Salão de Genebra 2020

GTI, GTD e GTE. Volkswagen leva os Golf mais desportivos a Genebra

O Salão de Genebra vai ser o palco da apresentação do Volkswagen Golf GTI mas não só. É que por lá vamos também conhecer os Golf GTD e GTE.

Considerado por muitos como o “pai dos hot hatch“, o Volkswagen Golf GTI vai dar a conhecer a sua oitava geração no Salão de Genebra, dando continuidade a uma história que começou há já 44 anos, em 1976.

A ele vão juntar-se no certame helvético o Golf GTD, cuja primeira geração remonta a 1982, e o Golf GTE, um modelo que viu a luz do dia pela primeira vez em 2014, trazendo a tecnologia híbrida plug-in para o mundo dos hot hatch.

Um visual à altura

Quando vistos de frente, os Volkswagen Golf GTI, GTD e GTE não diferem muito. Os para-choques apresentam um desenho idêntico, com uma grelha em formato de colmeia e os faróis de nevoeiro em LED (cinco no total) a forma um gráfico em forma “X”.

VÊ TAMBÉM: Volkswagen Golf GTI TCR em vídeo. O melhor GTI de sempre?

Os logótipos “GTI”, “GTD” e “GTE” surgem na grelha e no topo desta há uma linha (vermelha para o GTI, cinzenta para o GTD e azul para o GTE) que se ilumina com recurso à tecnologia LED.

No que às jantes diz respeito, estas são de 17″ de série, sendo o modelo “Richmond ” exclusivo do Golf GTI. Em opção, os três modelos podem ser equipados com jantes de 18” ou 19”. Outro dos destaques estilísticos dos Golf mais desportivos é o facto de todos eles contarem com as pinças de travão pintadas a vermelho e saias laterais em preto.

Chegados à traseira dos Golf GTI, GTD e GTE, encontramos um spoiler, faróis em LED de série e o lettering de cada versão surge em posição central, debaixo do emblema da Volkswagen. Já no para-choques surge um difusor que os diferencia dos Golf “normais”.

É no para-choques que encontramos o único elemento que diferencia, de forma visível, os três modelos para além dos logótipos e das jantes: o posicionamento dos escapes. No GTI temos duas saídas de escape, uma em cada lado; no GTD existe apenas uma saída de escape com dupla ponteira, à esquerda e no GTE estão escondidas, não aparecendo no para-choques — existe apenas um friso cromado a sugerir a presença de saídas de escape.

VÊ TAMBÉM: Novo Volkswagen Golf 8 (2020). Primeiro contacto em Portugal

Interiores (quase, quase) idênticos

Tal como no exterior, no interior os Volkswagen Golf GTI, GTD e GTE seguem um caminho muito idêntico. Todos eles surgem equipados com o “Innovision Cockpit”, que inclui um ecrã central de 10” e o painel de instrumentos “Digital Cockpit” com um ecrã de 10,25”.

TESTE: Familiar, desportiva e “poupadinha”? Testámos a híbrida (plug-in) Volkswagen Passat Variant GTE

Ainda no capítulo das diferenças entre os três modelos, estas resumem-se a detalhes como a luz ambiente (vermelha no GTI, cinzenta no GTD e azul no GTE). Já o volante é igual nos três modelos, diferenciando-se apenas pelos logótipos e apontamentos cromáticos, de tons distintos dependendo do modelo.

Os números dos Golf GTI, GTD e GTE

Começando pelo Volkswagen Golf GTI, este recorre ao mesmo 2.0 TSI usado pelo anterior Golf GTI Performance. O que quer isto dizer? Significa que o novo Volkswagen Golf GTI conta com 245 cv e 370 Nm que são enviados às rodas dianteiras através de uma caixa manual de seis velocidades (de série) ou DSG de sete velocidades.

VÊ TAMBÉM: Hyundai i30 de “cara lavada” e ganha novo motor a gasolina

Já o Golf GTD recorre a um novo 2.0 TDI com 200 cv e 400 Nm. Acoplada a esta motorização surge, exclusivamente, uma caixa DSG de sete velocidades. Para ajudar a reduzir as emissões o Golf GTD recorre a dois catalisadores selectivos (SCR), algo que já tínhamos visto acontecer nos restantes motores Diesel usados pelo novo Golf.

VÊ TAMBÉM: Será o novo Ford Focus RS um híbrido?

Por fim, chega a altura de falar acerca do Golf GTE. Este “casa” um 1.4 TSI de 150 cv e um motor elétrico com 85 kW (116 cv) alimentado por uma bateria com 13 kWh (mais 50% que no antecessor). O resultado é uma potência combinada de 245 cv e 400 Nm.

Associado a uma caixa DSG de seis velocidades, o Volkswagen Golf GTE é capaz de percorrer até 60 km em modo 100% elétrico, modo no qual pode ir até aos 130 km/h. Quando tem bateria suficiente, o Golf GTE arranca sempre em modo elétrico (E-Mode), passando para o modo “Hybrid” quando a capacidade da bateria decresce ou se ultrapassa os 130 km/h.

CLÁSSICOS: Volkswagen Golf Turbo Sbarro (1983). Um segredo bem guardado

Para já, a Volkswagen apenas divulgou os números referentes às motorizações, mas não os relativos às prestações dos Golf GTI, GTD e GTE.

As ligações ao solo

Dotados de suspensão McPherson à frente e multi-link atrás, os Volkswagen Golf GTI, GTD e GTE estreiam o sistema “Vehicle Dynamics Manager” que controla o sistema XDS e os amortecedores reguláveis que fazem parte do chassis adaptativo DCC (opcional).

Quando equipados com o chassis adaptativo DCC, os Golf GTI, GTD e GTE têm à escolha entre quatro modos de condução: “Individual”, “Sport”, “Comfort” e “Eco”.

VÊ TAMBÉM: Volkswagen Autoeuropa. “Somos servidos por estradas que ameaçam pessoas e bens”
Volkswagen Golf GTI
O spoiler traseiro está presente no Golf GTI, GTD e GTE.

Com a apresentação pública a acontecer no Salão de Genebra, para já ainda não se sabe quando é que os Volkswagen Golf GTI, GTD e GTE chegarão ao mercado nacional nem quanto irão custar.

Sabes responder a esta?
Qual era a potência do primeiro Volkswagen Golf R32?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Lembras-te deste? Volkswagen Golf R32
Em cheio!!
Vai para a próxima pergunta

ou lê o artigo sobre este tema:

Lembras-te deste? Volkswagen Golf R32

Mais artigos em Notícias