Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Desde 49 793 euros

Testámos o Audi Q3 híbrido plug-in na versão base. É preciso mais?

O Audi Q3 45 TFSIe é a forma mais acessível de se ter um Q3 híbrido plug-in, mas terá argumentos além do preço mais baixo?

As versões base, mesmo nas marcas premium são, por norma, algo esquecidas. Destinadas, na sua maioria, às frotas, estas abdicam de algum do glamour das variantes mais caras por um preço mais em conta, e esse é precisamente o caso do Audi Q3 45 TFSIe, o híbrido plug-in da gama, que testei.

Praticamente sem qualquer «decoração», com aplicações em plástico preto e rodas de dimensão mais modesta, dificilmente esta versão fará virar cabeças à sua passagem como poderia acontecer com a mais desportiva S line, mas acabei por apreciar a sua maior discrição e simplicidade.

Contudo, será que tem argumentos para se fazer valer por ela própria, para lá de um preço mais acessível? Fiquem a saber nas próximas linhas.

A NÃO PERDER: Peugeot 3008 GT HYBRID4 testado. O mais potente de sempre
Audi Q3 PHEV © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
As emissões de carbono deste teste serão compensadas pela BP
Saiba como pode compensar as emissões de carbono do seu automóvel Diesel, gasolina ou GPL.

Acima de tudo, é um Audi

Este Q3 45 TFSIe até pode corresponder a uma versão base, contudo, a qualidade tipicamente reconhecida aos modelos da casa de Ingolstadt está bem presente.

Os materiais são agradáveis ao toque e à vista, e a robustez da montagem (evidenciada particularmente quando circulamos em modo elétrico nas esburacadas ruas de Lisboa) promete longos quilómetros sem termos de ouvir «queixumes» dos plásticos.

Também típica da Audi é a arrumação da consola central, que alberga o ecrã do completo e intuitivo sistema de infoentretenimento a surgir por cima dos comandos de ventilação, que «resistiram» à tendência de digitalização que se arrasta pela indústria.

Como é óbvio, também no interior deste Q3 há sinais de que se trata da versão de entrada de gama. O maior deles todos são os bancos de aspeto simples, mas surpreendentemente confortáveis e competentes na hora de suster os movimentos do corpo nas curvas mais apertadas.

No campo da habitabilidade, o Q3 situa-se na média do segmento, mas ao contar com práticos bancos ajustáveis longitudinalmente, permite-nos jogar, consoante as necessidades, entre favorecer o espaço para as pernas ou para as bagagens.

LEIAM TAMBÉM: Testámos o CUPRA Formentor VZ 310 cv. A versão que mais convence?

Por falar em bagagens, com a adição das baterias desta versão híbrida plug-in, a capacidade da bagageira decresceu dos 530 litros das versões apenas a combustão para uns mais modestos 380 litros, um valor baixo que apenas não é mais prejudicial graças aos bancos traseiros ajustáveis.

Na mecânica não há concessões

Obviamente que no capítulo da mecânica este Q3 45 TFSIe apresenta a mesma motorização híbrida plug-in que equipa a mais equipada e vistosa S Line.

Assim sendo, debaixo do pé direito temos 245 cv de potência máxima combinada e 400 Nm de binário que são exclusivamente enviados às rodas dianteiras.

Audi Q3 PHEV
No total temos quatro modos de condução. No “Dynamic” a capacidade da bateria e a eficiência geral são sacrificados em detrimento de um melhor rendimento. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

E o que rapidamente descobrimos é que os 400 Nm, com uma parte substancial do total a ser entregue de forma imediata pelo motor elétrico, colocam desafios aos pneus que podem levar a algumas perdas de motricidade que são, no entanto, rapidamente corrigidas pela sempre eficaz eletrónica.

E isto apesar de a unidade que testei vir equipada com as opcionais jantes de 18″ que são envolvidas por pneus mais largos (e de perfil mais baixo) 235/55, contra os mais estreitos e altos 215/65 R17 de série.

Audi Q3 45 TFSIe © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Não esperem que seja o mais dinâmico dos Q3, mas dito isto, o comportamento do SUV híbrido plug-in é sempre seguro e previsível, mas os limites chegam sempre mais cedo do que o esperado.

Descubra o seu próximo carro:

A direção revela ser precisa e direta e a suspensão faz um bom trabalho a lidar com a massa extra das baterias. Aliás, a suspensão merece particular elogio, uma vez que conjuga de forma competente conforto e comportamento.

Audi Q3 PHEV
O volante tem uma boa pega e, ao contrário do que acontece com alguns rivais, uma grossura adequada. © Thomas V. Esveld / Razão Automóvel

Quanto às prestações, escusado será dizer que com 245 cv essas encontram-se em muito bom plano, com a caixa automática S tronic de seis velocidades a revelar-se uma boa aliada do conjunto híbrido plug-in, mostrando-se célere nas mudanças de relação.

O sistema híbrido plug-in também é agradável de usar, fazendo a transição entre o motor elétrico e o de combustão de forma quase impercetível e apresentando uma interessante gestão das baterias. Também interessante é o facto de a Audi nos permitir escolher recarregar a bateria com recurso ao motor de combustão, algo que alguns concorrentes não permitem.

Por fim, os consumos também merecem elogios. Ao longo do teste e com bateria vazia andaram pelos 6,5 l/100 km, isto numa condução sem grandes preocupações.

LEIAM TAMBÉM: Hyundai Tucson PHEV. Depois do híbrido «normal» testámos o de «ligar à tomada»

Já a autonomia em modo elétrico não anda longe dos 51 km anunciados, tendo conseguido percorrer perto de 45 km sem recorrer ao motor de combustão e num circuito que misturou o trânsito urbano e as vias rápidas suburbanas.

O «preço» da simplicidade

Como é óbvio, sendo uma versão de entrada tem de fazer algumas concessões e essas fazem-se sentir, precisamente, na oferta de equipamento de série, que nas marcas premium já costuma ser algo parco por natureza.

Sistema de navegação? Não temos. A regulação dos bancos é feita manualmente e nem o cruise control estava presente nesta unidade. Quanto aos «obrigatórios» sensores de estacionamento e câmara traseira, são equipamentos opcionais.

LEIAM TAMBÉM: Volkswagen Tiguan eHybrid. O que ganhou o “best-seller” da Volkswagen com a eletrificação?

É o carro certo para si?

Esta versão de entrada do Audi Q3 híbrido plug-in apresenta lacunas na oferta de equipamento, mas no entanto, as qualidades que são intrínsecas ao modelo alemão estão todas lá.

Confortável e «dono» de uma robustez assinalável, o modelo da Audi é sempre uma opção a ter em conta, principalmente quando equipado com o eficaz sistema híbrido plug-in que o equipa.

Contudo, se esquecermos de que se trata de um modelo de uma marca premium, a verdade é que há muito por onde escolher no mercado, com propostas de números similares em performance e autonomia, mas mais dotados de equipamento e com um preço mais em conta.

Preço

unidade ensaiada

53.293

Versão base: €49.793

IUC: €137

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1395 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Motor de combustão: Injeção direta + Turbo + Intercooler; Motores elétricos: bateria de iões de lítio com 12,8 kWh (10,8 kWh úteis)
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válv/cil.
    • Potência: Motor combustão: 150 cv entre as 5000-6000 rpm; Motor elétrico: 116 cv (85 kW); Potência combinada: 245 cv (180 kW)
    • Binário: Motor combustão: 250 Nm entre 1550-3500 rpm; Motor elétrico: 330 Nm; Binário máximo combinado: 400 Nm
  • Transmissão
    • Tracção: Dianteira
    • Caixa de velocidades: Automática de 6 velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4485 mm / 1849 mm / 1625 mm
    • Distância entre os eixos: 2680 mm
    • Bagageira: 380-1375 l
    • Jantes / Pneus: 235/55 R18
    • Peso: 1815 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 1,6 l/100 km; Autonomia elétrica: 51 km
    • Emissões de CO2: 36 g/km
    • Vel. máxima: 210 km/h
    • Aceleração: 7,3s
  • Equipamento
    • Cabo de carregamento para postos públicos até 11kW
    • Cabo para carregamento em tomada doméstica
    • Cabo para carregamento em tomadas industriais 3 pinos 16A
    • Espelhos retrovisores exteriores na cor da carroçaria
    • Faróis LED Standard
    • Bancos traseiros Plus
    • Ar condicionado automático com 2 zonas de regulação
    • Painel de instrumentos digital 10,25''
    • Rádio MMI Basic MIB3
    • Alerta de saída da faixa de rodagem
    • Hold assist
    • Sensor de luz e chuva
    • Inserções decorativas em Cinzento Prata
    • Inserções decorativas em Preto brilhante
    • Espelhos retrovisores exteriores com regulação elétrica e aquecidos
Extras
Pintura metalizada — 850 €; Jantes de liga leve de 18" com 5 braços duplos e pneus 235/55 R18 — 850 €; Pacote Advance (inclui: Câmara traseira; Audi smartphone interface; Volante desportivo multifunções Plus, em couro; Sensores de estacionamento dianteiros e traseiros; Audi virtual cockpit) — 1800 €.
Avaliação
7 / 10
«Despida» de equipamento, esta versão base do Audi Q3 45 TFSIe acaba por deixar a «nu» as qualidades intrínsecas da proposta alemã, sem distrações. Afinal de contas, se há equipamentos que são opcionais, há características que são de série como a robustez, a eficiência do sistema híbrido plug-in ou o conforto que faz inveja a algumas propostas… gaulesas. É óbvio que pagar perto de 50 mil euros por um modelo que não conta com equipamentos que são oferecidos de série em modelos de segmento B causa alguma estranheza. Mas é assim o «mundo» das marcas premium.
  • Conforto
  • Qualidade geral
  • Eficiência do sistema híbrido plug-in
  • Preço
  • Lacunas de equipamento
  • Pneus
Sabe responder a esta?
Qual era a potência da Audi RS2
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

As carrinhas desportivas mais radicais de sempre: Audi RS2

Mais artigos em Testes, Ensaio