Audi R8 GT RWD. A despedida que este motor V10 merecia

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Apresentação

Audi R8 GT RWD. A despedida que este motor V10 merecia

O novo Audi R8 Coupé GT RWD é uma espécie de "canto do cisne" do superdesportivo alemão e do seu icónico V10 naturalmente aspirado. Só vão ser feitos 333 exemplares.

O fim do Audi R8 está cada vez mais próximo, pelo menos nos moldes atuais, mas antes disso acontecer a marca dos quatro anéis quis dar-lhe uma despedida épica, sob a forma do novo Audi R8 Coupé GT RWD.

Tal como todos os superdesportivos, o Audi R8 caminha para uma era total ou parcialmente eletrificada, onde não haverá lugar para imponentes motorizações V10 e V8. Mas antes desse adeus, a Audi quis dar-nos mais uma oportunidade para ouvirmos o seu icónico V10 de 5,2 litros naturalmente aspirado em todo o seu esplendor.

Mas apesar do “sabor” a despedida, o novo Audi R8 Coupé GT RWD assinala mais uma importante etapa dentro da “casa” de Ingolstadt, afirmando-se como a versão mais explosiva do superdesportivo alemão, que passa a ser o Audi de tração traseira mais potente de sempre.

A NÃO PERDER: Futuros Audi RS não terão quatro cilindros mas serão híbridos
Audi R8 GT perfil

Sinfonia alemã

E é precisamente para o motor que vamos olhar em primeiro lugar, porque para este R8 Coupé GT RWD os engenheiros da Audi conseguiram “puxar” o V10 para os 620 cv, mais 50 cv do que temos no RWD dito “normal”.

A esta “receita” juntaram-se ainda mais 15 Nm, para um binário máximo de 565 Nm (disponíveis entre as 6400 e as 7000 rpm, com o “corte” a surgir às 8700 rpm), e uma rigorosa dieta que permitiu um ganho de 20 kg face ao Audi R8 V10 Performance RWD, que nós já tivemos ocasião de experimentar.

Audi R8 GT V10 motor

Tudo isto permite ao novo R8 Coupé GT RWD reclamar um tempo de 3,4s (menos 0,3s do que o V10 Performance RWD) nos 0 aos 100 km/h, 10,1s nos 0 aos 200 km/h e uma velocidade máxima de 320 km/h.

Quanto à transmissão do binário às duas rodas traseiras, continua a estar a cargo de uma caixa automática de dupla embraiagem S tronic de sete velocidades, mas que aqui ganhou relações mais curtas e uma calibração específica. Tudo para que as passagens de caixa sejam ainda mais rápidas.

Audi R8 GT consola central

Modo Drift para derrapagens espetaculares?

Mas a maior novidade desta versão é o modo de condução Torque Rear Drive, que atua diretamente sobre o controlo de tração e o controlo de estabilidade e permite que este R8 ofereça uma espécie de “Drift Mode”, para longas e controladas “saídas de traseira”.

Audi R8 GT interior

Este modo, que pode ser ativado a partir de um botão no volante, pode ser explorado em sete níveis distintos, a começar num mais “calmo” e a acabar num radical, sempre com o objetivo de “arrancar” vistosos drifts.

LEIAM TAMBÉM: Tuk-tuk da Audi? A nova «vida» das baterias do e-tron

De acordo com a Audi, este sistema usa sensores de velocidade nas rodas, a posição do pedal do acelerador, a relação selecionada e o ângulo da direção para avaliar a quantidade de binário que é necessário enviar ao eixo posterior para que sejamos capazes de conduzir de forma mais vistosa.

Suspensão dianteira revista

Mas as modificações no capítulo mecânico não se esgotam aqui. A suspensão dianteira foi toda revista, para melhorar o comportamento dinâmico, a barra anti-rolamento é agora mais firme e feita de plástico reforçado com fibra de carbono, e os travões carbocermânicos são disponibilizados de série.

Traje (quase) de competição

Para acompanhar a evolução mecânica a que este R8 foi sujeito a Audi resolveu dar-lhe uma imagem a condizer, marcada por um visual mais agressivo e por elementos aerodinâmicos mais vincados, sempre em fibra de carbono.

A NÃO PERDER: Não parece, mas é mesmo um Audi R8 com um V10 twin turbo de 1500 cv

E são vários, a começar nos difusores (dianteiro e traseiro), nas pequenas asas laterais nas extremidades do para-choques frontal, nas saias laterais e acabando na imponente asa traseira, que contam com suportes numa posição apelidada de “pescoço de cisne“.

Audi R8 GT asa traseira

Homenagem ao R8 GT original

No interior as diferenças não são tão significativas, mas existem, a começar logo nas baquets desportivas (de série) com costuras em vermelho, a mesma cor que encontramos nos cintos de segurança e em todas as incrições, inclusive nas soleiras das portas, onde se pode ler “R8 GT”.

LEIAM TAMBÉM: Audi Q7 V12 TDI a fundo na autobahn. A que velocidade chegou?

Esta configuração de cores (vermelho e preto no interior e cinza Matte Suzuka Grey no exterior) não é obra do acaso, ainda que este existam outras duas cores exteriores disponíveis.

É que de acordo com a marca dos quatro anéis replica o esquema de cores do R8 GT original, lançado há 12 anos, e que tal como esta segunda geração, estava limitada a apenas 333 unidades.

Quanto custa?

As entregas arrancam em 2023 (a Audi não especifica o semestre), com os preços a arrancarem nos 225 000 euros na Alemanha. Naturalmente, e por culpa da “nossa” fiscalidade, quem quiser comprá-lo em Portugal terá que estar disposto a pagar bastante mais por ele.

Sabe responder a esta?
Qual era a marca dos camiões usados pela equipa de Jan De Rooy no Dakar de 1985?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

DAF Turbo Twin: o «supercamião» que queria vencer o Dakar à geral

Mais artigos em Notícias