Condução totalmente autónoma? Vai demorar muito e só com marcas a cooperarem

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Web Summit 2021

Condução totalmente autónoma? Vai demorar muito e só com marcas a cooperarem

Há muito envolvido na condução autónoma, Stan Boland, cofundador e CEO da Five, a maior empresa de software de condução autónoma da Europa, aposta numa visão realista para a aplicação desta tecnologia.

Em Web Summit 2021

Após um ano de «ausência física», a Web Summit está de regresso à cidade de Lisboa e nós não faltámos à chamada. Entre os muitos tópicos discutidos não faltaram os relacionados com a mobilidade e o automóvel, e a condução autónoma mereceu especial destaque.

Contudo, a expectativa e a promessa de carros 100% autónomos para «amanhã», estão a dar lugar a uma abordagem muito mais realista acerca da sua implementação.

Algo que ficou bem patente na conferência “How can we make the autonomous vehicle dream a reality?” (Como é que podemos fazer do sonho do veículo autónomo uma realidade?) com Stan Boland, cofundador e diretor executivo da maior empresa de software de condução autónoma da Europa, a Five.

A NÃO PERDER: Conhece todos os níveis da condução autónoma
Stan Boland, CEO e cofundador da Five
Stan Boland, o diretor executivo e co-fundador da Five.

Surpreendentemente, Boland começou por relembrar que os sistemas de condução autónoma são “dados a erros” e por isso mesmo é preciso “treiná-los” para enfrentar os mais diversos cenários e o ambiente complexo das estradas.

No “mundo real” é mais difícil

Na opinião do CEO da Five, a principal razão para um certo “abrandamento” da evolução destes sistemas foi a dificuldade de os fazer funcionar “no mundo real”. Estes sistemas, segundo Boland, funcionam na perfeição em ambiente controlado, mas para que funcionem igualmente bem nas caóticas estradas do “mundo real” é preciso mais trabalho.

Que trabalho? O tal “treino” para preparar os sistemas de condução autónoma para enfrentarem o maior número de cenários possível.

As «dores de crescimento» destes sistemas já levaram a própria indústria a adaptar-se. Se em 2016, auge da ideia da condução autónoma, se falava em “condução autónoma” (“Self-Driving”) agora as empresas preferem usar o termo “Condução Automatizada” (“Automated Driving“).

No primeiro conceito o automóvel é verdadeiramente autónomo e conduz-se sozinho, com o condutor a ser um mero passageiro; já no segundo e atual conceito, o condutor tem um papel mais ativo, com o carro a assumir o controlo total da condução somente em cenários muito específicos (por exemplo, em autoestrada).

Testar muito ou testar bem?

Apesar da abordagem mais realista à condução autónoma, o CEO da Five continua a ter confiança nos sistemas que permitem a um automóvel “conduzir-se sozinho”, dando como exemplo do potencial desta tecnologia sistemas como o cruise control adaptativo ou o assistente de manutenção na faixa de rodagem.

Ambos estes sistemas estão cada vez mais disseminados, têm fãs (clientes dispostos a pagar mais para os ter) e são já capazes de ultrapassar alguns desafios/problemas com que se possam deparar.

LEIAM TAMBÉM: Condução autónoma. Investigadores alertam para as interferências das tempestades solares

Já no que respeita aos sistemas de condução totalmente autónoma, Boland relembrou que mais do que percorrer muitos milhares (ou milhões) de quilómetros em testes, é importante que estes sistemas sejam colocados à prova nos mais diversos cenários.

Tesla Model S Autopilot

Ou seja, de nada serve testar um carro 100% autónomo no mesmo percurso, se este não tiver praticamente trânsito nenhum e for composto maioritariamente por retas com boa visibilidade, mesmo que se acumulem milhares de quilómetros em testes.

Em comparação, é muito mais proveitoso testar estes sistemas no meio do trânsito, onde estes terão de enfrentar inúmeros problemas.

Cooperar é crucial

Reconhecendo que há uma parte considerável do público disposta a pagar para usufruir de sistemas de condução automatizada, Stan Boland relembrou que neste momento é crucial que as empresas do setor tecnológico e os fabricantes de automóveis trabalhem em conjunto se o objetivo é mesmo fazer com que estes sistemas continuem a evoluir.

Five Ai
A Five está na vanguarda da condução autónoma na Europa, mas nem por isso deixa de ter uma visão realista desta tecnologia.

No seu entender, o know-how das empresas de automóveis (seja nos processos de fabrico ou nos testes de segurança) é crucial para que as empresas do ramo tecnológico continuem a evoluir estes sistemas no caminho certo.

A NÃO PERDER: Ansiedade da autonomia. Quantos quilómetros um elétrico precisa para termos “paz de espírito”?

Por isso mesmo, Boland aponta a cooperação como algo crucial para ambos os setores, neste momento no qual “as empresas tecnológicas querem ser empresas de automóveis e vice-versa”.

Deixar de conduzir? Nem por isso

Por fim, quando questionado se o crescimento dos sistemas de condução autónoma poderá levar as pessoas a deixarem de conduzir, Stan Boland deu uma resposta digna de um petrolhead: não, pois conduzir é bastante divertido.

Apesar disso, admite que algumas pessoas possam ser levadas a abdicar da carta, mas apenas num futuro algo longínquo, pois até lá é preciso “testar muito mais do que o «normal» para garantir que as questões com a segurança da condução autónoma estão todas asseguradas”.

Sabe responder a esta?
Em que ano foi revelado o Renault Clio V6?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

No adeus aos Renault Sport, recordamos 5 dos mais especiais

Mais artigos em Notícias