Antevisão

Como seria o carro elétrico da Dyson? Fica a conhecê-lo

O carro elétrico da Dyson não chegou a ser lançado. No entanto, isso não significa que não possamos saber como era suposto ter sido.

Nascido em 2014, o projeto para a criação do carro elétrico da Dyson (a marca britânica conhecida pelos seus aspiradores), acabou por ser cancelado em outubro do ano passado.

Ora, com o cancelamento do projeto acabámos por nunca ficar a conhecer como seria o carro elétrico da Dyson. Quer dizer nunca o vimos… até agora.

Numa entrevista dada ao jornal britânico The Sunday Times, o bilionário Sir James Dyson, o homem por detrás da Dyson, revelou como teria sido o primeiro automóvel da marca.

VÊ TAMBÉM: Tesla. Baterias “low cost” capazes de 1,6 milhões de quilómetros? Tudo indica que sim

Eu não tenho uma gama. Precisava de lucrar com cada carro ou então iria comprometer toda a empresa. No final, era demasiado arriscado".

Sir James Dyson

O “N526”

Com o nome de código “N526”, o carro elétrico da Dyson foi projetado como um rival para o Tesla Model X.
Com sete lugares, cerca de 5,0 m de comprimento, 2,0 m de largura e 1,7 m de alura, o carro elétrico da Dyson iria ter dois motores de 200 kW cada (272 cv) que, no total,  garantiriam 544 cv e 649 Nm de binário.

Tudo isto permitir-lhe-ia cumprir os 0 aos 100 km/h em 4,8s — um muito bom valor tendo em conta as 2,6 toneladas —  e atingir os 201 km/h de velocidade máxima (limitados). Já a autonomia deveria ser um dos seus principais argumentos: aproximadamente 1000 km, mais precisamente 966 km, perto do dobro do Tesla Model X Long Range.

De acordo com Sir James Dyson, o projeto do carro elétrico da Dyson custou 500 milhões de libras (cerca de 564 milhões de euros) do seu próprio dinheiro antes de decidir cancelá-lo. A conclusão a que ele e a sua empresa chegaram é de que o veículo não seria comercialmente viável, decidindo terminar o projeto.

Ele estimou que cada unidade tivesse de gerar 150 mil libras (cerca de 168 500 euros) só para atingir o “break-even”. Sem uma gama lucrativa de modelos com motores de combustão para suportar este projeto, as perdas seriam enormes por cada unidade produzida.

Quanto à equipa envolvida no projeto, composta por cerca de 500 elementos, está hoje envolvida noutros projetos da Dyson.

Fontes: CarScoops; Autocar; engadget e The Sunday Times.


A equipa da Razão Automóvel continuará online, 24 horas por dia, durante o surto de COVID-19. Segue as recomendações da Direção-Geral de Saúde, evita deslocações desnecessárias. Juntos vamos conseguir ultrapassar esta fase difícil.

Sabe responder a esta?
Em que ano foi lançado o Mazda MX-3?
Não acertou..

Mas pode descobrir a resposta aqui::

Ainda te lembras dos pequenos coupé dos anos 90?

Mais artigos em Notícias