Recharge No modo Recharge está a reduzir a sua pegada ecológica.

Obrigado por guardar energia para o que mais importa.

Uma iniciativa
x

Recharge

Estamos a guardar energia para o que mais importa.

Indústria

Oficial. O último MINI com motor de combustão chega em 2025

Com o objetivo de se tornar numa marca 100% elétrica, a MINI planeia lançar o seu último modelo com motor de combustão já em 2025.

Tal como a Bentley, também a MINI se prepara para abandonar os motores de combustão, tendo confirmado que o seu último modelo com este tipo de motor chega em 2025.

Ao que tudo indica, o modelo em causa será a nova geração do MINI. A partir daí a marca britânica só lançará modelos 100% elétricos. A meta? Garantir que 50% das suas vendas em 2027 correspondem a modelos elétricos.

Atualmente a MINI apenas vende um modelo 100% elétrico, o Cooper SE, mas a partir de 2023 este terá a “companhia” de uma versão elétrica de uma nova geração do MINI Countryman.

VEJA TAMBÉM: MINI já desenvolve um John Cooper Works 100% elétrico
MINI Countryman SE
Na próxima geração o MINI Countryman vai contar com uma versão 100% elétrica.

Também prevista para 2023 está a chegada de um crossover elétrico produzido na China e desenvolvido com base numa plataforma dedicada, fruto da joint venture com os chineses da Great Wall.

MINI como “ponta de lança”

De acordo com o Grupo BMW, a MINI terá um “papel pioneiro” no programa de eletrificação do grupo alemão.

Segundo o Grupo BMW “a marca urbana é absolutamente ideal para a mobilidade elétrica”. Além disto, o grupo alemão afirmou que a MINI vai continuar a ser uma marca global, mantendo-se presente em vários mercados, inclusive aqueles onde os modelos de combustão possam ser vendidos após 2030.

Agora resta saber se, nesses mercados, a MINI irá prolongar a “vida” dos seus modelos com motor de combustão ou se venderá apenas modelos 100% elétricos.

Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançado o SEAT Ronda?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Este SEAT Ronda foi usado como prova em tribunal. Porquê?

Mais artigos em Notícias