Lançamento

E-Tech. Fica a saber quanto custam os híbridos da Renault

Por detrás do nome E-Tech encontramos os primeiros modelos híbridos da Renault. Clio, Captur e Mégane foram os escolhidos e já estão à venda.

Numa altura em que a redução das emissões de CO2 está na ordem do dia, vemos chegar ao mercado os primeiros modelos híbridos da Renault — Clio, Captur e Mégane — que serão identificados com a submarca E-Tech.

Podem ser os primeiros híbridos da marca, mas a Renault não é estranha à eletrificação do automóvel, bem pelo contrário. Foi, aliás, uma das pioneiras na democratização do automóvel elétrico com modelos como o Fluence Z.E., a Kangoo Z.E. e, sobretudo, com o Zoe.

Podem recorrer à mesma identificação E-Tech e, na verdade, todos eles são híbridos, mas a abordagem à hibridização do Clio é distinta da usada nos Captur e Mégane.

VÊ TAMBÉM: Clio E-Tech é o primeiro híbrido da Renault. E nós já o conduzimos

O Renault Clio E-Tech é o que se chama hoje em dia de um “full hybrid” (expressão usada para os distinguir dos mild hybrid), ou o que alguns começam a chamar de híbrido auto-carregável. O que isto significa é que o carregamento da bateria é gerida pelo próprio “cérebro” do veículo, não sendo possível ligar o carro “à tomada” para o fazer.

Precisamente a característica que distingue os Renault Captur E-Tech e Mégane E-Tech, pois ao serem híbridos plug-in, já permitem uma autonomia elétrica maior, de 50 km, graças a uma bateria com muito maior capacidade. No caso do Clio esta tem apenas 1,2 kWh (230 V) de capacidade, enquanto nos Captur e Mégane a bateria é de 9,8 kWh (400 V).

VÊ TAMBÉM: Todos os preços do novo Renault Zoe

Os motores

Sendo híbridos, os E-Tech combinam dois tipos de motorização: um motor de combustão interna com um (ou mais) elétrico. Todos eles partilham o motor de combustão, uma unidade com 1,6 l e quatro cilindros, adaptada especificamente para esta solução.

Renault Clio E-Tech

O 1.6 funciona de acordo com o ciclo Atkinson, ciclo que dá prioridade à eficiência em detrimento do rendimento, o que justifica os modestos 91 cv de potência anunciados, tendo ainda 144 Nm de binário máximo.

A este juntam-se dois motores elétricos. No caso do Clio E-Tech, o primeiro, mais potente, debita 39 cv, enquanto o segundo serve também de gerador e debita 20 cv. No total, o Clio E-Tech debita 140 cv de potência máxima combinada.

No caso dos Captur E-Tech e Mégane E-Tech, ambos recorrem a motores elétricos mais potentes, respetivamente com 66 cv e o gerador com 34 cv. A potência máxima combinada em ambos os modelos é de 160 cv.

Renault Captur E-Tech
O Captur E-Tech e o Mégane E-Tech partilham a mecânica.
VÊ TAMBÉM: Captur contra Captur. Qual a melhor opção: gasolina ou bi-fuel (GPL)?

Sem embraiagem e sem sincronizadores

Talvez o aspeto mais interessante dos novos híbridos da Renault resida na sua caixa de velocidades. Designada de caixa multimodo, vem com carretos direitos — uma herança do mundo da Fórmula 1. Na sua essência é uma caixa manual, mas aqui sem sincronizadores e sem embraiagem, com as relações a serem engrenadas por atuadores elétricos, sem intervenção do condutor.

Caixa multimodo da Renault
Caixa multimodo da Renault

De um lado da caixa, há um veio secundário ligado ao motor elétrico principal, com duas relações de transmissão. Do outro lado, há um segundo veio secundário, ligado à cambota do motor a gasolina e com quatro relações.

É a combinação destas duas relações elétricas e quatro térmicas — num total de 15 combinações ou melhor, velocidades possíveis — que permite ao sistema E-Tech funcionar como um elétrico puro, como um híbrido paralelo, híbrido em série, fazer a regeneração, regeneração assistida pelo motor a gasolina ou andar apenas com o motor a gasolina.

TENS DE VER: Fomos celebrar com a Renault os 40 anos sobre a primeira vitória de um Turbo na F1

Quanto é que os Renault E-Tech custam?

Faltou só referir consumos e emissões de CO2 oficiais, que em muito saem beneficiados pela eletrificação da sua cadeia cinemática. Assim, em ciclo misto (WLTP) o Clio E-Tech anuncia 4,3 l/100 km e emite 96 g/km. Com a componente elétrica em muito mais destaque o Captur E-Tech e Mégane E-Tech anunciam, respetivamente, 1,4 l/100 km e 32 g/km, e 1,3 l/100 km e 28 g/km.

Renault Mégane
A primeira carroçaria a estar disponível com o sistema híbrido plug-in será a carrinha Sport Tourer.

Disponível em cinco níveis de equipamento — Intens, RS Line, Exclusive, Edition One e Initiale Paris — o Renault Clio E-Tech vai ser comercializado ao mesmo preço das versões equipadas com o motor diesel Blue dCi 115 equivalentes.

Renault Clio E-Tech
Versão Preço
Intens 23 200 €
RS Line 25 300 €
Exclusive 25 800 €
Edition One 26 900 €
Initiale Paris 28 800 €

Já o Captur E-Tech vai estar disponível em três níveis de equipamento: Exclusive, Edition One e Initiale Paris.

Renault Captur E-Tech
Versão Preço
Exclusive 33 590 €
Edition One 33 590 €
Initiale Paris 36 590 €

Por fim, o Mégane E-Tech está também disponível em três versões: Zen, Intens e R.S. Line. Para já está apenas disponível como carrinha, ou em linguagem Renault, Sport Tourer.

Renault Mégane E-Tech Sport Tourer
Versão Preço
Zen 36 350 €
Intens 37 750 €
R.S. Line 39 750 €

Mais artigos em Notícias