Desde 68 420 euros

Testámos o Volvo XC60 B5. O que mudou em relação ao XC60 D5, que substitui?

À primeira vista, a única diferença do Volvo XC60 B5 para o anterior D5 é uma letra só, mas não… O B5 reforça as competências do SUV médio da marca sueca.

Quase três anos depois de termos colocado à prova o Volvo XC60 D5, colocamos agora à prova o Volvo XC60 B5 — ambos na versão “Inscription”, e ambos dotados com o mesmo motor Diesel, o mais potente da gama.

Depois de leres este parágrafo, onde a única diferença entre os dois parece ser a mudança da inscrição “D5” para “B5” deves estar a perguntar-te: “porque é que testaram o mesmo carro outra vez?”. Pois bem, a resposta à tua pergunta é muito simples.

Ao passar de “D5” para “B5”, significa que o Volvo XC60 passou agora a contar com um sistema mild-hybrid 48 V, do qual faz parte um motor elétrico de 14 cv e 40 Nm, e que, diz a marca, promete consumos reduzidos em até 15%.

VÊ TAMBÉM: Esqueçam os SUV. Testámos as Audi A4 Allroad e Volvo V60 Cross Country
Volvo XC60 B5 Inscription AWD
Esteticamente o XC60 mantém-se atual. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Ora, por isso mesmo, voltámos a reencontrar-nos com aquele que foi eleito “Carro Mundial do Ano 2018” e fomos descobrir se o sistema mild-hybrid realmente faz o que promete.

No interior do Volvo XC60 B5

Mas primeiro, este reencontro serviu para nos recordar o quão apelativo ainda é a proposta sueca. No interior, apesar de não haver nada de novo, não é sinónimo de más notícias. O aspeto continua a ser bastante acolhedor e com tendências minimalistas, e no que diz respeito à qualidade de montagem e dos materiais, esta encontra-se ao nível dos rivais germânicos.

Tal como os outros membros desta geração de modelos Volvo, também o XC60 se despediu de muitos dos comandos físicos, inclusive os da climatização que passaram — infelizmente, na minha opinião — para o ecrã do sistema de infotainment.

Volvo XC60 B5 Inscription AWD
Eu gosto… a cor castanha do interior da unidade ensaiada resulta muito bem visual. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Por falar no sistema de infotainment, tal como na V60 T8 PHEV que também testei, tenho de o elogiar pelo bom grafismo e pelo facto de ser bastante completo, isto apesar de exigir alguma habituação na sua utilização.

VÊ TAMBÉM: Volvo XC40 D3. Tudo o que precisas de saber

Já no que diz respeito ao espaço disponível, o Volvo XC60 faz jus à sua vocação familiar e mostra-se capaz de transportar confortavelmente quatro adultos e respetiva bagagem — esta última apresenta 505 l de capacidade, suficiente q.b. para as necessidades familiares.

Volvo XC60 B5 Inscription AWD © Thom V. Esveld / Razão Automóvel
VÊ TAMBÉM: Testámos o Citroën C5 Aircross. SUV com perfil de MPV

Ao volante do Volvo XC60 B5

Uma vez sentados ao volante do Volvo XC60 B5, o destaque vai todo para os confortáveis bancos e as suas amplas regulações que contribuem para que se encontre uma boa posição de condução.

Volvo XC60 B5 Inscription AWD
O XC60 conta com quatro modos de condução, incluindo um modo “Off Road”. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

Já em andamento, o motor Diesel de 2.0 l, com 235 cv e 480 Nm continua igual a ele próprio, revelando-se suave e progressivo, tendo na caixa automática de oito velocidades uma excelente companheira. Mas será que o sistema mild-hybrid contribuiu para cortar o seu apetite?

Se há quase três anos uma das críticas que apontámos eram precisamente os consumos algo elevados desta unidade Diesel — dificilmente baixavam dos oito litros — agora, pelo contrário, este tópico passou a ser uma das virtudes deste novo Diesel mild-hybrid.

VÊ TAMBÉM: Testámos o SEAT Tarraco 1.5 TSI. Faz sentido com motor a gasolina?
Volvo XC60 B5 Inscription AWD
O painel de instrumentos digital conta com uma boa legibilidade. © Thom V. Esveld / Razão Automóvel

A média ao longo do teste ficou-se entre os 6,5 e os 7,0 l/100 km, tendo até chegado a andar na casa dos cinco litros quando levei o XC60 a fazer aquilo para que parece ter sido talhado: devorar quilómetros.

É a prova de que os sistemas mild-hybrid podem realmente ser uma mais valia, retirando do motor de combustão o ónus de alimentar vários sistemas auxiliares (por exemplo, climatização), potenciando ainda o fator de economia de combustível do sistema stop-start em condução urbana.

VÊ TAMBÉM: Testámos o Skoda Kodiaq RS, um SUV de 7 lugares… “desportivo”. Faz sentido?

Em modo “devorador de quilómetros”, seja em autoestrada ou numa das intermináveis retas das planícies alentejanas, o XC60 revela elevados níveis de estabilidade e de isolamento acústico — continua a ser impressionante a forma como o SUV sueco “disfarça” a velocidade, tal como já nos dizia o Guilherme há mais de dois anos.

Já quando chegam as curvas, apesar de se mostrar seguro e previsível, o Volvo XC60 B5 mostra-se mais talhado para o conforto, não nos presenteando com a experiência de condução mais intensa quando aos seus comandos — é um SUV com fortes atributos estradistas e familiares; nem todos os automóveis têm de ser reis do asfalto.

VÊ TAMBÉM: BMW X7 M50d (G07) em teste. Quanto maior, melhor…

É o carro certo para mim?

Confortável, espaçoso, seguro, bem equipado, robusto, versátil e agora mais económico, o Volvo XC60 é um dos SUV que mais aprecio dentro do seu segmento.

É verdade que não tem a acutilância dinâmica de um BMW X3, no entanto, revela-se seguro, previsível e um ótimo estradista, presenteando os seus ocupantes com níveis muito elevados de conforto.

Isto apesar de estarmos num período em que muitos modelos parecem focados, sobretudo, em obter uma dinâmica acutilante, o caminho algo diferente que a Volvo decidiu seguir é de louvar, principalmente porque ao fazê-lo não deixou de criar um modelo bastante competente.

Assim sendo, se gostas de viajar, até fugir um pouco do asfalto e queres transportar a tua família em segurança e conforto, o Volvo XC60 B5 Inscription pode muito bem ser a escolha ideal.

Preço

unidade ensaiada

79.769

Versão base: €68.419

IUC: €259

Classificação Euro NCAP:

  • Motor
    • Arquitectura: 4 cilindros em linha
    • Capacidade: 1969 cm3
    • Posição: Dianteira transversal
    • Carregamento: Injeção direta common rail + turbo de geometria variável + intercooler
    • Distribuição: 2 a.c.c., 4 válvulas por cilindro
    • Potência: 235 cv às 4000 rpm
    • Binário: 480 Nm entre as 1750 e as 2250 rpm
  • Transmissão
    • Tracção: Integral
    • Caixa de velocidades: Automática de oito velocidades
  • Capacidade e dimensões
    • Comprimento / Largura / Altura: 4688 mm / 2117 mm / 1658 mm
    • Distância entre os eixos: 2865 mm
    • Bagageira: 505 litros
    • Jantes / Pneus: 235/55 R19
    • Peso: 1950 kg
  • Consumo e Performances
    • Consumo médio: 6,2 a 7,2 l/100 km
    • Emissões de CO2: 163 a 187 g/km
    • Vel. máxima: 220 km/h
    • Aceleração: 7,1s
  • Equipamento
    • Ar Condicionado automático de 2 zonas
    • CleanZone
    • Sensor de Humidade
    • Fecho centralizado com comando remoto em couro
    • Painel de instrumentos digital de 12,3"
    • Estofos em Couro
    • Banco elétrico para condutor
    • Banco do passageiro com apoio lombar
    • Apoio lombar elétrico de 4 vias
    • Inserções decorativas Driftwood
    • Volante em Couro
    • Kit de reparação de furos
    • Portão da bagageira elétrico
    • Tomada de 12V na bagageira
    • Rails de tejadilho cromados
    • Grelha Inscription
    • Moldura das janelas em cromado
    • Ponteira de escape dupla
    • Espelhos retrovisores exteriores rebatíveis
    • Faróis de LED Mid
    • Limitador de velocidade
    • Cruise control
    • Collision Mitigation Support, frente
    • Lane Keeping Aid
    • Sensores de ajuda ao estacionamento, atrás
    • Definições do modo de condução
    • Hill start assist
    • Hill Descent Control
    • Sensor de chuva
    • Bancos dianteiros com proteção Whiplash
    • Audio High Performance
    • Apple CarPlay e Android Auto
    • Sistema de navegação
    • Bluetooth
    • 2 conexões USB
    • Comandos audio no volante
Extras
Couro napa comfort ambar (2060 €); Cor Pine Grey (959 €); Banco elétrico para passageiro (461 €); Bancos dianteiros aquecidos (300 €); Apoio lateral regulável eletricamente (180 €); Banco do passageiro com memória (92 €); Pack Versatility pro (inclui: fecho de segurança elétrico das portas traseiras, encostos de cabeça traseiros rebatíveis eletricamente, porta luvas com tranca e keyless entry)(726 €); Xenium (inclui: ar condicionado automático de 4 zonas, teto panorâmico e head-up display)(2608 €); Light (inclui: faróis de nevoeiro no spoiler dianteiro; lava-faróis e faróis de LED High)(1119 €); Intellisafe pro (inclui: Cruise Control adaptativo e aviso de presença de viaturas no ângulo morto)(1796 €); Park assist (inclui: sensores de ajuda ao estacionamento, atrás e à frente e câmara traseira)(677 €).
Avaliação
8 / 10
Não é só a mudança de uma letra. A chegada da versão mild-hybrid, reforçou os argumentos do Volvo XC60, adicionando a qualidades como o conforto, a segurança ou a qualidade de construção, uma nova: consumos baixos. Estradista por natureza, o XC60 apresenta-se como a escolha ideal para famílias que gostem de acumular quilómetros, mas não queiram estar sempre a parar para abastecer e, para mim, isso faz dele uma das propostas mais interessantes do segmento.
  • Conforto
  • Consumos
  • Qualidade
  • Comandos ventilação integrados no sistema de infotainment
Sabes responder a esta?
Em que ano foi apresentado o Volvo 480?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te do Volvo 440? Comemora 30 anos de existência!

Mais artigos em Testes, Ensaio