Yamaha não desiste do motor de combustão e mostra V8 a hidrogénio

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Motores

Yamaha não desiste do motor de combustão e mostra V8 a hidrogénio

A Yamaha está empenhada em salvar o motor de combustão interna e acaba de lançar o primeiro V8 do mundo que funciona a hidrogénio.

A Yamaha não é estranha ao desenvolvimento de motores de combustão interna para o mundo automóvel. E agora quer voltar a deixar marca, criando o primeiro motor V8 alimentado a hidrogénio.

A base para este projeto foi o motor de oito cilindros em “V” naturalmente aspirado de 5,0 l de capacidade da Toyota/Lexus (2UR-GSE), no qual a Yamaha também participou no desenvolvimento, servindo em modelos como o LC 500 e o RC-F.

Aliás, a parceria entre a Yamaha e a Toyota/Lexus não é nova e costuma ser sinónimo de criações marcantes. Basta relembrar o Lexus LFA, que tem um dos V10 com melhor sonoridade de que há memória.

A NÃO PERDER: Motores Diesel que queimam hidrogénio como combustível? Sim, é possível
Yamanha v8 hidrogénio motor

Agora, a Yamaha propõe demonstrar o potencial que o hidrogénio pode ter nos motores de combustão de alto rendimento, tendo apresentado este V8 naturalmente aspirado que usa hidrogénio como combustível. A estreia decorreu no Super Taikyu, em Okayama (Japão), que é precisamente um evento que reúne vários projetos de propulsão alternativa.

Curiosamente, apesar de só ter sido revelado no final do ano passado, este V8 foi desenvolvido em 2018 e, do pouco que conseguimos perceber no vídeo, teria como destino a participação nas 24 Horas de Nürburgring.

Para o 2UR-GSE passar a funcionar a hidrogénio, a Yamaha teve de modificar o sistema de admissão e o sistema de escape.

A capacidade do motor continua a ser a mesma, bem como a relação de compressão de 12,3:1. Mas como é possível ver, os escapes surgem agora dentro do “V” do motor, com uma configuração de saída de 8 para 1, o que deve originar um som de «outro mundo».

A intrigante configuração dos escapes tem uma razão de ser: este motor deveria ter sido instalado num veículo com motor em posição central traseira — um tipo de veículo que não existe nem na Toyota nem na Lexus. Afinal, o que andavam a desenvolver nos bastidores?

Previsivelmente, recebeu um mapa de gestão do motor específico, com o V8 a hidrogénio a oferecer 455 cv (335 kW) de potência às 6800 rpm e 540 Nm de binário máximo às 3600 rpm.

Por comparação com a versão a gasolina deste motor, esta adaptação para hidrogénio perdeu 22 cv, onde debita 477 cv, mas ganhou 10 Nm que são atingidos mais cedo — a gasolina atinge os 530 Nm às 4800 rpm.

Missão «salvar» o motor de combustão

A Yamaha e a Toyota/Lexus não são as únicas marcas japonesas a tentar salvar o motor de combustão através da substituição da gasolina por hidrogénio como combustível.

A NÃO PERDER: Toyota GR Yaris H2 revelado com motor a hidrogénio. Verá a «luz do dia»?

Também a Subaru, a Mazda e a Kawasaki embarcaram nesta missão, investindo no desenvolvimento de alternativas para salvar o «velho» motor de combustão.

Recorde-se que a Toyota, Subaru, Mazda, Kawasaki e a Yamaha anunciaram recentemente uma joint venture para acelerar o desenvolvimento, produção e disseminação do hidrogénio como alternativa neutra em carbono para os motores de combustão.

Fonte: Diariomotor

Sabe responder a esta?
Qual a potência do Abarth 595C Monster Energy Yamaha?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Testámos e fomos “picados” pelo Abarth 595C Monster Energy Yamaha

Mais artigos em Notícias