos, um assume as funções de gerador e dois de tração (um por eixo). Destaque ainda para a bateria de alta tensão que tem 52 kWh de capacidade útil.

A NÃO PERDER: Combustíveis sintéticos. Quanto poderá custar um litro de gasolina ou gasóleo sintético?

Contas feitas o RS Q e-tron E2 produz 288 kW, o equivalente a 391 cv, e é capaz de acelerar dos 0 aos 100 km/h em apenas 4,5s, em terra. A velocidade máxima está fixada nos 170 km/h.

Audi RS Q e-tron E2

De olhos postos no futuro

O objetivo da Audi para o futuro é “participar nas corridas mais exigentes do mundo com combustível 100 por cento renovável”.

Mas para já a marca alemã está de olhos postos na edição de 2023 do rali mais duro do mundo, na Arábia Saudita, onde chega com a ambição de vencer.

Sabe responder a esta?
Qual era a marca dos camiões usados pela equipa de Jan De Rooy no Dakar de 1985?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

DAF Turbo Twin: o «supercamião» que queria vencer o Dakar à geral

Mais artigos em Notícias