Componentes

Alternador do motor. O que é e como funciona?

De onde vem toda a energia elétrica que alimenta o teu automóvel? A resposta encontra-se no alternador. Uma das peças mais importantes do teu carro.

O alternador do carro é um dos componentes mais importantes dos automóveis com motor de combustão — ainda que também os elétricos tenham um componente com o mesmo propósito.

Dito isto, o alternador do motor é um componente que transforma a energia cinética — produzida pelo movimento do motor — em energia elétrica. Eletricidade essa que é usada para alimentar o sistema elétrico do carro e todos os sistemas associados. Parte dessa energia elétrica é usada para carregar ou manter a carga da bateria.

Com a complexidade eletrónica dos automóveis modernos, o alternador passou a ser um componente fundamental para o funcionamento dos automóveis. Sem ele, não vais a lado nenhum. Já vais perceber porquê.

Como funciona o alternador?

Como referimos, o alternador é uma máquina elétrica que transforma energia cinética em energia elétrica.

O alternador do motor consiste num rotor com ímanes permanentes (ver imagem), conectado à cambota do motor através de uma correia.

Esse rotor está rodeado por um estator, cujo campo magnético reage ao movimento de rotação do rotor induzido pela cambota, gerando neste processo corrente elétrica. Por estar na dependência da rotação da cambota, o alternador só gera electricidade quando o motor está em funcionamento.

A NÃO PERDER: Porque se mede a potência em cavalos?

No eixo do rotor existem escovas que enviam a eletricidade gerada ao retificador e ao regulador de tensão. O retificador é o componente que transforma a corrente alternada (AC) em corrente contínua (DC) — a corrente que é compatível com os sistemas elétricos do carro. O regulador de tensão ajusta a tensão e a corrente da saída, certificando-se de que não há picos.

Qual é função do alternador?

A maioria dos automóveis modernos funcionam a uma voltagem de 12 V (Volts). Luzes, rádio, sistema de ventilação, escovas, etc.

SEAT Ateca
Nesta imagem podemos observar a complexidade do sistema elétrico dos carros modernos. Na imagem: SEAT Ateca.

Quando o carro está desligado, é a bateria que fornece energia a todos estes componentes. Quando ligamos o motor, é o alternador que passa a despenhar essa função e a repor a carga na bateria.

Os carros com sistema de 48 V

Os carros mais modernos — apelidados de mild-hybrid, ou se preferirem, semi-híbridos — recorrem a sistemas elétricos paralelos de 48 V. Não estão equipados com um alternador convecional.

TENS DE LER: TOP 10. Os melhores motores japoneses de todos os tempos

Nestes automóveis, o alternador dá lugar a uma máquina elétrica, cujo princípio de funcionamento é similar, porém assume outras funções:

  • Gerar carga para uma bateria de alta tensão — o consumo energético dos carros modernos é superior devido à sua eletrónica;
  • Auxiliar o motor de combustão em acelerações e retomas — a energia armazenada na bateria de alta tensão é usada para dar um boost de potência;
  • Serve de motor de arranque — uma vez que tem dupla função motor/gerador, substitui o motor de arranque;
  • Liberta o motor de combustão — nos automóveis com sistema de 48 V componentes como a direção assistida, ar-condicionado, ou sistemas de apoio à condução, ficam na dependência direta deste sistema para libertar o motor para a sua principal função: mover o carro.

Nos carros elétricos, o alternador convencional não faz sentido porque temos as baterias — logo não há necessidade de gerar corrente elétrica para alimentar os sistemas do carro. Porém, os motores dos carros elétricos em travagem e desaceleração também operam sobre o mesmo princípio dos alternadores: transformam energia cinética em energia elétrica.

Queres ver mais artigos sobre técnica e componentes automóvel? Clica AQUI.

Sabes responder a esta?
Qual foi o primeiro modelo a recorrer a um motor Diesel de injeção direta?
Não acertaste.

Mas podes descobrir a resposta aqui:

Fiat. A marca que «inventou» os motores Diesel modernos

Mais artigos em Autopédia