Apresentação

Novo Peugeot 308. Conheçam todos os detalhes do maior «inimigo» do VW Golf

O novo Peugeot 308 expressa uma imagem mais sofisticada, tecnológica e estreia o novo emblema da marca. Chega este ano com duas opções híbridas plug-in.

O novo Peugeot 308 acaba de ser revelado. Um modelo que reflete a aposta da marca francesa em elevar o seu posicionamento. Nesta terceira geração, o familiar compacto da «marca do leão» surge com uma aparência mais sofisticada que nunca. Mas também há muitas novidades noutros aspetos: o conteúdo tecnológico nunca foi tão extenso.

De resto, elevar o seu posicionamento e estatuto, era uma ambição há muito prometida pela Peugeot. Uma ambição que ganha corpo no novo brasão e logótipo da marca. O resultado é um modelo que aparenta ter tudo para continuar a fazer a «vida negra» ao Volkswagen Golf.

Com mais de 7 milhões de unidades vendidas, o 308 é dos modelos mais importantes da Peugeot. Não é por isso de estranhar que tenha sido este o modelo escolhido para estrear o novo emblema da marca, que surge, orgulhosamente, ao centro da generosa grelha dianteira. Mas também o podemos ver nos flancos, atrás da roda dianteira a fazer lembrar uma certa marca italiana

VEJA TAMBÉM: Peugeot. Novo logótipo para o início de uma nova era

Cresceu em (quase) todas as direções

O novo 308 demarca-se do antecessor pelos seus traços estilísticos mais expressivos, e pela generosa profusão de detalhes e apontamentos decorativos. Mas as diferenças não se ficam por aqui. Ainda que o novo Peugeot 308, tal como o antecessor, assente sobre a plataforma EMP2, esta foi profundamente revista. Nesta terceira geração o novo 308 cresce em praticamente todas direções.

É mais comprido 110 mm (4367 mm) e a distância entre eixos é 55 mm maior (2675 mm), e é ainda 48 mm mais largo (1852 mm). Porém, é 20 mm mais baixo, tendo agora 1444 mm de altura.

Peugeot 308 2021

A sua silhueta fica assim mais esguia, também evidenciada pela maior inclinação do pilar A e não parece apenas mais aerodinâmico, é efetivamente mais aerodinâmico. A resistência aerodinâmica foi reduzida, graças à otimização de várias partes (desde o fundo carenado ao cuidado colocado no desenho dos retrovisores ou pilares). O Cx é agora de 0,28 e o S.Cx (superfície frontal multiplicada pelo coeficiente aerodinâmico) passa a ser de 0,62, praticamente 10% menos que o antecessor.

As maiores dimensões exteriores refletem-se nas cotas internas, com a Peugeot a afirmar que existe mais espaço para os joelhos dos ocupantes traseiros. No entanto, a bagageira é marginalmente mais pequena na nova geração: 412 l contra 420 l, mas passa a existir um compartimento de 28 l de capacidade por baixo do piso.

Interior mantém i-Cockpit

Como tem sido habitual desde há praticamente 10 anos, também o interior do novo Peugeot 308 continua a ser dominado pelo i-Cockpit, onde o painel de instrumentos — sempre digital com 10″ e do tipo 3D a partir do nível GT — encontra-se numa posição mais elevada que o habitual, acompanhado por um volante de pequenas dimensões.

O volante em si, além de pequeno, assume uma forma a tender para o hexagonal e passa a incorporar sensores capazes de detetar o agarrar do volante pelo/a condutor/a, em complemento com o uso dos novos assistentes à condução. Pode ainda ser aquecido e contém vários comandos (rádio, media, telefone e assistentes à condução).

Nesta nova geração também as saídas de ventilação passam a estar posicionadas mais acima no tabliê (posição mais eficaz para a sua ação, diretamente à frente dos ocupantes), “empurrando” o ecrã do sistema de infoentretenimento (10″) para uma posição mais baixa e mais próxima da mão de quem conduz. Novidade são também os botões táteis configuráveis diretamente abaixo do ecrã, que servem de teclas de atalho.

Como tem sido apanágio dos últimos lançamentos da marca, também o interior do novo Peugeot 308 tem uma aparência sofisticada, quase arquitetural. Destaque para a consola central nas versões com caixa automática (EAT8), que prescinde de um manípulo convencional recorrendo, ao invés, a uma discreta patilha para alternar entre as posições R, N e D, tendo botões para o P e para o modo B. Os modos de condução são selecionados noutro botão em posição mais recuada.

VEJA TAMBÉM: Peugeot 5008 GT (2021). Será que os 7 lugares compensam?

Não basta parecer, também tem de ser

O posicionamento mais elevado que a Peugeot procura para si e para o seu novo modelo traduzir-se-á igualmente, de acordo esta, numa experiência de condução mais refinada. Para isso a marca otimizou a rigidez estrutural do seu modelo, com maior recurso a adesivos industriais e trabalhou mais o refinamento e insonorização.

O para-brisas pode ser aquecido e o vidro é mais espesso não só à frente como atrás, sendo laminado acusticamente nas janelas laterais dianteiras (depende da versão). Os bancos prometem maior ergonomia e conforto, tendo recebido a etiqueta AGR (Aktion für Gesunder Rücken ou Campanha para uma Coluna Saudável), podendo ser, opcionalmente, de ajuste elétrico e incluir um sistema de massagens.

A qualidade de vida a bordo também é evidenciada não só pela presença de um sistema áudio da FOCAL, como pela introdução de um sistema que analisa a qualidade do ar interior, ativando automaticamente a reciclagem do ar em caso de necessidade. No nível GT é complementado por um sistema de tratamento de ar (Clean Cabin) que filtra os gases poluentes e partículas.

TEM DE VER: O Último dos… GTI na Peugeot

Dois híbridos plug-in disponíveis logo no lançamento

O novo Peugeot 308 quando chegar ao mercado dentro de alguns meses — tudo aponta para que comece a chegar aos principais mercados a partir de maio —, terá disponível, logo à partida, duas motorizações híbridas plug-in.

Não são totalmente novidade, pois já as vimos em outros modelos do agora ex-Groupe PSA, combinando um motor de combustão interna a gasolina 1.6 PureTech — de 150 cv ou 180 cv — com um motor elétrico sempre de 81 kW (110 cv). Resulta em duas versões:

  • Hybrid 180 e-EAT8 — 180 cv de potência máxima combinada, até 60 km de autonomia e emissões de CO2 de 25 g/km;
  • Hybrid 225 e-EAT8 — 225 cv de potência máxima combinada, até 59 km de autonomia e emissões de CO2 de 26 g/km

Ambas recorrem à mesma bateria de 12,4 kWh que tem como consequência a redução da capacidade da bagageira de 412 l para 361 l. Os tempos de carregamento variam de pouco mais de sete horas (carregador de 3,7 kW com tomada doméstica) até praticamente duas horas (carregador de 7,4 kW com wallbox).

As restantes motorizações, a combustão, são “velhas” conhecidas:

  • 1.2 PureTech — 110 cv, caixa manual de seis velocidades;
  • 1.2 PureTech — 130 cv, caixa manual de seis velocidades;
  • 1.2 PureTech — 130 cv, caixa automática (EAT8) de oito velocidades;
  • 1.5 BlueHDI — 130 cv, caixa manual de seis velocidades;
  • 1.5 BlueHDI — 130 cv, caixa automática (EAT8) de oito velocidades;
A NÃO PERDER: Kia EV6. As primeiras imagens do novo crossover exclusivamente elétrico

Semiautónomo

Por fim, como não podia deixar de ser, também o novo Peugeot 308 reforça substancialmente o seu pacote de ajudas à condução (Drive Assist 2.0), permitindo condução semiautónoma (nível 2), uma opção que estará disponível perto do final do ano.

Peugeot 308 2021

O Drive Assist 2.0 inclui o cruise control adaptativo com função Stop&Go (quando equipado com a EAT8), manutenção na faixa de rodagem e adiciona três novas funções: mudança de via de forma semiautomática (dos 70 km/h aos 180 km/h); recomendação avançada da velocidade de acordo com a sinalização; adaptação da velocidade em curva (até 180 km/h).

Não se fica por aqui, podendo ter (de série ou opcionalmente) equipamentos como uma nova câmara traseira de alta definição de 180º, assistente ao estacionamento 360º com recurso a quatro câmaras; cruise control adaptativo; travagem automática de emergência capaz de detetar peões e ciclistas, de dia ou noite, dos 7 km/h até aos 140 km/h (depende da versão); alerta de atenção do/a condutor/a; etc.

Mais artigos em Notícias